Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

A consolidação do futsal feminino em Santa Maria passa por dentro e por fora da quadra

Discussões de gênero afetam todos os seguimentos da sociedade e no esporte não é diferente. O futsal feminino em Santa Maria está em processo de consolidação, graças ao interesse de personagens que tem o amor à camisa. Treinadores e as próprias atletas vivem uma luta diária para vencer as barreiras e permanecer de pé na quadra.

Competições como o Citadino de Futsal de Santa Maria são oportunidades para dar visibilidade ao esporte e ao potencial das atletas. Foto: Dara Hamann
Competições como o Citadino de Futsal de Santa Maria são oportunidades para dar visibilidade ao esporte e ao potencial das atletas. Foto: Dara Hamann

 

O reconhecimento do futsal feminino está sendo conquistado aos poucos. Órgãos públicos, entidades e empresas estão percebendo a força desta corrente e resolveram apoiar. Esse auxílio ocorre por meio de oportunidades, com a promoção de competições e eventos esportivos que envolvam esse segmento. Todavia, ainda há muito que construir, principalmente em relação a investimentos financeiros neste esporte.

Projeto Futsal Feminino FAMES é referência na cidade

A Faculdade Metodista de Santa Maria (FAMES) desenvolve, desde março de 2012, o Projeto de Integração Acadêmica Através da Equipe de Futsal Feminino. Os treinos ocorrem três vezes por semana, com atividades físicas e técnicas. A equipe é referência na cidade pela estrutura e organização.

Elenco da FAMES é integrado por cerca de 20 atletas, mais a comissão técnica. Foto: Dara Hamann
Elenco da FAMES é integrado por cerca de 20 atletas, mais a comissão técnica. Foto: Dara Hamann

Em 2016, o time Futsal Feminino FAMES deixou de ser formado apenas por treinador e atletas. Um dos idealizadores do projeto, o bacharel em Educação Física, Mário Machado, agora conta com uma equipe técnica completa, com profissionais das áreas da Educação Física, Fisioterapia, Nutrição e Publicidade e Propaganda.

Todas as peças que compõem a equipe estão no tabuleiro por vontade própria. A paixão pelo esporte é a responsável pelo grupo contar com quase trinta voluntários. Além do amor pelo futsal, eles têm em comum a vontade de aprender, oportunizada gratuitamente pela FAMES.

Além do próprio torneio, que já está em sua 3ª edição, o time participa de eventos e competições durante o ano. Atualmente, está em andamento o Campeonato Citadino de Futsal, uma promoção da Liga Santamariense de Futsal com o apoio da Secretaria de Esporte e Lazer de Santa Maria. Os jogos são disputados no Centro Desportivo Municipal (Farrezão) e sete equipes participam na categoria feminina.

O aprendizado é mútuo

Os voluntários do Projeto de Futsal Feminino FAMES encaram as atividades como uma chance de aprender e colocar o conhecimento em prática. A convivência e as experiências em grupo somam positivamente no dia a dia de todos.

O treinador da equipe, bacharel em Educação Física Mário Machado, está dando continuidade a um trabalho que iniciou enquanto ainda era acadêmico da FAMES. “É uma oportunidade continuar ligado a este esporte que eu tenho paixão, assim como de manter o contato com a Instituição e retribuir tudo o que eu recebi”, afirma. Segundo ele, o treinamento do futsal feminino exige muito do técnico, tendo em vista que o tratamento das atletas é diferenciado, em comparação com o masculino. “Pra o time evoluir, é preciso saber como chegar nas meninas, elas absorvem as instruções de modo diferente e precisam estar bem em todos os sentidos para ter um bom desempenho em quadra”, explica o treinador.

O diálogo e companheirismo são fundamentais para o equilíbrio e harmonia em equipe. Foto: Dara Hamann
O diálogo e companheirismo são fundamentais para o equilíbrio e harmonia em equipe. Foto: Dara Hamann

A educadora física Neiara Martins é ex-atleta do futsal e atua como auxiliar técnica no Projeto de Futsal Feminino FAMES. Conforme ela, integrar a comissão é uma forma de manter o contato com o esporte, que por muitos anos fez parte da sua rotina diária. “Depois de um tempo, a gente se aposenta da quadra, mas continua participando, fora dela”, salienta.

