Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

TODAS AS PUBLICAÇÕES DE:

Nicolas Krawczyk

Nicolas Krawczyk

A campanha do Dezembro Vermelho, que vem ao combate às Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), foi promulgada em 2017 no Brasil e visa conscientizar, por meio de ações públicas, que abordam sobre a importância da assistência, prevenção e proteção dos direitos das pessoas infectadas com HIV. A iniciativa, realizada em todo o país, abrange o Sistema Único de Saúde (SUS) em parceria com administração pública de cada estado e cidade. Originalmente, a campanha foi instituída através da Organização das Nações Unidas (ONU) em 1991. A denominação ISTs substituiu a sigla DSTs, Doenças Sexualmente Transmissíveis, e é usada como meio de explicar a possibilidade de uma pessoa ter e transmitir a infecção, mesmo ela não tendo sinais ou sintomas.

Dia 1 de dezembro é a data que marca a importância a conscientização sobre precauções, sintomas e tratamento da AIDS. Foto: Freepik

As ISTs são causadas por vírus, bactérias ou microrganismos transmitidas por meio de relações sexuais (oral, vaginal, anal) sem o uso de preservativo masculino ou feminino com a pessoa que está infectada. A transmissão pode ocorrer também de maneira não-sexual através do contato de mucosas ou pele não íntegra com secreções corporais contaminadas.

Entre os sintomas das ISTs estão feridas, corrimento, verrugas anogenitais, dor pélvica, lesões de pele e aumentos de ínguas. Alguns tipos de ISTs são: herpes genital, sífilis, gonorreia, tricomoníase, infecção pelo HIV, hepatites virais B e C , entre outros. O tratamento pode ser realizado de forma gratuita através do SUS.

HIV ainda preocupa

A AIDS ou HIV é uma IST causada por meio da infecção do Vírus da Imunodeficiência Humana, conhecida também por HIV. O Dia Mundial de Luta Contra a AIDS, 1º de dezembro, foi instituído pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como uma data simbólica de conscientização para todos os povos sobre a epidemia de Aids.

A transmissão ocorre devido a relações sexuais sem o uso do preservativo masculino ou feminino, uso de seringa por mais de uma pessoa, transmissão de sangue contaminado, da mãe infectada para seu filho durante gravidez no parto ou amamentação, e por instrumentos que furam ou cortam não esterilizados.

Os primeiros sintomas da doença surgem entre duas e quatro semanas após o contato com o vírus e são parecidos com os de gripe. A próxima fase é caracterizada pela alta interação entre as células do corpo e as mutações do vírus, e é quando o corpo fica assintomático. Mais tarde, o ataque às células aumenta o gera um desgaste no corpo, o que deixa o sistema imunológico mais sensível a várias infecções. Em um estágio mais avançado o paciente pode desenvolver hepatites virais. O diagnóstico da doença é realizado por meio de um teste a partir da coleta de sangue ou fluido oral de forma gratuita pelo SUS.

O tratamento é realizado mediante o uso de medicamentos antiretrovirais (ARV) que surgiram na década de 80 e impedem a multiplicação do HIV no organismo, o que evita o enfraquecimento do sistema imunológico. Desde 1996, o Brasil disponibiliza de forma gratuita os ARV e, na atualidade, existem 22 medicamentos. Em 2022, a AIDS entrou oficialmente na Lista Nacional de Notificação Compulsória de Doenças, que tem por objetivo auxiliar o planejamento de saúde, definir prioridades de intervenção e permitir o impacto que estas intervenções trazem para a erradicação da doença.

No Rio Grande do Sul, a implementação dessas medidas vem acompanhada de outras estratégias, como a manutenção do Projeto Geração Consciente, iniciativa da Secretaria Estadual da Saúde em parceria com a Secretaria Estadual de Educação, UNESCO, UNAIDS e RS Seguro, dirigido a jovens estudantes de escolas estaduais e municipais em que um dos eixos trabalhados é a saúde sexual e reprodutiva.

Entre as capitais do país, Porto Alegre é a que apresentou maior índice de infectados em um levantamento dos últimos cinco anos (2018 a 2022) que leva em consideração as taxas de detecção na população geral , mortalidade e detecção em menores de 5 anos. Até junho de 2023, o estado do Rio Grande do Sul registrou 1.206 casos de AIDS. Em relação ao coeficiente de mortalidade, o RS apresenta o maior do país: 7,3 óbitos por 100 mil habitantes, enquanto a média nacional é de 4,1.

