Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

TODAS AS PUBLICAÇÕES DE:

Lucas Acosta

Lucas Acosta

A maior competição do mundo começou. Com quatro jogos por dia, o amante de futebol está vidrado na televisão o dia inteiro. Se você acredita no hexa ou não, é decisão sua, mas vai ter que concordar que entre as favoritas, foi a Seleção Brasileira que teve o melhor teste até agora.  

O primeiro desafio foi contra a Sérvia, uma seleção organizada e com bons nomes no elenco. Uma defesa muito física que não deu espaço para o Brasil no primeiro tempo. Mesmo com toda a qualidade do meio campo e ataque brasileiro, o jogo e os toques rápidos não apareciam, talvez tenha sido culpa do nervosismo da estreia, já que na segunda etapa, a história foi bem diferente.

Alguém tinha que aparecer, alguém tinha que ser o protagonista e puxar a responsabilidade. Richarlison apareceu. Sem ter feito uma boa primeira etapa, sofreu com a marcação dura dos zagueiros sérvios. Talvez fosse o jogo para o Pedro, mais alto, mais técnico e consegue se virar com menos espaço, mas Richarlison mostrou que não, era o jogo dele.

O camisa 9 aproveitou o rebote e, bem posicionado, marcou o primeiro, trazendo alívio para o torcedor brasileiro que já estava preocupado. Depois, ele de novo, faz o segundo, o que até então é o gol mais bonito da Copa, num voleio no canto do goleiro ele mostra e afirma que aquela vaga é dele e ninguém tira. 2 a 0 e um baile no segundo tempo. A próxima batalha é contra a Suíça, que venceu Camarões na primeira rodada, o jogo vai valer a liderança do grupo. 

O momento do segundo gol. Foto: Goal/Twitter

Mas nem tudo foram flores para os favoritos da Copa, a Argentina foi surpreendida pela Árabia Saudita na primeira zebra do Mundial. Messi e companhia começaram melhor, fizeram 1 a 0 de pênalti e ainda tiveram gols impedidos. Porém, na segunda etapa o jogo virou, literalmente. Os árabes pressionaram em toda bola sem deixar os argentinos respirarem, mesmo jogando com as linhas de marcação muito altas, o time comandado por Scalone não conseguiu aproveitar os espaços. 2 a 1 em poucos minutos na segunda etapa e muita comemoração. Agora os argentinos precisam vencer os próximos dois jogos para passar com tranquilidade ou Argentina e França pode rolar já nas oitavas.

O momento da virada. Foto: B24/Twitter

Outra grande zebra aconteceu no Grupo E, o jovem e promissor time da Alemanha entrou em campo com muita expectativa e acabou esbarrando na qualidade japonesa. Como os argentinos, a Alemanha também saiu vencendo 1 a 0 com um pênalti e tomou a virada no segundo tempo. Com 26% de posse de bola, o Japão surpreendeu com gols na reta final da partida. O próximo jogo será Alemanha e Espanha, praticamente uma final para os alemães que, se perderem, já estão fora.  

Essa não será qualquer Copa do Mundo ou apenas mais um Mundial com as principais seleções do planeta, mas sim algo diferente. A primeira diferença já começa pela época a ser disputada, diferentemente das outras edições, essa será no final do ano, isso faz com que os principais jogadores cheguem em seus auges físicos, já que o calendário europeu está na metade. 

Pode ser esse ano que o torcedor verá a Copa mais parelha de todos os tempos, com muitos favoritos, muitas possíveis surpresas e craques em praticamente todas as seleções. 

O troféu mais desejado de 2022.

OS FAVORITOS

Brasil, Argentina e França podem ser consideradas o TOP 3 para 2022. Uma seleção brasileira organizada, com nove opções para o ataque, uma defesa sólida, jogadores se destacando nos principais clubes da Europa e Neymar em seu melhor início de temporada no PSG com sede do hexa. 

Já a Argentina tem o jogador mais diferenciado do mundo, Lionel Messi comanda um time cheio de experiência e juventude que está há 36 jogos invictos. Olhos abertos também para Julián Álvarez, que com 22 anos já ganha espaço com Pep Guardiola no Manchester City depois de se destacar no River Plate.

E por último, mas não menos favorita, a seleção francesa. A última campeã mundial chega com um time repleto de jovens jogadores com muito futebol a oferecer. Mbappé e Benzema podem fazer o ataque mais letal da Copa. Isso só acontece se a maldição dos campeões não aparecer de novo, desde 2010, os últimos vitoriosos não passam da fase de grupos. Itália (2010), Espanha (2014), Alemanha (2018), todas eliminadas ainda na fase inicial, Didier Deschamps tentará mudar a história em 2022.