As primas Letícia e Grazielle Castagna também se juntaram ao grupo nesta nova fase. A primeira é profissional de Fisioterapia e a segunda atua na área da Nutrição. Ambas realizam um acompanhamento das atletas, com o intuito de garantir as condições necessárias para o bom desempenho no esporte.

Para cuidar da imagem do time e atrair mais apoio e patrocínios, ainda se agregou ao projeto o publicitário Henrique Saraiva. Ele conta que viu no Futsal Feminino FAMES uma possibilidade trabalhar uma área que gosta, dentro da publicidade, que é o marketing esportivo. Como voluntário, não esconde a paixão pelo esporte, em especial o futsal. “Nos tempos de colégio eu sempre praticava esse esporte e agora encontrei um meio de vivenciar novamente o que o futsal proporciona”, declara.

Ainda compõem a comissão técnica do projeto o acadêmico de Educação Física da FAMES, Stéfan Luis Link e dois preparadores de goleira Vinícius Ziegler Bandeira e Vinícius Lima.

Atletas valorizam a organização e estrutura do projeto

Desde o início do Futsal Feminino FAMES, a educadora física Bárbara Sutil da Silva, 26 anos, atribui sua fidelidade a equipe pelos interesses do projeto. “Acho interessante por ser projeto acadêmico, que não visa apenas a competição, mas sim o aprendizado de todos” destaca. Ela já esteve perto do futsal profissional e garante que sempre gostou do esporte. “O que o futsal me proporciona vai além da disputa de competições, ele é fundamental para a minha qualidade de vida”, ressalta.

Camisa nove do time, Bárbara atua como ala direita. Foto: Dara Hamann.
Camisa nove do time, Bárbara atua como ala direita. Foto: Dara Hamann.

Conhecida carinhosamente no grupo como “Xirú”, Adriana Nascimento sente-se feliz e satisfeita em manter o contato com o futsal, aos 36 anos de idade. “Eu jogo desde criança e ultimamente estava participando mais nas comissões técnicas. Mas daí o time estava precisando de goleira e eu encarei”, relata. Para ela, o futsal é importante também pela convivência que proporciona. “Como eu não sou daqui de Santa Maria, as amizades que eu tenho, a maioria eu conheci através do esporte”, acrescenta.

A organização e a infraestrutura oferecidas pelo Futsal Feminino FAMES foram os motivos que levaram a acadêmica de Educação Física da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Diéli Burtet, 22 anos, a fazer parte do grupo. Há mais de um ano no time, ela valoriza os benefícios de integrar a equipe, desde os treinamentos até as atividades desenvolvidas concomitantemente, como o acompanhamento da fisioterapeuta e da nutricionista. “Eu jogo porque eu gosto, não penso em ser atleta profissional. Mas eu acho que o futsal feminino ainda é pouco divulgado. A gente segue, porque acredita que vai conseguir alcançar grandes horizontes”, opina.

Também educadora física em formação, Natiele Follmann, 24 anos, voltou a jogar em 2016, depois de uma pausa de um ano e meio. “Eu jogo futsal desde criança e sempre participei de escolinhas. As gurias do time me convidaram e eu consegui encaixar os meus horários. É uma forma de me manter ativa dentro do futsal e praticar alguma atividade física”, conta. Ela fez parte do elenco do grupo em 2013 e está contente em poder retornar. “Eu estava sentindo falta dessa coisa de grupo, da amizade e do bem-estar que o futsal me proporciona”, justifica.

Companheirismo e apoio são duas marcas do futsal feminino. Foto: Dara Hamann.
Companheirismo e apoio são duas marcas do futsal feminino. Foto: Dara Hamann.