Na última quinta, 30 de novembro, o curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Franciscana realizou o 16 º Prêmio Universitário de Publicidade. O evento ocorreu no Salão de Atos do Prédio 13 e o tema desta 16 º edição foi ” Deuses da Criatividade: Criar para Prevalecer “. A premiação teve como objetivo dar visibilidade aos trabalhos acadêmicos audiovisuais produzidos entre o 2 ° semestre de 2022 e o 2 º semestre de 2023.

16 ª edição do prêmio teve como temática os Deuses gregos. Foto: Karuliny Boer
O aluno Henrique Jobim Hollerbach, do 8ª semestre do curso e ganhador de prêmios nas categorias de Campanha Social, Campanha Publicitária e Fotografia Livre, ressalta que sempre acompanhou os prêmios do curso durante a sua graduação, mas que este é o primeiro em que ele inscreve os seus trabalhos. “Ter estes três prêmios, com trabalhos que demandaram um tempo de planejamento e construção, saindo da faculdade neste momento é muito gratificante mesmo” , comenta Henrique.

Campanha Publcitária foi uma das categorias que Henrique Hollerbach ganhou no 16 ª prêmio junto com seus colegas:Bárbara Ruviaro, Fernanda Silveira, João Pedro Ribas, Yorhan rodrigues, Patricio da Fontoura, Rodrigo Bernardes, Pedro Guehm,Gabriel Auzani, Hercules Hendges, Lauren Cavalheiro . Foto: Karuliny Boer/LABFEM

Pela primeira vez em anos o prêmio foi apresentado por egressos do curso que voltaram ao prédio 13 para coroar os vencedores da noite. Júlia Brum foi uma delas e ressalta ser uma imensa alegria voltar como apresentadora. Ela recorda de ter participado da 1 ° edição enquanto aluna de PP. ” É lindo de ver este movimento, de vocês atuando na cobertura e perceber como o curso cresceu ao longo dos anos. O convite para apresentar o Prêmio foi um susto e veio na intenção de representar as nossas histórias, no caso eu represento aqui hoje a turma de 2004″, destaca a egressa. 

Neste ano o prêmio foi apresentado pelos egressos: Verônica Dutra, Luc Guillande e Júlia Brum. Foto: Karuliny Boer/LABFEM

A professora Carol Brum, da comissão organizadora, ressalta que a produção começou no início do ano por meio de uma disciplina vinculada a todo o processo criativo da campanha. No 2 ª semestre, o processo ficou a cargo da turma de Assessoria de Comunicação orientada pela professora Thais Ghisleni. ” Contamos também com o auxílio do LINC (Laboratório Integrado de Comunicação de Jornalismo e PP), orientada pela professora Cristina Jobim”, pontua a professora. 

Confira os vencedores desta edição:

Categoria: Áudio livre (podcasts e outros)           

Bronze: Distrito Criativo 01 – A cultura de Santa Maria e as imigrações (com Dr. Jorge da Cunha), de Guilherme Silveira, Alexandre Rocha e Carlos Eduardo Dias.

Prata: Podcast 16º Prêmio Univesritário de Pubicidade UFN – Labtom, de Ana Paula Guerra, Géssica Moraes e Johnny Pinto

Ouro: SOMmelier, de Johnny Pinto Dornelles

Categoria: Campanha desenvolvida em Laboratórios   

Menção Honrosa: Sua Família de Margarina Qualy, uma estratégia inclusiva e diversificada, de Guilherme Silveira

Bronze: Setembro Amarelo: Na Direção da Vida – Depressão sem Tabu, de Giovanna Bertollo, Daniel Guterres, Ana Carolina Borba, Carolina Araujo, Vitória Maicá, Vitor Marques, Luiza Gabriela Pereira e José Romenito

Prata: Campanha Lapec, de Nathália Cunha, Gabriela Oliveira, Alice Melo, Géssica Cereta, Laura Pantoja,Thais Kuster, Júlia Dutra, Rodrigo Bernardes, Valentina Aragonêz e Gabriela Soares;

Ouro: Quem quer ser um publicitário, de Ana Carolina Borba, Bernardo Nicoloso, Carolina Araújo, Gabriela Soares, Hércules Hendges, João Vitor Guterres, Luiza Pereira, Patrício Fontoura, Vitor da Rosa e Vitória Maicá

Categoria: Campanha Publicitária          

Bronze: Tear, de Maria Eduarda Resch Moreira, Manuela Antunes Rodrigues, Luisa Rodrigues Vidal, Julia Muller e Andressa Sodré