AS SURPRESAS

Entre as tantas seleções que podem surpreender na Copa do Mundo, destaco duas: Uruguai e Dinamarca. Além dessas, é claro que os outros elencos podem incomodar, como a poderosa e longeva geração belga, Louis van Gaal e sua renovação holandesa e os inventores do futebol com seus jovens craques. 

A seleção uruguaia é mais uma que mescla experiência com a juventude e chega com seu melhor plantel desde 2010, quando alcançou uma semifinal na África do Sul. Fede Valverde, Darwin Nunez, Arrascaeta, Luiz Suárez e companhia podem chegar longe no Catar. Um possível confronto contra o Brasil pode acontecer já nas oitavas, caso um passe em 1º e outro em 2º em seus grupos. 

A Dinamarca chega com status de realidade para muitos e não mais uma surpresa. Depois de chegar nas semifinais da última Eurocopa e passear nas Eliminatórias, o time comandado por Kasper Hjulmand é um dos favoritos no grupo D junto com a França. Caso passe em segundo, a seleção dinamarquesa já encontra a Argentina, se passar em primeiro, nas oitavas. 

ESTREIAS

Os donos da casa, o Catar abre o Mundial contra o Equador neste próximo domingo (20), às 13h. Já a seleção brasileira entra em campo na quinta-feira (24) e enfrenta a Sérvia, às 16h.

Na tarde da segunda-feira, 7, o técnico da Seleção Brasileira, Tite, convocou os 26 jogadores que irão representar o país na Copa do Mundo do Catar, que inicia no dia 20 deste mês. Sem nenhuma grande surpresa, ficou assim a lista final:

Lista final para a Copa. Foto: Divulgação CBF

Os três goleiros já estavam certos há um bom tempo, com Alisson de titular, a Seleção tem o mesmo goleiro de 4 anos atrás, mas agora bem mais seguro e preparado para um mundial. A primeira e única grande discussão dessa lista é o lateral direito Daniel Alves, que não fez bons jogos pelo Pumas, do México, neste segundo semestre de 2022 e agora treina com o Barcelona B. O jogador entra na cota de confiança de Tite, já que mesmo sem atuar e sem viver um bom momento está entre os 26. Provavelmente, ainda não será titular e terá um papel de liderança no vestiário. Apesar de não concordar com a convocação do lateral, é necessário entender que as outras opções para a direita também não são das melhores. Emerson Royal, do Tottenham, corria por fora, mas criticado pela própria torcida do clube inglês, não foi convocado. 

O quarteto de zagueiros também sem surpresas. Ainda existia uma discussão pela quarta vaga, entre Bremer (convocado), da Juventus, e Gabriel Magalhães, do Arsenal. O defensor do clube italiano ganhou a disputa por ter sido um dos melhores jogadores do Campeonato Italiano 2021 e nessa temporada está construindo uma defesa forte e organizada junto com outros selecionados, Danilo e Alex Sandro, a química entre eles fez a diferença.

Já no meio campo, a ausência de Coutinho, que mesmo sem fazer uma temporada fora de série, estaria na lista de Tite, por também entrar na cota de confiança do treinador. O meia do Aston Villa se lesionou no treinamento dias antes da convocação. Everton Ribeiro, do Flamengo, toma seu lugar, o jogador foi campeão da Copa do Brasil e Libertadores e, por isso, também faz por merecer a convocação.

Tite está levando nove opções para o ataque, três para cada posição. É o maior número de atacantes convocados em todas as copas. Isso resulta em maiores possibilidades para o técnico, que vai variar seu estilo de jogo e formação de acordo com o adversário. A única dúvida que ainda existia era pela 26ª vaga, que ficou com Gabriel Martinelli. Matheus Cunha, do Atlético de Madrid, e Roberto Firmino, do Liverpool, ainda tinham chances.

Eu se fosse o Tite, convocaria o atacante do time inglês, por poder entregar no jogo mais que os outros jogadores. Firmino pode jogar tanto como número 9, como número 10 e ainda como um segundo atacante, e sem a criatividade de Coutinho, o atacante do Liverpool poderia ser a solução. Mas como não sou o Tite e sou apenas mais um torcedor que sentou no sofá nervoso para acompanhar um homem lendo um papel, resta torcer e acreditar, porque com esses 26, o hexa é logo ali.

