Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

A diversidade de gênero em entrevista

“Eu me tornei artista, em um primeiro momento, porque queria apresentar um corpo desprovido de gêneros.”

As conquistas recentes como o reconhecimento do Estado perante uniões homoafetivas  mostram que há  uma maior flexibilidade para debater questões de gênero e identidade, que por muito tempo foram mantidos como tabu na sociedade. Mas entender identidade de gênero  abrange  explorar não somente a expressão do corpo como também o comportamento. Dessa forma, é possível desconstruir a  intolerância que é  fruto de um preconceito embasado em teorias que já não servem mais para explicar o comportamento humano, e dar prosseguimento no raciocínio que entende  o gênero como performativo, ou seja, ninguém pertence a um gênero desde sempre. Seguindo essa corrente de quebrar a dicotomia sexo e gênero, Élle de Bernardini, 22 anos,  artista visual, performer e butoka explica detalhadamente como a produção de signos , a linguagem corporal  e o comportamento são vitais para desconstrução do conceito de dualidade sexual.

ACS – No trabalho, como se utiliza da linguagem corporal para contrapor o estereótipo de dualidade sexual (masculino e feminino)?

Elle- Eu sou uma artista visual com formação em dança, em Ballet Clássico e em Butoh, uma dança oriental japonesa. Para compreender a relação pessoal e profissional que tenho com o corpo é preciso voltar na minha infância. Desde criança eu já tinha traços andróginos, minha aparência sempre foi mais feminina do que masculina, o que acarretou no fato d’eu ter sido sempre confundido como sendo de outro sexo que não o meu de fato.

No Ballet Clássico, existe um treinamento especifico para cada gênero, homem e mulher, e devido a minha aparência e estrutura física ser mais feminina do que masculina, e por uma opção também minha, as professoras me treinaram como sendo uma bailarina e, inclusive, dancei na sapatilhas de ponta, o que não é permitido para homens, devido a estética própria da dança. Então minha relação com o corpo já parte desses fatores, das características físicas da infância, e do processo de treinamento do ballet feminino, o que contribuiu em muito para o desenvolvimento da minha musculatura feminina, em decorrência do treino ser especifico para mulheres, minha musculatura se desenvolveu como se fosse do corpo de uma mulher.

ACS – O que foi que a motivou virar artista visual  ?

Elle- Eu me tornei artista, em um primeiro momento, porque queria apresentar um corpo desprovido de gêneros, um corpo onde não se pudesse identificar o feminino e o masculino, um corpo andrógino literalmente, mas porque eu era assim. E acabei conhecendo o Butoh, esta dança japonesa, cujo pensamento do corpo é justamente o que eu tinha, o corpo como desprovido de gênero, um corpo como exemplo universal de corpo humano. Todo meu trabalho apresenta um corpo sem gênero, tanto que não nomeio personagens, não represento pessoas da vida real, sempre apresento a idéia do corpo humano, como algo transcendental e dotado de extremo potencial, a serviço dos sentidos e da arte. Meu trabalho é sui generis.Desde a minha infância, pelos fatores que citei acima, eu acabei construindo uma imagem de mim ao longo do tempo já diferente e sem gêneros. Como se isso fosse natural, e em mim é, de modo que minha arte é sobre outra coisa. Mas as aulas que eu ministro de dança Butoh seguem um pensamento não dualista, os alunos, independente do sexo, são levados a experimentarem o corpo deles como sendo algo uno, possuídos do feminino e do masculino, em igual medida de expressão. Neste sentido me aproximo mais do problema da dualidade de gêneros no meu trabalho.

ACS – O comportamento humano está diretamente associado a uma predeterminação do sexo?

Elle – Sou relutante em acreditar que, por essência o corpo humano esteja associado a uma dualidade de gêneros, mas parece que desde os primórdios da humanidade sempre houve o feminino e o masculino, e seus direitos e deveres específicos. Não há relevância para o desenvolvimento da sociedade, do humano, o fato de uns serem femininos e outros masculinos, penso que antes disso somos todos humanos, e o que importa na somatória final é o que somos por essência, o que une a todos, e não o que separa e fragmenta. O comportamento humano é em grande parte determinado pela cultura, e sim a nossa cultura ainda tende a reforçar o dualismo feminino e masculino desde a infância

ACS – Onde você pensa que está mais evidente a heteronormatividade na sociedade de hoje?