Prata: Campanha de lançamento da Websérie Última Noite, de Alana Steck, Bárbara Ruviaro, Beatriz Ardenghi, Caroline Flores, Eduarda Ramos, Fernanda Giacomini, Isadora Ayres, José Romenito, Lauren Cavalheiro, Mallu Rodrigues, Rodrigo Bernardes, Vanessa Guasque, Alam Carrion, Jonathan de Souza, Alexsandro Pedrollo, João Ribas, Gabriela Oliveira e Felipe Zatt

Ouro: Campanha – Fórum de Comunicação, de Bárbara Ruviaro, Fernanda Silveira, João Pedro Ribas, Yorhan rodrigues, Patricio da Fontoura, Rodrigo Bernardes, Pedro Guehm,Gabriel Auzani, Hercules Hendges, Lauren Cavalheiro e Henrique Jobim

Categoria: Campanha Social

Bronze: De passinho em passinho… mudamos o mundo, de Mariana Almeida Rey

Prata: O show das vovozinhas, de João Ribas, Eduarda Ramos, Henrique Jobim, Alana Streck, Guilherme Rodrigues, Gabriela Oliveira, Laura Pantoja, João Teixeira, Rodrigo Bernardes, Lauren Cavalheiro, Liziane Almeida e Hercules Hendges

Ouro: Conexão Azul, de Caroline Flores, Mallu Rodrigues, Fernanda Silveira, Fernanda Luz, Thaís Kuster e Isadora Ayres

Categoria: Design Gráfico          

Menção Honrosa: Releitura de capa de livro, de Géssica Cereta de Moraes

Menção Honrosa: Malefícios da hiperconectividade, de Maria Eduarda Resch Moreira e Luísa Vidal Rodrigues

Bronze: Mapa Conceitual – Capítulo 2 | Livro Lindstrom João Pedro Ribas e Yorhan Rodrigues

Prata: Os três porquinhos prontos para ação, de Vitória Maicá Gervásio

Ouro: Cardápio Santo Donut, de Maria Eduarda Resch Moreira, Manuela Antunes Rodrigues e Luísa Rodrigues Vidal

 Categoria: Filme Publicitário

Prata: Apresentação do curso de Publicidade e Propaganda, de Raphael Carvalho Sidrim e João Pedro Englert

Ouro: O Que é Que Faz Dar Certo? , de Cezar Eduardo Rosi, Felipe Albarelo Zatt, Gabriel Auzani da Silva e Pedro Guehm

Categoria: Fotografia Livre

Bronze: Foto Toque de Midas, de João Pedro Ribas

Prata: Catálogo Outono-Inverno, de Guilherme Silveira

Ouro: VINHO, de Daniel Fernando Streck Alves

Categoria: Fotografia Publicitária

Menção Honrosa: Foto | Victoria’s Secret – Aqua Kiss, de João Pedro Ribas da Silva

Bronze: Gosto doce, de João Pedro Ribas

Prata: Suco JOICE, de Guilherme Silveira e Isabel Klein

Ouro: Nanã – moda fluida, de Alíssia Branco Paz e Barbara Martins Pires

Categoria: Iniciante (para trabalhos de estudantes até o 3 ª semestre

Bronze: Arte aplicada em produto | Jogo de Cartas – EEN Vincent Van Gogh, de Giovanna Bertollo Ferreira Muche

Prata: Chocolate Tupi, de Rubia Cristiana Riffel, Ana Cristina Witter Lima e Wesley Trucollo Ebling

Ouro: O Grito do Pânico, de Gabriela Soares e Hellen de Andrade

Categoria: Jingle

Ouro: La La La LabTom  , de Géssica Cereta de Moraes, Thaís Kuster Wolmann, Binho Manenti e Marcelo Massário

Categoria: Peça avulsa desenvolvida em Laboratórios

Menção Honrosa: Revista Gema, de Ana Carolina Borba, Bernardo Nicoloso, Carolina Araújo, Gabriela Soares, Hércules Hendges, João Vitor Guterres, Luiza Pereira, Patricio Fountoura, Vitor da Rosa e Vitória Maicá Gervásio

Bronze: Dia Internacional Da Música, de José Romenito, Giovana Bertollo, Daniel Furtado Guterres, Vitória Maicá, Vitor da Rosa e Ana Borba

Prata: Sensa! Publicidade Inclusiva, de Adrieli Both de Oliveira, Thaís Teixeira de Oliveira, Ingrid Pereira Maciel e Luísa Jurack Leite