Lucas Acosta é acadêmico do 6º semestre do curso de Jornalismo da UFN, apresenta o Titular da Rede, Camisa 10 e A Copa & Eu na RádioWeb UFN e escreve, periodicamente, uma coluna sobre esporte na Central Sul Agência de Notícias

O que parecia ser um ano conturbado depois de eliminações, acaba sendo uma temporada que o torcedor sai esperançoso para 2023. A derrota para o Grêmio no Campeonato Gaúcho, a eliminação para o Globo na Copa do Brasil e o vexame contra o Melgar na Sul-Americana pareciam que iriam deixar marcados o ano do Internacional.

Chegou Mano Menezes, sem 100% da confiança da torcida, também chegaram reforços pontuais para o elenco e a temporada mudou completamente. Mesmo longe do Palmeiras no número de pontos, o Colorado ainda teve chance de conquistar o Campeonato Brasileiro mais uma vez. Com a derrota por 1 a 0, contra o América-MG, nesta última quarta-feira, o clube paulista conquistou mais um Brasileirão ainda na concentração para o jogo contra o Fortaleza. Mas para completar a festa, o time comandado por Abel Ferreira fez 4 a 0, com direito a gol da joia Endrick, de apenas 16 anos.

Apesar da vice-colocação, o torcedor deve ficar esperançoso para um ano de 2023 ainda melhor. Com uma base sólida montada nesta temporada, um goleiro confiante que tomou a posição na reta final, um quarteto defensivo seguro com destaques como Bustos e Vitão, um meio campo que ainda com dúvidas é muito promissor e um achado como centroavante que luta por cada bola como se fosse a última. Tudo isso graças a uma janela de transferências arriscada, mas muito bem pensada.

Elenco colorado em treinamento. Foto Twiiter Internacional

A base está pronta para a temporada que vem, reservas imediatos e um número 9 devem ser prioridade para 2023. Mano Menezes quer trabalhar com um grupo menor que esse ano, por isso jogadores ainda devem sair. A maior dúvida é Edenílson, que tem o aval do técnico para ficar, mas boa parte da torcida acredita não ter clima mais para o jogador. O ano de 2023 promete muito para o torcedor colorado, as chances reais de título existem em todas as competições a serem disputadas.

Lucas Acosta é acadêmico do 6º semestre do curso de Jornalismo da UFN, apresenta o Titular da Rede, Camisa 10 e A Copa & Eu na RádioWeb UFN e escreve, periodicamente, uma coluna sobre esporte na Central Sul Agência de Notícias

Na segunda-feira (6), os cursos de Licenciatura (Matemática, Filosofia, Pedagogia, Pedagogia EaD, Letras e História) da Universidade Franciscana (UFN) promoveram a XII Jornada Integrada do Meio Ambiente. Esta edição teve como temática ‘Sustentabilidade e Educação – Protagonismo juvenil e adulto: da Educação Básica à Educação Superior’. A iniciativa teve como objetivo promover espaço institucional de compartilhamento de projetos sobre o tema sustentabilidade.  

A coordenadora do evento, professora do curso de Pedagogia Ail Ortiz, ressalta a possibilidade de compartilhar saberes construídos na Educação Básica e Educação Superior durante a Jornada. Além disso, a docente destaca a mescla dos trabalhos apresentados entre Ensino Fundamental, Ensino Médio, jovens e adultos de diferentes áreas. “Isso significa integrar. Esse é o grande tema que nós propusemos desde a primeira jornada integrada do meio ambiente. Porque falar em sustentabilidade, em meio ambiente, deve ser sublinhada a essência que nos faz entender que devemos viver com qualidade sustentável sobre essa concepção entre humanos e entre humanos e não humanos”, complementa.  

Acompanhe, a seguir, alguns dos trabalhos apresentados.

 Direito Ambiental e Água: uma análise a partir do Ensino Jurídico 

O trabalho realizado por Dion Roger Chavier Ribeiro, com orientação do professor Diego Carlos Zanella, representando o Mestrado de Ensino de Humanidades e Linguagens (MEHL), tem como objetivo investigar o ensino do tema das águas do Brasil na disciplina de Direito Ambiental nos cursos de Direito em Instituições de Ensino Superior na cidade de Santa Maria.  