Natiele acredita que ainda há uma resistência no apoio a esse esporte, que começa na família e no grupo de amigos, mas se reflete no reconhecimento da prática perante a sociedade. “Aos poucos a gente vai conseguindo melhorar essa cultura do futsal feminino em Santa Maria”, conclui.

Histórico

O trabalho começou com o objetivo de atender a demanda do público feminino, tendo em vista que a Instituição já contava com um grupo de futsal masculino. Inicialmente, a atividade era coordenada pelo professor do curso de Educação Física da FAMES, Haury Temp, com o ajuda dos acadêmicos da mesma graduação, Pablo Dias e Mário Machado. Para participar, as atletas precisavam ser alunas da Instituição, independente de curso. Desta forma, promovia-se uma integração entre as acadêmicas.

Desde 2013, o projeto foi aberto à comunidade. Qualquer pessoa, que tem interesse em participar do futsal feminino, pode integrar o grupo. Nesta fase, foi compilada uma equipe representativa da Instituição, que começou a disputar competições. Atualmente, o grupo é reconhecido em todo o Estado. Uma vez por ano, em novembro, o Futsal Feminino FAMES realiza um torneio de nível regional. Na última edição, em 2015, 16 times participaram do evento.

Treinamentos

Os treinos  são realizados três vezes por semana: nas terças e quintas-feiras, das 21h50 às 23h50, no Ginásio da FAMES e aos sábados, das 16h às 17h, no Centro Desportivo Municipal (Farrezão).

As pessoas que tiverem interesse em participar podem contatar a comissão técnica da equipe, pela FanPage Futsal Feminino FAMES.

Confira as equipes de futsal feminino de Santa Maria

Tabela times de futsal feminino de SM-01
Gráfico: Francesco Ferrari

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por Dara Luiza Hamann, para a disciplina Jornalismo Especializado I, do Curso de Jornalismo do Centro Universitário Franciscano (1º semestre /2016).

LEIA TAMBÉM

Uma resposta

  1. Meu muito obrigada a Dara, pela excelente reportagem sobre o projeto, ‘Futsal Feminino Fames’, e pela visibilidade dada ao futsal feminino como um todo. Nosso maior desejo é que todas as equipes e projetos de Santa Maria tenham a visibilidade merecida e que a modalidade cresça cada dia mais. Mais uma vez meus parabéns a Dara e ao CentralSul pelo espaço.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Discussões de gênero afetam todos os seguimentos da sociedade e no esporte não é diferente. O futsal feminino em Santa Maria está em processo de consolidação, graças ao interesse de personagens que tem o amor à camisa. Treinadores e as próprias atletas vivem uma luta diária para vencer as barreiras e permanecer de pé na quadra.

Competições como o Citadino de Futsal de Santa Maria são oportunidades para dar visibilidade ao esporte e ao potencial das atletas. Foto: Dara Hamann
Competições como o Citadino de Futsal de Santa Maria são oportunidades para dar visibilidade ao esporte e ao potencial das atletas. Foto: Dara Hamann

 

O reconhecimento do futsal feminino está sendo conquistado aos poucos. Órgãos públicos, entidades e empresas estão percebendo a força desta corrente e resolveram apoiar. Esse auxílio ocorre por meio de oportunidades, com a promoção de competições e eventos esportivos que envolvam esse segmento. Todavia, ainda há muito que construir, principalmente em relação a investimentos financeiros neste esporte.

Projeto Futsal Feminino FAMES é referência na cidade

A Faculdade Metodista de Santa Maria (FAMES) desenvolve, desde março de 2012, o Projeto de Integração Acadêmica Através da Equipe de Futsal Feminino. Os treinos ocorrem três vezes por semana, com atividades físicas e técnicas. A equipe é referência na cidade pela estrutura e organização.

Elenco da FAMES é integrado por cerca de 20 atletas, mais a comissão técnica. Foto: Dara Hamann
Elenco da FAMES é integrado por cerca de 20 atletas, mais a comissão técnica. Foto: Dara Hamann

Em 2016, o time Futsal Feminino FAMES deixou de ser formado apenas por treinador e atletas. Um dos idealizadores do projeto, o bacharel em Educação Física, Mário Machado, agora conta com uma equipe técnica completa, com profissionais das áreas da Educação Física, Fisioterapia, Nutrição e Publicidade e Propaganda.