Ouro: RUDAUANA – Consumo Consciente, de Adrieli Both de Oliveira, Thaís Teixeira de Oliveira, Ingrid Pereira Maciel e Luísa Jurack Leite

Categoria: Vídeo Livre

Menção Honrosa: A Sala, de Nadriel Diovane Essy Massaia, Ana Julia Rodrigues, Camila de Souza Aita, Eduardo Prates Macedo, Fernanda Rodrigues de Quadros, Guilherme Silveira, Letícia Cardoso Vicente, Rafael Correa Fernandes, Renan Cardoso da Rosa e Yohana Iensen Teixeira

Bronze: Entre Cafés e Pesadelos, de João Pedro Ribas, Raphael Carvalho Sidrim, Yorhan Rodrigues, Gabriel Valcanover e Gabriel Lira

Prata:    Minidocumentário – Bloqueados, de João Pedro Ribas, Gabriel Lira e Yorhan Rodrigues

Ouro: Websérie Última Noite, de Alana Steck, Alice Xavier, Amanda Torves, Bárbara Ruviaro, Bernardo Nicoloso, Caroline Flores, Eduarda Ramos, Felipe Zatt, Fernanda Rocha, Fernanda Silveira, Gabriel Valcanover, Gabriela de Oliveira, Guilherme Rodrigues, Henrique Hollerbach, Hercules Hendges, Isadora Ayres, João Ribas, João Teixeira, Laura Pantoja, Lauren Cavalheiro, Mallu Rodrigues, Mateus Venes, Nathalia Cunha, Pedro Schroeder, Rodrigo Bernardes, Rodrigo Oliveira, Thaís Wollmann, Vanessa Guasque, Vitor Becker, Vitoria Cordel, Gabrielle Simon, João Englert, Luiza Bortoluzzi, Laura Balaban, Carlos Alberto Badke, Gessica Moraes, Alam Carrion, Alexsandro Pedrollo, Ana Prade, Liziane Almeida, Luiza Prolla, Marlon Borba, Vinicius Machado, Jonathan de Souza, Caroline Brum, Michele Kapp, Renata Vontobel, Fabiano Carneiro, Gabriel Luiz, Pablo Turturiello, Júlia Buttignol, Laura Fabrício e Luiza Silveira

Imagens do 16 º Prêmio de Publicidade 

Imagens por: Karuliny Boer e Luan Rimoli/LABFEM 

Confira mais na reportagem da acadêmica de Jornalismo, Luiza Maicá Gervásio:

Repórter: Luísa Maicá (Acadêmica de Jornalismo UFN)
Entrevistados: Karina Fontes (Acadêmica de Jornalismo UFN), Laura Pedroso (Acadêmica de Jornalismo UFN), Vitória Maicá (Acadêmica de PP UFN) ,João Pedro (Acadêmico de PP UFN), Carol Brum (Professora do curso de PP UFN), João Pedro Ribas (Publicitário - UFN) e Thais Kuster (Acadêmica de PP UFN).

Vídeo: Samuel Marques (Acadêmico de PP UFN)

Com a ideia de celebrar o aniversário do curso, os alunos de Jornalismo tiveram a oportunidade de conversar, ao longo de 2023, com jornalistas formados pela Universidade Franciscana (UFN) . Na quarta (30) ocorreu o último Encontro com Egressos que contou com a presença do jornalista e doutorando Daniel de Moura Pinto e a jornalista e mestranda Amanda de Souza, pesquisadores na área da comunicação, ambos hoje na Universidade Federal Fluminense de Niterói (UFF).

Professora e jornalista Sibila Rocha foi a mediadora do último Encontro com Egressos. Foto: Michélli Silveira/LABFEM

Em suas lembranças da vida universitária, Daniel destaca o tempo em que passou sendo diretor do DCE (Diretório Central dos Estudantes) como representante dicente. Na UFN, atuou na Agência Central Sul de Notícias (ACS) e, dentro das práticas jornalísticas e por meio da monitoria na Agência, criou interesse em abordar pautas sociais. “No começo era um caminho incerto. Me recordo de uma aula do Bebeto, onde fomos questionados sobre do porquê ter escolhido Jornalismo, e eu respondi que escolhi o curso por gostar da área de comunicação e por curiosidade na construção de relatos de vida, por meio das quais se constituem as culturas e relações”, relata Daniel.