Dion Roger Chavier Ribeiro e seu orientador, professor Diego Carlos Zanella. Foto: Lucas Acosta

 O mestrando Dion Roger Chavier Ribeiro explica que o trabalho é apenas uma pincelada pelo tema e após vai ser aprofundado com uma bibliografia, palestras de conscientização aqui para Santa Maria, principalmente dentro das escolas e nas universidades vai ser analisado como o tema é trabalhado.  

 Já o professor Diego Carlos Zanella comenta que ter a consciência de cuidar e preservar a água é fundamental para a sobrevivência humana e do planeta como um todo. “Além da consciência de utilizá-la da maneira correta, para que a gente tenha por mais tempo disponível e também preservadas para as gerações futuras”, destaca o docente. 

Explorando o meio ambiente por meio da música  

 O trabalho realizado por Marcelo Schaedler Massário, com orientação da professora Noemi Boer, também representando o MEHL, tem como objetivo a análise das canções do Projeto Pandorga da Lua (musical infantil com músicas regionais), a partir de marcas culturais que remetem aos aspectos ambientais. 

Marcelo Schaedler Massário ao lado de seu trabalho. Foto: Lucas Acosta

 O mestrando explica que esse é um projeto interdisciplinar por envolver música, teatro e dança. São 24 canções contidas no projeto Pandorga da Lua e em 12 delas são abordados elementos naturais, que são os animais encontrados nas músicas.  

 Como análise final do trabalho é concluído que a música se constitui num recurso pedagógico para explorar o meio ambiente já que, pelas origens, se organiza pela cultura regional, contemplando ritmos e linguagens específicas. 

Acompanhe na publicação de amanhã aqui na Central Sul Agência de Notícias sobre mais trabalhos apresentados.

  • Texto e fotos produzidos durante o primeiro semestre de 2022, na disciplina de Jornalismo Especializado do curso de Jornalismo da Universidade Franciscana.

No próximo final de semana, Santa Maria vai sediar o Circuito Gaúcho de Padel. Com a parceria Squadra Padel Club, Cesla Complexo Esportivo e do Star Padel Club, o torneio conta com premiação de até 4 mil reais. As inscrições podem ser feitas pelo site da Federação Gaúcha, nas categorias profissionais, amadoras, sênior, sub-12, sub-14, sub-16 e sub-18.

No mês de abril, o Squadra Padel Club reuniu cerca de 330 duplas para seu torneio de inauguração da nova estrutura, ou seja, mais de 600 inscritos de todo o estado do Rio Grande do Sul, Brasil e países sul-americanos disputaram o campeonato realizado em Santa Maria. O clube possuía quatro quadras e depois da reforma, com um ‘CTRL+C CTRL+V’, mais quatro foram construídas, totalizando oito quadras de vidro.

Pódio do torneio inauguração Squadra Padel Club 1ª Categoria. Imagem: Portal Super Padel

Este é um dos sinais de que o esporte vem crescendo e fazendo cada vez mais adeptos nos últimos anos, principalmente na cidade e região. Douglas Fernandez, professor de padel no Squadra, ressalta: “Hoje, Santa Maria é uma potência do padel”. O professor comenta que o crescimento do esporte é impressionante e isso pode ser visto em todo estado, mas nas cidades menores perto de Santa Maria, como São Sepé, Júlio de Castilhos, Tupã e outras, é algo bem significativo.

Douglas Fernandez acredita que essa ascensão se deve pela viralização do esporte na internet e o trabalho feito nas redes sociais. O World Padel Tour (WPT), circuito mundial que reúne os melhores jogadores do planeta e conta com três brasileiros no top 50, é transmitido por meio do YouTube e de seu site, facilitando o acesso do público. Ainda segundo o professor, o principal fator para esse desenvolvimento tão rápido é por causa dos investidores e da coragem que eles têm.

Outro motivo que pode ser considerado essencial é a parceria e a leveza de competitividade que existe no padel, é o que relata João Vitor Neves, estudante de Educação Física e praticante do esporte. “O crescimento vem da forma que é jogado o padel, unindo vários grupos, familiares, amigos e homens e mulheres jogando juntos”, acrescenta.

João Vitor Neves em torneio em Santana do Livramento. Imagem: arquivo pessoal.

O estudante é de Santana do Livramento, mas já morou em Alegrete e hoje reside em Santa Maria e explica que nessas cidades teve contato com atletas de alto nível, bem rankeados tanto no Brasil, como no mundo. Atualmente, João Vitor está fazendo estágio em padel e pretende seguir trabalhando no esporte.