Todas as peças que compõem a equipe estão no tabuleiro por vontade própria. A paixão pelo esporte é a responsável pelo grupo contar com quase trinta voluntários. Além do amor pelo futsal, eles têm em comum a vontade de aprender, oportunizada gratuitamente pela FAMES.

Além do próprio torneio, que já está em sua 3ª edição, o time participa de eventos e competições durante o ano. Atualmente, está em andamento o Campeonato Citadino de Futsal, uma promoção da Liga Santamariense de Futsal com o apoio da Secretaria de Esporte e Lazer de Santa Maria. Os jogos são disputados no Centro Desportivo Municipal (Farrezão) e sete equipes participam na categoria feminina.

O aprendizado é mútuo

Os voluntários do Projeto de Futsal Feminino FAMES encaram as atividades como uma chance de aprender e colocar o conhecimento em prática. A convivência e as experiências em grupo somam positivamente no dia a dia de todos.

O treinador da equipe, bacharel em Educação Física Mário Machado, está dando continuidade a um trabalho que iniciou enquanto ainda era acadêmico da FAMES. “É uma oportunidade continuar ligado a este esporte que eu tenho paixão, assim como de manter o contato com a Instituição e retribuir tudo o que eu recebi”, afirma. Segundo ele, o treinamento do futsal feminino exige muito do técnico, tendo em vista que o tratamento das atletas é diferenciado, em comparação com o masculino. “Pra o time evoluir, é preciso saber como chegar nas meninas, elas absorvem as instruções de modo diferente e precisam estar bem em todos os sentidos para ter um bom desempenho em quadra”, explica o treinador.

O diálogo e companheirismo são fundamentais para o equilíbrio e harmonia em equipe. Foto: Dara Hamann
O diálogo e companheirismo são fundamentais para o equilíbrio e harmonia em equipe. Foto: Dara Hamann

A educadora física Neiara Martins é ex-atleta do futsal e atua como auxiliar técnica no Projeto de Futsal Feminino FAMES. Conforme ela, integrar a comissão é uma forma de manter o contato com o esporte, que por muitos anos fez parte da sua rotina diária. “Depois de um tempo, a gente se aposenta da quadra, mas continua participando, fora dela”, salienta.

As primas Letícia e Grazielle Castagna também se juntaram ao grupo nesta nova fase. A primeira é profissional de Fisioterapia e a segunda atua na área da Nutrição. Ambas realizam um acompanhamento das atletas, com o intuito de garantir as condições necessárias para o bom desempenho no esporte.

Para cuidar da imagem do time e atrair mais apoio e patrocínios, ainda se agregou ao projeto o publicitário Henrique Saraiva. Ele conta que viu no Futsal Feminino FAMES uma possibilidade trabalhar uma área que gosta, dentro da publicidade, que é o marketing esportivo. Como voluntário, não esconde a paixão pelo esporte, em especial o futsal. “Nos tempos de colégio eu sempre praticava esse esporte e agora encontrei um meio de vivenciar novamente o que o futsal proporciona”, declara.

Ainda compõem a comissão técnica do projeto o acadêmico de Educação Física da FAMES, Stéfan Luis Link e dois preparadores de goleira Vinícius Ziegler Bandeira e Vinícius Lima.

Atletas valorizam a organização e estrutura do projeto

Desde o início do Futsal Feminino FAMES, a educadora física Bárbara Sutil da Silva, 26 anos, atribui sua fidelidade a equipe pelos interesses do projeto. “Acho interessante por ser projeto acadêmico, que não visa apenas a competição, mas sim o aprendizado de todos” destaca. Ela já esteve perto do futsal profissional e garante que sempre gostou do esporte. “O que o futsal me proporciona vai além da disputa de competições, ele é fundamental para a minha qualidade de vida”, ressalta.