Doutorando Daniel de Moura Pinto relembra sobre sua graduação na UFN. Foto: Michélli Silveira/LABFEM

Amanda também atuou na ACS, e começou o curso na ideia de trabalhar escrevendo reportagens. Segundo ela, a paixão pelo jornalismo surgiu ainda no Ensino Médio. “Desde o começo da faculdade eu trabalhei com reportagem escrita, eu fiquei encantada com a parte prática de ir para a rua e entrevistar pessoas e tem várias matérias minhas no site da Agência” , destaca Amanda.

Mestranda Amanda de Souza comenta como surgiu o desejo pela pesquisa. Foto: Michélli Silveira/LABFEM

Amanda criou o interesse pela área de pesquisa quando estava no fim da sua graduação na produção do seu TCC (Trabalho Final de Curso) sendo orientada pela professora Rosana Zucolo. Nesta época já era militante e feminista e aos poucos foi descobrindo este novo mundo. “Quando eu comecei a fazer a pesquisa para a montagem do meu Trabalho Final de Curso, eu vi algo sendo mais prático. Sou uma pessoa posicionada e opinativa, e aos poucos eu descobri um novo mundo nesta área específica.”, pontua Amanda.

Casal relata sobre a experiência do mestrado sanduíche feito no 1ª semestre de 2023. Foto: Michélli Silveira/ LABFEM

Amanda e Daniel atuaram em uma universidade em Tübingen, Alemanha, no 1º semestre de 2023. Amanda realizou um processo seletivo com entrevistas com professores brasileiros e uma prova e foi aprovada como aluna de Mestrado. Daniel, por sua vez, atuou como professor convidado.

Na última segunda, 27 de novembro, alunos de vários semestres do curso de Jornalismo da Universidade Franciscana (UFN) participaram de uma visita técnica nas instalações do Grupo RBS e no Museu de Comunicação Hipólito da Costa, sob a orientação das jornalistas e professoras Sibila Rocha e Glaíse Palma.

Estudantes de Jornalismo no Grupo RBS. Foto: Guilherme Cassão / Arquivo Pessoal

De manhã, os alunos conheceram as instalações do Grupo GZH, que congrega a Zero Hora e a Gaúcha, e foram recebidos pela Rosângela Monteiro, editora de comportamento da GZH e a jornalista Carol Sanches, apresentadora do Hashtag, programa de música na Rádio Atlântida. Os acadêmicos conheceram a redação integrada que contempla impresso, digital e rádio, além dos estúdios da rádio Gaúcha.

À tarde, os alunos visitaram o Museu de Comunicação Hipólito da Costa onde ocorre a exposição “Paralelos : A comunicação em quatro linhas”, que conta sobre a história dos meios de comunicação desde o telégrafo até os dias atuais. Por fim, conheceram os estúdios da RBS TV e conversaram com os comunicadores Daniela Ungaretti, Marco Matos e Léo Saballa Jr. 

A exposição conta a trajetória dos meios de comunicação ao longo da história. Foto: Nicolas Krawczyk/Arquivo Pessoal

Guilherme Cassão, estudante do 3 ª semestre de Jornalismo, destaca que este modelo de visita serve de grande aprendizado: “Nós temos as aulas práticas na faculdade, de uma maneira excelente, e na visita nós vimos como os profissionais praticam isso em uma grande emissora, no caso a RBS TV”, pontua Guilherme.

Michelli Silveira, estudante do 2ª semestre, pontua a importância de visitas técnicas para conhecer também a parte estética e o dinamismo dos cenários. “Gostei muito da estética e entender a dinâmica de como funcionam as gravações dos programas;”, destaca Michelli.

Ocorreu nesta sexta-feira, no hall do prédio 15 – no Conjunto III da Universidade Fransiscana (UFN), a divulgação do listão dos aprovados no Vestibular de Verão 2024 da instituição para o 1 ª semestre de 2024. Os aprovados no processo seletivo para 32 cursos de Graduação – Bacharelado, Superior em Tecnologia e Licenciatura em modalidades presencial, semi – presencial e EAD farão parte da instituição em 2024 em aulas previstas para começarem no final de fevereiro.

Vice – Reitora de Graduação Solange Binnoto Fagan comenta sobre os próximos passos para os calouros Foto: Nelson Bofill/LABFEM

Adilsão Beust , coordenador do vestibular, ressalta o processo seletivo complementar que estará aberto a partir desta segunda, 27. Através deste processo online o aluno pode ingressar na instituição utilizando a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) de 2016 a 2023 ou utilizar do aproveitamento da nota de um dos processos seletivos anteriores realizados na instituição. Caso o vestibulando não possua acesso a nenhum destes métodos ele pode fazer uma redação online, com o investimento de R$ 60, com duração de 2h.