Além de jogadores profissionais, praticantes e clubes, o que está crescendo também são sites especializados no esporte, o Portal Super Padel, de Maycon Henschel, é um exemplo. “Há cerca de um ano comecei a jogar padel. Me apaixonei pelo esporte. E bem rápido. Além de jogar, sempre gostei de acompanhar os grandes torneios, grandes jogadores, e notícias relacionadas a isso, mas no Brasil ainda não temos bons canais informativos”, comentou.

Maycon explica que já passa boa parte do tempo acompanhando informações relevantes do esporte e achou que seria interessante juntar o conhecimento que possuía da área do marketing com o mundo das notícias, e começar a compartilhar conteúdo. “Eu também enxerguei uma lacuna no mercado, que pode gerar oportunidades de negócios, e isso será importante para determinar o sucesso do portal. A ideia é expandir para coberturas fotográficas, transmissões dos jogos, entrevistas, documentários, etc. Mas o primeiro passo é o que estamos dando agora, que é criar o portal e gerar conteúdo de valor para as pessoas, assim fortalecemos o esporte e crescemos nossa audiência”, destaca o responsável pelo site. Segundo ele, é perceptível a curva de ascensão que o esporte tem no Brasil, com cada vez mais clubes inaugurados e quadras lotadas. “Não tenho dúvidas de que esse crescimento está muito no começo ainda. Teremos bastante gente praticando padel em pouco tempo”, complementa Maycon Henschel.

O QUE É O PADEL?

Jogo disputado em duplas, em quadras com 20m de comprimento por 10m de largura, com paredes ou vidros no fundo e uma parte das laterais recoberta por telas. As raquetes são feitas de fibra de carbono e as bolinhas parecidas com as do tênis, o que muda é o peso.

ONDE PODE JOGAR PADEL EM SANTA MARIA?

Squadra Padel Club – Rua Pinheiro Braileiro, 961

Telefone: (55) 99600.0961 https://squadrapadelclub.com.br/

Star Padel Club – Rua Diácono João Luiz Pozzobon

Telefone: (55) 99990.3074 https://www.starpadelclub.com.br/

Cesla Complexo Esportivo – Rua Antônio Gonçalves do Amaral, 1547

Telefone: (55) 99714.5395 https://ces.la/

Texto produzido pelo acadêmico de Jornalismo Lucas Acosta, na disciplina de Jornalismo Especializado, durante o 1º semestre de 2022.

https://premiocomunica.ufn.edu.br/

A Universidade Franciscana (UFN) realiza nos dias 15 e 16 de dezembro, o projeto Comunicaflix que envolve o 14º Prêmio Universitário de Publicidade e Propaganda e o 7º Prêmio Universitário de Jornalismo. A iniciativa tem como objetivo avaliar, valorizar e premiar peças publicitárias e produções jornalísticas desenvolvidas nas disciplinas dos cursos durante os quatro semestres anteriores (2º semestre de 2019, 1º e 2º semestre de 2020 e 1º semestre de 2021).

As inscrições são gratuitas para os dois prêmios e podem ser feitas até hoje, terça-feira, 30, por meio de um formulário on-line no site Comunicaflix. As premiações para o Jornalismo ocorrem no dia 15 de dezembro e para Publicidade e Propaganda no dia 16 de dezembro, onde serão divulgados os vencedores de cada categoria.
A premiação do Jornalismo está dividida em oito categorias: Assessoria de Comunicação (Planejamento de Comunicação e Assessoria de Imprensa), Audiovisual (programa jornalístico, reportagem, documentário, ficção e audiovisual para a internet), Comunitária (comunicação comunitária), Digital (perfil ou entrevista, reportagem, mídia social, site ou blog, podcast e produção crossmídia), Fotografia (fotojornalismo, fotografia ilustrativa, ensaio, fotografia em sequência, fotodocumentário e fotografia livre), Impresso (reportagem), Opinião (artigo, crônica, ilustração e resenha ou comentário) e Rádio (reportagem, programa jornalístico, programa radiofônico, radiodocumentário e crônica radiofônica).