Camisa nove do time, Bárbara atua como ala direita. Foto: Dara Hamann.
Camisa nove do time, Bárbara atua como ala direita. Foto: Dara Hamann.

Conhecida carinhosamente no grupo como “Xirú”, Adriana Nascimento sente-se feliz e satisfeita em manter o contato com o futsal, aos 36 anos de idade. “Eu jogo desde criança e ultimamente estava participando mais nas comissões técnicas. Mas daí o time estava precisando de goleira e eu encarei”, relata. Para ela, o futsal é importante também pela convivência que proporciona. “Como eu não sou daqui de Santa Maria, as amizades que eu tenho, a maioria eu conheci através do esporte”, acrescenta.

A organização e a infraestrutura oferecidas pelo Futsal Feminino FAMES foram os motivos que levaram a acadêmica de Educação Física da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Diéli Burtet, 22 anos, a fazer parte do grupo. Há mais de um ano no time, ela valoriza os benefícios de integrar a equipe, desde os treinamentos até as atividades desenvolvidas concomitantemente, como o acompanhamento da fisioterapeuta e da nutricionista. “Eu jogo porque eu gosto, não penso em ser atleta profissional. Mas eu acho que o futsal feminino ainda é pouco divulgado. A gente segue, porque acredita que vai conseguir alcançar grandes horizontes”, opina.

Também educadora física em formação, Natiele Follmann, 24 anos, voltou a jogar em 2016, depois de uma pausa de um ano e meio. “Eu jogo futsal desde criança e sempre participei de escolinhas. As gurias do time me convidaram e eu consegui encaixar os meus horários. É uma forma de me manter ativa dentro do futsal e praticar alguma atividade física”, conta. Ela fez parte do elenco do grupo em 2013 e está contente em poder retornar. “Eu estava sentindo falta dessa coisa de grupo, da amizade e do bem-estar que o futsal me proporciona”, justifica.

Companheirismo e apoio são duas marcas do futsal feminino. Foto: Dara Hamann.
Companheirismo e apoio são duas marcas do futsal feminino. Foto: Dara Hamann.

Natiele acredita que ainda há uma resistência no apoio a esse esporte, que começa na família e no grupo de amigos, mas se reflete no reconhecimento da prática perante a sociedade. “Aos poucos a gente vai conseguindo melhorar essa cultura do futsal feminino em Santa Maria”, conclui.

Histórico

O trabalho começou com o objetivo de atender a demanda do público feminino, tendo em vista que a Instituição já contava com um grupo de futsal masculino. Inicialmente, a atividade era coordenada pelo professor do curso de Educação Física da FAMES, Haury Temp, com o ajuda dos acadêmicos da mesma graduação, Pablo Dias e Mário Machado. Para participar, as atletas precisavam ser alunas da Instituição, independente de curso. Desta forma, promovia-se uma integração entre as acadêmicas.

Desde 2013, o projeto foi aberto à comunidade. Qualquer pessoa, que tem interesse em participar do futsal feminino, pode integrar o grupo. Nesta fase, foi compilada uma equipe representativa da Instituição, que começou a disputar competições. Atualmente, o grupo é reconhecido em todo o Estado. Uma vez por ano, em novembro, o Futsal Feminino FAMES realiza um torneio de nível regional. Na última edição, em 2015, 16 times participaram do evento.

Treinamentos

Os treinos  são realizados três vezes por semana: nas terças e quintas-feiras, das 21h50 às 23h50, no Ginásio da FAMES e aos sábados, das 16h às 17h, no Centro Desportivo Municipal (Farrezão).

As pessoas que tiverem interesse em participar podem contatar a comissão técnica da equipe, pela FanPage Futsal Feminino FAMES.

Confira as equipes de futsal feminino de Santa Maria

Tabela times de futsal feminino de SM-01
Gráfico: Francesco Ferrari

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Por Dara Luiza Hamann, para a disciplina Jornalismo Especializado I, do Curso de Jornalismo do Centro Universitário Franciscano (1º semestre /2016).