Vestibulandos comemoram com amigos e familiares a aprovação no Vestibular de Verão 2024 da UFN

Imagens: Nelson Bofill/LABFEM

Por meio do link, também é possível fazer login pelo CPF para conferir desempenho e classificação individual. Para realizar a matrícula, o candidato deverá apresentar: Certidão de nascimento ou casamento; Documento de identificação com foto; CPF; Prova de quitação das obrigações eleitorais; Prova de quitação das obrigações militares; e o certificado de conclusão do Ensino Médio. As matrículas estarão abertas dos dias 28 a 29 de novembro das 8h as 18h de forma digital, exceto para o curso de Medicina que será presencialmente.

A vestibulanda Millena Dias da Silva esteve acompanhada de familiares e foi aprovada em Jornalismo. Foto: Nelson Bofill/LABFEM

Confira a lista de aprovados para o curso de Jornalismo:

  • Enzo Martins da Silva
  • Nathaly Penna da Silva
  • Rafaella Medeiros Machado
  • Andressa da Silva Rodrigues
  • Kael Dallagnol Fernandes
  • Elton Rubens Soares da Costa
  • Gabriel de Freitas Cezario
  • Willyam Moro Varoni de Oliveira
  • Millena Dias da Silva

As inteligências artificiais tem movimentado o mundo nos últimos anos. Em 2022, com o Chat GPT, foi lançada uma nova maneira de se comunicar e produzir matérias, reportagens, artigos e trabalhos. A informação deve ser completa para o público em qualquer plataforma. Respaldado por lei, qualquer cidadão tem o direito de reclamar e ter acesso a qualquer informação complementar à matéria caso considere importante. Para garantir isso, existe a Lei de Acesso da Informação (LAI). Por meio dela, pode-se obter informações sobre dados e estatísticas das esferas municipais, regionais e federais. A LAI é proveniente da lei internacional Freedom of Information (FOI).

Embora a lei garanta o acesso, ela nem sempre funciona. Além disso, há também a questão do quanto as pessoas consomem ou não notícias. Iuri Lammel Marques, coordenador do curso de Jornalismo da UFN, ressalta que o país apresentou em décadas anteriores baixos índices de busca e assinatura de jornais porém, com uso das redes sociais, o Brasil se tornou um dos países que mais consome diariamente os meios digitais de comunicação. “Uma pesquisa dos anos 90 trouxe dados sobre a comparação entre o Brasil e a China sobre o acesso a informação. A pesquisa mostrou que 90% dos chineses liam o jornal em seu cotidiano, enquanto aqui eram 10 % de leitores “, relembra o coordenador. Sobre a Lei de Acesso à Informação, Iuri destaca que ela pode ser utilizada dentro do meio jornalístico de modo que o jornalista pode ter informações sem precisar consultar autoridades, por exemplo, mas pontua que há um adendo que garante ao Estado o direito de não responder certas questões, caso seja questionado.

Coordenador do Curso de Jornalismo, Iuri Lammel aborda sobre o cuidado com as Fake News. Foto: Luiza Silveira/LABFEM

Segundo Marques, o Brasil tem muito conteúdo noticiado, mas o principal problema é que, mesmo com o fácil acesso, as informações publicadas nem sempre são confiáveis, especialmente devido à agilidade na produção e distribuição por qualquer pessoa. “O problema está em como as notícias são compartilhadas no meio digital e, devido ao crescimento dos influenciadores digitais, a informação por vezes perde a qualidade”, pontua Marques.

Em outubro deste ano o Ministério de Comunicações participou de forma remota do 18 ª Fórum de Governança da Internet da ONU que está ocorrendo em Kyoto, Japão. No evento, foi apresentado o Projeto Norte Conectado desenvolvido por Natália Lobo, diretora do Departamento de Política Setorial da Secretaria de Telecomunicações (Setel), que tem por principal objetivo expandir a infraestrutura da Região da Amazônia por meio de 12.000 fios de fibra ótica auxiliando no acesso à internet em escolas, hospitais e comunidades de 59 munícipios. O projeto atua dentro de quatro esferas da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável da ONU.

Chile é precursor na Lei de Acesso à Informação na América Latina

Chile é o país da América Latina com a legislação mais moderna sobre o tema. A lei foi aprovada pelo governo chileno em 2008, por meio da Corte Interamericana de Direitos Humanos que a adotou devido ao caso Reyes.