Já o prêmio de Publicidade e Propaganda avaliará sete categorias: Fotografia (publicitária e livre), Design Gráfico, Audiovisual (filme publicitário, videoclipe e vídeo livre), Áudio (spot, jingle e áudio livre), Campanha (publicitária e social), Trabalhos Desenvolvidos em Laboratórios Didáticos (campanha e peça avulsa) e Iniciantes (produções de estudantes que cursam até o 3º semestre do curso.).
A divulgação dos escolhidos compreenderá as classificações Ouro, Prata e Bronze de acordo com a avaliação do júri, em que os critérios a serem observados são: criatividade, originalidade e adequação. De acordo com os organizadores, entre os anos de 2020 e 2021 o serviço de streaming se ainda mais popular devido ao isolamento provocado pela pandemia do novo Coronavírus. Por isso a ideia de realizar a premiação dos cursos de Comunicação Social da UFN aos moldes de um destes serviços internacionais de distribuição filmes e séries, como a Netflix.

 Lucas Acosta/Estagiário de Jornalismo na ASSECOM/UFN

Nesta quarta-feira, dia 25 de agosto, ocorreu a live Primeira Pauta: A menor distância entre a sua faculdade e a nossa redação, uma parceria da Universidade Franciscana com o Grupo RBS. O encontro foi mediado pelo Iuri Lammel Marques e com os convidados Márcio Luiz, chefe do Globo Esporte RS e Eduardo Moura, setorista do Grêmio no Globo Esporte RS. O projeto da RBS tem o objetivo de incentivar estudantes de todo o estado a participar do concurso Primeira Pauta, onde será contratado um estagiário para os veículos da empresa. 

A live focou em apresentar o Grupo RBS para os participantes, além da apresentação e relatos pessoais dos convidados, Márcio Luiz e Eduardo Moura. Os dois contaram como chegaram até a RBS e o que fazem hoje lá, comentando sobre a carreira, a relação com outros veículos e com parceiros de cima do país, as relações com o público e com os times do estado. As principais mudanças ocorridas durante a pandemia também foi ponto de discussão.  

As inscrições para o concurso estão abertas e vão até o dia 19 de setembro, os candidatos devem enviar um vídeo de até 3 minutos respondendo a pergunta: “Por que eu quero participar do projeto jornalístico Primeira Pauta?”. Serão 15 escolhidos na primeira etapa e depois 5 para a terceira, o conteúdo produzido pelos finalistas será veiculado na Rádio Gaúcha e na GZH.

Foi em março desse ano que vi uma luz no fim do túnel. Quando meus avós receberam a primeira dose da vacina. Seu Ari, meu avô, saiu bem brincalhão: “vou contar pra minha mãe que não doeu”. Dona Edir, minha avó, foi maquiada, unhas feitas, máscara combinando com a roupa, toda produzida para ser vacinada. Um momento feliz para nós. Um momento muito importante para eles. Os dois passaram por momentos difíceis, contraíram o maldito vírus. Passaram o natal por chamada de vídeo com a família. Mas passaram por essa, mais vivos do que nunca.

Minha família sofreu. Inúmeras famílias sofreram. Porém, vemos hoje uma corrida da vacina. Uma corrida do bem, os pilotos são os governadores, as equipes, todo o estado. Correndo para vacinar toda população até determinado mês. Na pista, alguns obstáculos, que as vezes possuem mais poder que os pilotos. Mas, ainda assim governadores habilidosos conseguem desviar e fazer boas voltas nesse trajeto longo. Parecido com a pista de Nurburgring, na Alemanha, um dos maiores circuitos da F1. Até agora, nosso estado corre igual ao heptacampeão Lewis Hamilton, a equipe com boas estratégias de corrida, se destacam bastante. Outras equipes estão nessa, outros estados correm contra o tempo (perdido).

Mas, nessa corrida da vacina não esperamos ter perdedores. Queremos que todos ultrapassem a linha de chegada juntos, com voltas rápidas e excelentes. Sem muitos obstáculos na pista. Para isso, a paciência do torcedor daquela equipe é necessária. A luz no fim do túnel irá chegar para todos. Mesmo aqueles que torcem contra. Porque você não troce contra seu próprio time, não é? Contra sua própria equipe? Então, todo mundo merece cruzar a linha de chegada, enxergar a bandeira quadriculada balançando e sentir a felicidade e a esperança de ser vacinado.

 

Por Lucas Saraiva,  acadêmico do curso de Jornalismo na UFN e repórter-aprendiz na Agência Central Sul de Notícias.

Pavilhão do Estádio João Martins. Foto: Lucas Acosta.

