Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Viva o vinil!

Dia 20 de abril é uma data para pensar na música como cultura e entretenimento, é o dia do disco de vinil. Entre os vinis mais procurados estão os clássicos Beatles, Led Zeppelin, Pink Floyd e  Rolling Stones.

A colecionadora Sandra Boeira conta que seu primeiro disco foi Bob Marley and the Wailers, mas seus favoritos são Bob Marley ,Raul Seixas,Led Zeppelin ,Crredencee.  Ela comenta que tem cerca de 30 discos e que os vinis representam um resgate de sua juventude. Sou movida à musica. Tinha uns 11 anos quando descobri qual tipo eu gostava e o vinil era o que tínhamos na época. Hoje tenho prazer em ir a um sebo procurar ou encomendar um vinil”, declara.

Já o colecionador Roger Cassel  lembra que seu primeiro disco foi da RPM e elege os vinis do Tim Maia e Legião Urbana como prediletos. Ele explica que, apesar de o vinil ter sido  um tanto esquecido no Brasil, sempre gostou de colecioná-los. “Comecei a levar a coleção a sério a mais ou menos um ano, quando li uma reportagem aqui em Santa Maria sobre colecionadores. Hoje tenho um total de 1200 discos”, relata. Para Cassel,  o vinil carrega mais cultura que o CD.

Loja Excluzive nunca deixou de vender discos de vinil (Foto: Márcio Fontoura)

Apesar de ser retrô e ter caído em desuso com o surgimento de novas tecnologias, o disco representa um importante avanço na história das mídias. Os preços dos discos usados variam de R$ 30 a R$ 80. Os novos vão de R$ 100 a R$ 300. Já os raros vão de R$ 500 a R$ 3 mil.

O empresário Gilberto Ramalho, dono da loja de discos Exclusive, enfatiza que a procura por vinis é maior do que a busca por CDs. “Desde 2008, a venda de vinis supera a de CDs. O CD morreu. O vinil não”, reforça.

O primeiro disco de vinil surgiu em 1948 para substituir os discos de goma-laca, grande sucesso na primeira metade do século XX. Ao contrário do seu antecedente, o vinil era leve, resistente a quedas, fácil de manusear e com tecnologia mais avançada para a reprodução musical.

Discos de vinil expostos na loja Excluzive (Foto: Márcio Fontoura) 

Por representar o retrô, o vinil é uma peça constantemente resgatada na decoração. Desta forma, as peças são usadas tanto para enfeitar paredes residenciais, quanto para valorizar o clima de uma festa anos 50, 60 ou 70. 

Entre os ritmos, o rock é o mais solicitado na procura por vinis e, por sempre passar uma mensagem, é considerado por Ramalho como música genuína. “O rock  passa uma mensagem. A maioria das pessoas não gosta desse ritmo porque  hoje em dia, ninguém quer pensar. Preferem o jeito mais fácil”, acrescenta.

Para a alegria dos colecionadores de vinil, é possível encontrar à venda discos antigos famosos. Compradas e trocadas, as peças fazem sucesso entre as pessoas que gostam de objetos de outras épocas e são apaixonadas por música. De acordo com Gilberto, quem gosta mesmo de música, sempre prefere o vinil. “Essas pessoas não se contentam com as músicas online, eles querem mais, querem ir além.”

Sandra ressalta a importância do vinil. O vinil é um senhor que deve ser valorizado porque tem uma magia:trocar do lado A para o B.  Além disso, a gente compra porque gosta de todas as músicas, já que não tem o controle remoto para pular as faixas. Essa é a graça e o diferencial do vinil”, finaliza.

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Dia 20 de abril é uma data para pensar na música como cultura e entretenimento, é o dia do disco de vinil. Entre os vinis mais procurados estão os clássicos Beatles, Led Zeppelin, Pink Floyd e  Rolling Stones.

A colecionadora Sandra Boeira conta que seu primeiro disco foi Bob Marley and the Wailers, mas seus favoritos são Bob Marley ,Raul Seixas,Led Zeppelin ,Crredencee.  Ela comenta que tem cerca de 30 discos e que os vinis representam um resgate de sua juventude. Sou movida à musica. Tinha uns 11 anos quando descobri qual tipo eu gostava e o vinil era o que tínhamos na época. Hoje tenho prazer em ir a um sebo procurar ou encomendar um vinil”, declara.

Já o colecionador Roger Cassel  lembra que seu primeiro disco foi da RPM e elege os vinis do Tim Maia e Legião Urbana como prediletos. Ele explica que, apesar de o vinil ter sido  um tanto esquecido no Brasil, sempre gostou de colecioná-los. “Comecei a levar a coleção a sério a mais ou menos um ano, quando li uma reportagem aqui em Santa Maria sobre colecionadores. Hoje tenho um total de 1200 discos”, relata. Para Cassel,  o vinil carrega mais cultura que o CD.

Loja Excluzive nunca deixou de vender discos de vinil (Foto: Márcio Fontoura)

Apesar de ser retrô e ter caído em desuso com o surgimento de novas tecnologias, o disco representa um importante avanço na história das mídias. Os preços dos discos usados variam de R$ 30 a R$ 80. Os novos vão de R$ 100 a R$ 300. Já os raros vão de R$ 500 a R$ 3 mil.

O empresário Gilberto Ramalho, dono da loja de discos Exclusive, enfatiza que a procura por vinis é maior do que a busca por CDs. “Desde 2008, a venda de vinis supera a de CDs. O CD morreu. O vinil não”, reforça.

O primeiro disco de vinil surgiu em 1948 para substituir os discos de goma-laca, grande sucesso na primeira metade do século XX. Ao contrário do seu antecedente, o vinil era leve, resistente a quedas, fácil de manusear e com tecnologia mais avançada para a reprodução musical.

Discos de vinil expostos na loja Excluzive (Foto: Márcio Fontoura) 

Por representar o retrô, o vinil é uma peça constantemente resgatada na decoração. Desta forma, as peças são usadas tanto para enfeitar paredes residenciais, quanto para valorizar o clima de uma festa anos 50, 60 ou 70. 

Entre os ritmos, o rock é o mais solicitado na procura por vinis e, por sempre passar uma mensagem, é considerado por Ramalho como música genuína. “O rock  passa uma mensagem. A maioria das pessoas não gosta desse ritmo porque  hoje em dia, ninguém quer pensar. Preferem o jeito mais fácil”, acrescenta.

Para a alegria dos colecionadores de vinil, é possível encontrar à venda discos antigos famosos. Compradas e trocadas, as peças fazem sucesso entre as pessoas que gostam de objetos de outras épocas e são apaixonadas por música. De acordo com Gilberto, quem gosta mesmo de música, sempre prefere o vinil. “Essas pessoas não se contentam com as músicas online, eles querem mais, querem ir além.”

Sandra ressalta a importância do vinil. O vinil é um senhor que deve ser valorizado porque tem uma magia:trocar do lado A para o B.  Além disso, a gente compra porque gosta de todas as músicas, já que não tem o controle remoto para pular as faixas. Essa é a graça e o diferencial do vinil”, finaliza.