Em 1998, a organização ambientalista Fundacíon Terriam, formada pelos empresários Marcel Claude Reyes, Sebastián Cox Urrejola e Arturo Longton Guerrero, moveu uma ação no tribunal chileno contra o Comitê de Investimentos Estrangeiros (CIE) em razão da falta de transparência em relação aos dados do Projeto Rio Condór, alegando ser um projeto de exploração florestal que impactaria de forma negativa.

Claude Reyes enviou cartas ao Vice – Presidente Executivo do Comitê de Investimentos Estrangeiros (CIE) solicitando dados sobre os contratos firmados entre o Comitê e o Estado. Ele também pedia informações sobre a identidade dos investidores de outros países para a iniciativa do projeto. Mesmo assim, as informações continuaram vindo de forma incompleta.

No final daquele ano, os sócios abriram uma ação na Corte Interamericana de Direitos Humanos. Após 5 anos de espera, a Corte IDH decidiu a favor da organização, considerando o direito a liberdade de expressão e informação.

A 1º edição do Santa Summit, evento de inovação e empreendorismo, será realizado no próximo final de semana, dias 24 e 25 de novembro no Mercado da Villa Belga. O evento é aberto ao público e contará com a presença de + de 60 speakers (palestrantes) divididos em três palcos dos mais diversos ramos de educação e negócios. A proposta do evento colaborativo é de posicionar Santa Maria como um polo de educação, inovação e empreendedorismo. Os ingressos estão a venda no site do evento e custam R$ 50 para a o público em geral e R$ 25 para estudantes, que devem apresentar o comprovante da matrícula na hora do pagamento. A UFN é uma das universidades apoiadoras da iniciativa e atua por meio do Parque Tecnológico, o ITEC Park.

Segundo Lissandro Dalla Nora, diretor do ITEC Park, a participação da UFN no evento é uma oportunidade para a região central visualizar as ações desenvolvidas pela Universidade Franciscana que impactam na economia e sociedade. “A atuação da instituição dentro do Santa Summit estará distribuída na ação de apresentação do ITEC Park UFN e a participação de empresas e startups apoiadas pela universidade, bem como a apresentação de tecnologias desenvolvidas em conexão com a comunidade local”, ressalta o diretor.

Lançamento do evento ocorreu no dia 27 de outubro. Foto: divulgação

O Santa Maria Summit é dividido em sete trilhas de conteúdo:

  • Educação Empreendedora: Aprenda como a educação pode ser um agente de transformação dentro do mundo corporativo;
  • Marketing e Vendas: Estratégia de Marketing e venda consultiva;
  • Cidade Empreendedora: Descubra como as cidades podem ser empreendedoras;
  • Inteligência Artificial: Como implementar soluções de IA para a sua empresa;
  • Startups e Investimentos: Explore este mundo empresarial;
  • Negócios e Varejo: Estratégias de negócios e gestão virtual ou física de uma empresa;

O Santa Summit é realizado pela Inova Centro, ADESM (Agência de desenvolvimento de Santa Maria) e a Prefeitura Municipal de Santa Maria em correalização com o SebraeX um braço de apoio a startups, e conta com + de 60 instituições parceiras.

As inscrições para a 10 ª edição da Mostra Integrada de Produções Audiovisuais – MIPA estão abertas e vão até o dia 10 de novembro pelo formulário disponibilizado no site oficial do evento. O tema deste ano é Acelerações e Permanências e é organizada pelo Laboratório de Produção Audiovisual de Jornalismo e PP (Labseis), com a supervisão da professora Neli Mombelli. A Mostra tem como objetivo dar visibilidade às produções audiovisuais em cinco categorias: ficção, documentário, vídeo experimental , videoclipe e animação. São válidas as produções feitas a partir de 2022 com duração máxima de 20 minutos, e podem se inscrever alunos ou egressos da instituição.

A seleção dos candidatos será divulgada no dia 28 de novembro através do Instagram do Laboratório e no site da mostra.

