Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Escritora santa-mariense publica fábula urbana

Desde a época em que os primeiros homens das cavernas se reuniram ao redor de uma fogueira para contarem histórias, as narrativas fantásticas acompanham a humanidade. Os mitos, as fábulas, a fantasia e o sobrenatural surgiram antes mesmo da escrita e estão presentes em vários clássicos literários, tais como As 1001 Noites, A Odisseia, entre outros. Fenômenos mais recentes, como Harry Potter e Game of Thrones representam o sucesso que a literatura fantástica faz entre os leitores.
Mas e no Brasil, há autores que escrevem ficção sobre lendas, mundos paralelos e outros mitos? Sim, no país do Monteiro Lobato a existência de autores adeptos da literatura fantástica é real.
Em Santa Maria, por exemplo, a professora de História Nikelen Witter já possui um livro na praça. É o Territórios Invisíveis, uma fábula urbana voltada para o público infanto juvenil, que envolve aventura, mistério e personagens com dramas pessoais bem definidos.
De acordo com a escritora, o desenvolvimento da escrita do seu livro, que foi lançado em 2012, foi um processo demorado. “Meu trabalho como redatora é naturalmente lento. Penso e repenso frases, formas, focos, ajusto várias vezes o olhar sob o qual narrarei a cena e o tom que o texto terá”, afirma a autora.

A Fantasia no Brasil

Macunaíma, do escritor Mario de Andrade, é um dos exemplos de vários livros nacionais que utilizam elementos fantásticos na narrativa. Apesar disso, durante um bom tempo houve um certo preconceito em relação a livros de fantasia. No entanto, hoje, sobre o panorama da fantasia no Brasil, a autora afirma que os leitores estão receptivos a esse tipo de leitura, porém os escritores daqui travam uma árdua batalha contra os estrangeiros. “A dificuldade de conseguir espaço num mercado dominado por grandes editoras e uma quantidade imensa de lançamentos estrangeiros – não há nada de ruim nesses lançamentos, mas é difícil competir com as campanhas de marketing que secundam esses livros”, alega a escritora.
Sobre projetos futuros, Nikelen afirma que já possui esboço da continuação de Territórios Invisíveis, bem como um projeto para uma ficção histórica e planos para um outro romance juvenil.

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Desde a época em que os primeiros homens das cavernas se reuniram ao redor de uma fogueira para contarem histórias, as narrativas fantásticas acompanham a humanidade. Os mitos, as fábulas, a fantasia e o sobrenatural surgiram antes mesmo da escrita e estão presentes em vários clássicos literários, tais como As 1001 Noites, A Odisseia, entre outros. Fenômenos mais recentes, como Harry Potter e Game of Thrones representam o sucesso que a literatura fantástica faz entre os leitores.
Mas e no Brasil, há autores que escrevem ficção sobre lendas, mundos paralelos e outros mitos? Sim, no país do Monteiro Lobato a existência de autores adeptos da literatura fantástica é real.
Em Santa Maria, por exemplo, a professora de História Nikelen Witter já possui um livro na praça. É o Territórios Invisíveis, uma fábula urbana voltada para o público infanto juvenil, que envolve aventura, mistério e personagens com dramas pessoais bem definidos.
De acordo com a escritora, o desenvolvimento da escrita do seu livro, que foi lançado em 2012, foi um processo demorado. “Meu trabalho como redatora é naturalmente lento. Penso e repenso frases, formas, focos, ajusto várias vezes o olhar sob o qual narrarei a cena e o tom que o texto terá”, afirma a autora.

A Fantasia no Brasil

Macunaíma, do escritor Mario de Andrade, é um dos exemplos de vários livros nacionais que utilizam elementos fantásticos na narrativa. Apesar disso, durante um bom tempo houve um certo preconceito em relação a livros de fantasia. No entanto, hoje, sobre o panorama da fantasia no Brasil, a autora afirma que os leitores estão receptivos a esse tipo de leitura, porém os escritores daqui travam uma árdua batalha contra os estrangeiros. “A dificuldade de conseguir espaço num mercado dominado por grandes editoras e uma quantidade imensa de lançamentos estrangeiros – não há nada de ruim nesses lançamentos, mas é difícil competir com as campanhas de marketing que secundam esses livros”, alega a escritora.
Sobre projetos futuros, Nikelen afirma que já possui esboço da continuação de Territórios Invisíveis, bem como um projeto para uma ficção histórica e planos para um outro romance juvenil.