“O sentimento de ser jogador é maravilhoso. Desde criança sempre foi meu sonho.  Começou a ser realizado quando tinha 16 anos, fui jogar no Defensor de Montevideo, Inter-Santa Maria, Caxias, Avaí-SC, e depois para o 14 de Julho. Foi uma honra ter vestido esse manto, um dos clubes mais antigos do Brasil. A experiência foi maravilhosa por jogar na minha cidade”. esse é o sentimento de Gustavo Benitez, ex-jogador do Esporte Clube 14 de Julho, de Santana do Livramento. Um clube com uma história riquíssima e feitos históricos.

O começo

A história do clube começa em 1902 com garotos que jogavam um esporte ainda pouco conhecido pelas pessoas, em um espaço onde hoje se encontra o Parque Internacional, praça que divide as cidades de Santana do Livramento e Rivera, no Uruguai.

Parque Internacional atualmente.

Com a adoção das cores vermelho e preto, o clube do interior do Rio Grande do Sul, se tornou o primeiro rubro-negro do Brasil, com o passar dos anos outros grandes clubes adotaram essas mesmas cores, como Brasil de Pelotas e Flamengo. Além desse feito, o Esporte Clube 14 de Julho é o terceiro clube mais antigo do país, com fundação em 14 de julho de 1902, fica somente atrás do Sport Club Rio Grande, também do RS, fundado em 19 de julho de 1900 e a Associação Atlética Ponte Preta, de Campinas, São Paulo, fundada em 11 de agosto de 1900.

Evolução dos Uniformes ao longo dos anos:

 

O começo da caminhada do 14 de Julho é cheio de feitos históricos, que são lembrados até hoje. Em 1906, o clube aproveita a proximidade da cidade uruguaia e realiza um jogo contra o Rivera F.C, vence pelo placar de 2×1 e conquista a primeira vitória internacional de um clube brasileiro. Já em 1909, foi o primeiro clube a conquistar um campeonato internacional, a Copa La France, no Uruguai, competição que ajudou a fundar.

Os primeiros anos de história do clube foram vitoriosos, mas não só de vitórias se vive um time,  também de reconhecimento. Cipriano Nunes Silveira, o Castelhano, jogador do clube de 1907 a 1929, com exceção apenas do ano de 1920, quando atuou pelo poderoso Santos, se tornou o primeiro jogador do estado do Rio Grande do Sul a ser convocado para a seleção brasileira. Além disso, o clube é um dos fundadores da Federação Rio-Grandense de Desportos, hoje conhecida como Federação Gaúcha de Futebol (FGF).

Escudo do clube.

O apelido Leão da Fronteira surge com carinho e representação a garra com que os jogadores atuavam, pela localização e pelo grande número de uruguaios no time. O Leão sempre esteve presente no escudo do clube.

Esse começo de trajetória do clube foi muito importante, visto que, contribuiu para a evolução do esporte na cidade, no país ao lado e no estado.

O passado recente

A história recente do time santanense não é tão vitoriosa como antigamente, o clube que passou por inúmeras dificuldades ao longo das últimas décadas, hoje não possui time de futebol. Entre 1998 e 2004, o primeiro rubro-negro do Brasil também ficou com o departamento de futebol fechado, mesma situação que ocorreu no final de 2013, quando a então diretoria encerrou suas atividades de futebol por causa das dificuldades de manter o time.

Elenco do clube em 2012. Foto: Facebook/Gustavo.

Gustavo Benitez, meio-campo e ex-jogador do clube, atuou nos anos anteriores ao encerramento das atividades, “O ambiente era bem agradável, nossa equipe era muito boa, chegamos bem longe nas competições que participamos”, comenta Gustavo. O ex-jogador também conta um pouco da gestão do clube na época, “O clube teve muitas mudanças na estrutura. A gestão que estava na época fez várias melhorias arrumando vestiários, que nem time da primeira divisão tinha. Colocaram luz no campo, melhoraram o campo e a situação financeira nessa época estava muito boa, salários em dia…” O ex-jogador finaliza comentando também sobre o tratamento recebidos pelos jogadores, “O tratamento era bom, nós tínhamos tudo do bom e do melhor, ficávamos concentrados antes dos jogos, concentrávamos em hotéis muito bons, nem em vários times que passei não tinha toda essa estrutura pra nós jogadores.”

Desde 2013, com as atividades paradas e com os problemas se agravando, o clube ainda formou uma categoria de base, com futebol masculino e feminino. O Globo Esporte, com Alice Bastos Neves, foi a Santana do Livramento em outubro de 2014 para gravar o “Vem Alice”, quadro onde a apresentadora dava destaque para projetos novos e até projetos amadores no cenário sul-rio-grandense e mostrou para todo o estado a tentativa de recomeço de um grande time. Porém, a ideia que no começo era excelente, não foi tão a frente, também pelas dificuldades enfrentadas pelo clube.