10 º edição está com as inscrições abertas. Foto: divulgação

Conheça mais sobre os curadores da mostra:

  • Luiza Chamis: Formada em Jornalismo com pós – graduação em Cinema pela UFN. É mestra em Cinema e Artes do Vídeo pelo PPG – CIVEAV da Universidade Federal do Paraná (UNESPAR), e pesquisadora nas áreas de documentário e animação dentro do audiovisual;
  • Julia Trombini: Formada em Jornalismo pela UFN e Artes em Vídeo pela UNESPAR. Possui experiência em assuntos relacionados a documentários, fotografia, representações, estudos culturais e diaspóricos;
  • Julio Cezar Neto: Graduado em Publicidade e Propaganda pela UFN, atuou durante os 4 anos do curso dentro do Labseis e ganhou diversas premiações ao longo deste período, entre elas o prêmio de melhor vídeo de apresentação do Madrugadão da Universidade Feevale, em 2019. Atualmente é empresário com sua marca JCZИ e compõe a equipe de audiovisual da agência DG5 em Santa Maria/RS
  • Bianca Zasso: É jornalista, crítica de cinema e cineclubista. Doutoranda em Filosofia na UFSM , mestra em Ensino de Humanidades e Linguagens e especialista em Cinema pela UFN. Atualmente, é produtora de conteúdo na Padrinho Conteúdo e Assessoria e editora e sócia do projeto Formiga Elétrica. Foi colunista de cinema por 10 anos no site Claudemir Pereira.

A Biblioteca Pública Municipal de Santa Maria Henrique Bastide completa este mês 85 anos de existência. Para comemorar, a Prefeitura Municipal de Santa Maria, através da Secretaria da Cultura, está promovendo atividades culturais ao longo do mês de outubro.

Desde 1992 a Biblioteca está na sua atual sede. Imagem: arquivo.

A biblioteca foi criada em 1938 e, originalmente era localizada na Rua do Acampamento , no prédio que pertencia a Sociedade Italiana. Depois ficou localizada um tempo junto ao Teatro Treze de Maio. Somente em 1992 a instituição foi para a sua atual localização. No ano de 1956 através da Lei Municipal número 511 a instituição passou a ter o nome que possui hoje em homenagem ao seu idealizador e diretor. A instituição conta com um acervo de 40.000 livros, que consta com livros raros como a Divina Comédia de Dante Alighieri, publicado em Italiano. Além disso, há vários setores de revistas, periódicos, empréstimos, área infantil e espaços para o público ler e estudar.

Qualquer cidadão pode ser sócio da Biblioteca. Para isso é só ir até o local com uma foto 3×4, carteira de identidade e comprovante de residência. Sendo sócio há possibilidade de levar dois livros por vez , conforme a disponibilidade , que conta com prazo de 7 dias para ler e pode renovar o prazo pelo telefone da Biblioteca. O espaço funciona de segunda a sexta – feira das 7h30 às 16h30. Para mais informações entre em contato através do telefone (55) 3174-1560 ou pelo e – mail bhenriquebastide@gmail.com .

Na próxima terça-feira, dia 31 de outubro, haverá o lançamento do livro com os premiados do concurso Felipe de Oliveira 2021/2022 no Theatro Treze de Maio às 19h, encerrando a programação do mês de aniversário.

 

Essa semana foi divulgado o Guia da Faculdade Estadão 2023 e a Universidade Franciscana (UFN) teve 25 cursos de graduação estrelados. O Guia é uma parceria entre o jornal Estado de São Paulo e a Quero Educação, uma das principais startups educacionais do Brasil .

O ranking destaca a relevância de cursos de Bacharelado, Licenciatura e Tecnológicos de Ensino Superior de instituições públicas e privadas e que estejam cadastradas no MEC (Ministério da Educação). O processo de seleção é conhecido como avaliação por pares e é dividido em 3 etapas: projeto pedagógico, corpo docente e infraestrutura. Entre os 25 cursos contemplados na instituição, o curso de Jornalismo que tem a coordenação do Professor Iuri Lammel Marques ganhou 4 estrelas, o que classifica o curso como muito bom.

Guia da Faculdade 2023 elenca 25 cursos de graduação da UFN. Foto: divulgação.

Outros cursos contemplados com 4 estrelas foram: Arquitetura e Urbanismo, Administração, Ciência da Computação , Ciências Contábeis , Design, Direito, Engenharia Biomédica , Enfermagem, Física Médica, Fisioterapia, Filosofia, Letras – Português e Inglês, Matemática, Pedagogia e Sistemas de Informação. Já as 3 estrelas foram conquistadas pelos cursos de: Biomedicina, Engenharia Química, Farmácia, História, Nutrição, Odontologia, Psicologia, Publicidade e Propaganda e Jogos Digitais.

A equipe do Guia da Faculdade atua como um instituto de pesquisa, colhendo a opinião de coordenadores e professores de ensino superior cadastrados como colaboradores voluntários e nesta edição, mais de 10 mil profissionais do ensino superior atuaram neste processo.