Elle – Penso que a forma como a sociedade foi criada, e como o sistema funciona é o que mais reforça a heteronormatividade. Todos os lugares públicos possuem dois banheiros, feminino e masculino, sempre é preciso se escolher com cautela qual dos dois usar (risos). Você tem que preencher fichas cadastrais e informar seu sexo, como se esta informação fosse de fato relevante para determinar alguma coisa a respeito do caráter de alguém. Sem contar o sistema militar, porque o alistamento de homens é obrigatório e o de mulheres opcionais? Porque homem é mais forte que mulher? Uma bailarina de alto rendimento pode ter um corpo muito mais forte do que um militar de carreira, e um corpo muito mais inteligente inclusive, por exemplo, então a força não pode ser critério. Defendo a idéia que não existe nada que você possa fazer para ser “aceito” se você não mudar suas ações. Se você quer ser aceito, se você quer ter os mesmos direitos do que o outro comece a agir como tal. O problema só vai ser resolvido, quando as próximas gerações já nascerem sem se preocupar com ele, já nascerem “livres” de gêneros, quando a mãe e o pai não exigirem que ela comunique a família em algum momento que ela é gay, como se o avesso disso, ser hetero, também necessitasse de comunicação.

“Porque homem é mais forte que mulher? Uma bailarina de alto rendimento pode ter um corpo muito mais forte do que um militar de carreira, e um corpo muito mais inteligente inclusive,”

ACS -Alguma vez interpretou algum personagem que desconstruísse esse conceito heteronormativo?

Elle: Já interpretei inúmeros personagens femininos, tanto no Ballet quando no teatro. Mas nunca um personagem cujo conflito fosse este, o de gêneros. Nunca fui convidada, também não aceitaria, porque acho sinceramente que a arte, tanto a dança como o teatro, e todas as outras formas de arte, não tem mais que se preocupar com isso, já se foi tanto falado disso na história da arte. Atrapalha e muito a dualidade de gêneros. Estou preocupada como artista e pessoa, não em fazer as pessoas pensarem sobre isso, porque isso não deve mais ocupar a nossa vida, todos são livres para gostarem de quem quiserem, para se envolverem sexualmente com quem quiserem. O fato d’eu gostar de homem e ser biológicamente um homem, não altera em nada o curso das estrelas, o nascer do sol, a bolsa de valores, os sonhos da minha amiga, não muda nada, só diz respeito a mim. Espero que no final desta entrevista, quem leu, possa dar um basta nisso, pare de levantar cartaz querendo ser aceito por sua sexualidade, porque não é assim que se consegue alguma coisa na vida, gostar de homem e mulher não torna ninguém em alguém.

 

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

“Eu me tornei artista, em um primeiro momento, porque queria apresentar um corpo desprovido de gêneros.”

As conquistas recentes como o reconhecimento do Estado perante uniões homoafetivas  mostram que há  uma maior flexibilidade para debater questões de gênero e identidade, que por muito tempo foram mantidos como tabu na sociedade. Mas entender identidade de gênero  abrange  explorar não somente a expressão do corpo como também o comportamento. Dessa forma, é possível desconstruir a  intolerância que é  fruto de um preconceito embasado em teorias que já não servem mais para explicar o comportamento humano, e dar prosseguimento no raciocínio que entende  o gênero como performativo, ou seja, ninguém pertence a um gênero desde sempre. Seguindo essa corrente de quebrar a dicotomia sexo e gênero, Élle de Bernardini, 22 anos,  artista visual, performer e butoka explica detalhadamente como a produção de signos , a linguagem corporal  e o comportamento são vitais para desconstrução do conceito de dualidade sexual.

ACS – No trabalho, como se utiliza da linguagem corporal para contrapor o estereótipo de dualidade sexual (masculino e feminino)?

Elle- Eu sou uma artista visual com formação em dança, em Ballet Clássico e em Butoh, uma dança oriental japonesa. Para compreender a relação pessoal e profissional que tenho com o corpo é preciso voltar na minha infância. Desde criança eu já tinha traços andróginos, minha aparência sempre foi mais feminina do que masculina, o que acarretou no fato d’eu ter sido sempre confundido como sendo de outro sexo que não o meu de fato.

No Ballet Clássico, existe um treinamento especifico para cada gênero, homem e mulher, e devido a minha aparência e estrutura física ser mais feminina do que masculina, e por uma opção também minha, as professoras me treinaram como sendo uma bailarina e, inclusive, dancei na sapatilhas de ponta, o que não é permitido para homens, devido a estética própria da dança. Então minha relação com o corpo já parte desses fatores, das características físicas da infância, e do processo de treinamento do ballet feminino, o que contribuiu em muito para o desenvolvimento da minha musculatura feminina, em decorrência do treino ser especifico para mulheres, minha musculatura se desenvolveu como se fosse do corpo de uma mulher.

ACS – O que foi que a motivou virar artista visual  ?