Para olhar a reportagem, clique aqui.

O presente

Portão 1 do estádio João Martins. Foto: Lucas Acosta.

Já em 2018, uma nova gestão assumiu o comando do clube e fez algumas mudanças e reformas no João Martins, estádio próprio do 14 de Julho. Mercedes Cunha, assumiu como presidente e Adriano Silveira Trindade, como diretor de futebol.

Projeto Leão do Futuro. Foto: arquivo pessoal Adriano.

Adriano, conhecido por “Dingo”, também é ex-jogador do clube, e conta que em 5 de novembro de 2018 um projeto de categorias de base foi criado no clube, o Projeto Leão do Futuro, com crianças dos 6 aos 17 anos de idade. O diretor de futebol comenta também que o controle de dedicação é complicado com certas idades, já que atualmente existe muitas “distrações”. O Leão do Futuro era um trabalho social que contava com cerca de 160 crianças e recebia apoio de algumas empresas de Santana do Livramento, com alimentação e outras questões. Porém com a pandemia do Coronavírus, o projeto precisou dar uma pausa pela segurança das crianças, dos técnicos e dos demais envolvidos. O covid-19 não só  atrapalhou as categorias de base, mas também agravou a situação, que já era bem delicada na parte financeira do clube.

Leão do Futuro. Foto: arquivo pessoal Adriano.

Piscina térmica no estádio João Martins. Foto: Lucas Acosta.

Ao ser questionado sobre como o clube ainda se mantém vivo, Adriano respondeu “O clube, hoje, se mantém pela piscina, pelo departamento de piscina, com o pagamento dos sócios”. Em 1989, Hilário Nicolini, presidente do 14 de Julho naquele ano, construiu uma piscina térmica nas dependências do João Martins. Esse investimento, até hoje é usado, mas com a pandemia, também precisou parar de receber seus sócios. O diretor de futebol ainda ressalta que muitos sócios não fazem o pagamento e entende o lado dessas pessoas, visto que, o clube está fechado, mas pede que as pessoas entendam o lado do clube, que precisa manter o ambiente para uma possível reabertura.

Sobre o departamento de futebol ainda estar fechado, Adriano afirma que “O futebol, nesse momento, não tem condições, quem sabe no futuro”, já que em 2021 a Terceirona Gaúcha, terceira divisão do campeonato estadual, voltou a ser disputada e dá vaga para dois na próxima Divisão de Acesso, competição que o 14 de Julho poderá almejar em seu futuro, se o futebol retornar.

Adriano relata que várias soluções são pensadas para os problemas do clube, porém descreve o quão difícil é colocar as ideias em prática, por falta de recursos e também por falta de apoio. O diretor de futebol comenta que deveria existir uma união do esporte santanense, todos os clubes juntos em prol do esporte em geral e não em benefício a determinado clube. “O dia que parar as vaidades, rivalidades, a falta de respeito das pessoas se acharem melhores que as outras, diminuírem o valor das outras e sempre acharem que só elas têm a solução e só elas sabem das coisas, aí sim começamos a andar para frente.” complementa o diretor.

Aviso aos sócios na recepção. Foto: Lucas Acosta.

Com todas as dificuldades do clube, hoje o estádio e a piscina do João Martins não possuem funcionários, a diretoria procura ainda ajudar esses funcionários com cestas básicas e uma ajuda de custo, visto que poucos sócios realizam o pagamento das mensalidades durante a pandemia. Além disso, com as dívidas do clube, o complexo onde está situado o estádio já foi para leilão cinco vezes e, até o momento, pode estar indo para o sexto. Contudo advogados ligados ao clube tentam tornar o estádio João Martins patrimônio histórico da cidade e com isso o leilão não aconteceria.

Troféus do clube. A sala de troféus está em manutenção. Foto: Lucas Acosta.

Com 40 títulos municipais e campeão estadual de juniores em 1992, o Esporte Clube 14 de Julho possui um carinho enorme dos santanenses, porém no presente não conseguiu conquistar títulos e repetir o brilhantismo que existia no século passado. Com a categoria de base e novos projetos, a diretoria e os torcedores esperam que em um futuro próximo o clube volte a dar alegrias ao seu torcedor.