Elle- Eu me tornei artista, em um primeiro momento, porque queria apresentar um corpo desprovido de gêneros, um corpo onde não se pudesse identificar o feminino e o masculino, um corpo andrógino literalmente, mas porque eu era assim. E acabei conhecendo o Butoh, esta dança japonesa, cujo pensamento do corpo é justamente o que eu tinha, o corpo como desprovido de gênero, um corpo como exemplo universal de corpo humano. Todo meu trabalho apresenta um corpo sem gênero, tanto que não nomeio personagens, não represento pessoas da vida real, sempre apresento a idéia do corpo humano, como algo transcendental e dotado de extremo potencial, a serviço dos sentidos e da arte. Meu trabalho é sui generis.Desde a minha infância, pelos fatores que citei acima, eu acabei construindo uma imagem de mim ao longo do tempo já diferente e sem gêneros. Como se isso fosse natural, e em mim é, de modo que minha arte é sobre outra coisa. Mas as aulas que eu ministro de dança Butoh seguem um pensamento não dualista, os alunos, independente do sexo, são levados a experimentarem o corpo deles como sendo algo uno, possuídos do feminino e do masculino, em igual medida de expressão. Neste sentido me aproximo mais do problema da dualidade de gêneros no meu trabalho.

ACS – O comportamento humano está diretamente associado a uma predeterminação do sexo?

Elle – Sou relutante em acreditar que, por essência o corpo humano esteja associado a uma dualidade de gêneros, mas parece que desde os primórdios da humanidade sempre houve o feminino e o masculino, e seus direitos e deveres específicos. Não há relevância para o desenvolvimento da sociedade, do humano, o fato de uns serem femininos e outros masculinos, penso que antes disso somos todos humanos, e o que importa na somatória final é o que somos por essência, o que une a todos, e não o que separa e fragmenta. O comportamento humano é em grande parte determinado pela cultura, e sim a nossa cultura ainda tende a reforçar o dualismo feminino e masculino desde a infância

ACS – Onde você pensa que está mais evidente a heteronormatividade na sociedade de hoje?

Elle – Penso que a forma como a sociedade foi criada, e como o sistema funciona é o que mais reforça a heteronormatividade. Todos os lugares públicos possuem dois banheiros, feminino e masculino, sempre é preciso se escolher com cautela qual dos dois usar (risos). Você tem que preencher fichas cadastrais e informar seu sexo, como se esta informação fosse de fato relevante para determinar alguma coisa a respeito do caráter de alguém. Sem contar o sistema militar, porque o alistamento de homens é obrigatório e o de mulheres opcionais? Porque homem é mais forte que mulher? Uma bailarina de alto rendimento pode ter um corpo muito mais forte do que um militar de carreira, e um corpo muito mais inteligente inclusive, por exemplo, então a força não pode ser critério. Defendo a idéia que não existe nada que você possa fazer para ser “aceito” se você não mudar suas ações. Se você quer ser aceito, se você quer ter os mesmos direitos do que o outro comece a agir como tal. O problema só vai ser resolvido, quando as próximas gerações já nascerem sem se preocupar com ele, já nascerem “livres” de gêneros, quando a mãe e o pai não exigirem que ela comunique a família em algum momento que ela é gay, como se o avesso disso, ser hetero, também necessitasse de comunicação.

“Porque homem é mais forte que mulher? Uma bailarina de alto rendimento pode ter um corpo muito mais forte do que um militar de carreira, e um corpo muito mais inteligente inclusive,”

ACS -Alguma vez interpretou algum personagem que desconstruísse esse conceito heteronormativo?

Elle: Já interpretei inúmeros personagens femininos, tanto no Ballet quando no teatro. Mas nunca um personagem cujo conflito fosse este, o de gêneros. Nunca fui convidada, também não aceitaria, porque acho sinceramente que a arte, tanto a dança como o teatro, e todas as outras formas de arte, não tem mais que se preocupar com isso, já se foi tanto falado disso na história da arte. Atrapalha e muito a dualidade de gêneros. Estou preocupada como artista e pessoa, não em fazer as pessoas pensarem sobre isso, porque isso não deve mais ocupar a nossa vida, todos são livres para gostarem de quem quiserem, para se envolverem sexualmente com quem quiserem. O fato d’eu gostar de homem e ser biológicamente um homem, não altera em nada o curso das estrelas, o nascer do sol, a bolsa de valores, os sonhos da minha amiga, não muda nada, só diz respeito a mim. Espero que no final desta entrevista, quem leu, possa dar um basta nisso, pare de levantar cartaz querendo ser aceito por sua sexualidade, porque não é assim que se consegue alguma coisa na vida, gostar de homem e mulher não torna ninguém em alguém.