Medianeira: devoção que se mantém há décadas


Por Agnes Barriles

 

Preparativos para a festa da Romaria da Medianeira. Fotos: Jéssica Marian/ LABFEM

Todos os anos, no segundo domingo do mês de novembro, a fé, a devoção e a graça tomam conta de Santa Maria, é o dia da padroeira do Estado, Nossa Senhora Medianeira de Todas as Graças.  

A fé em Virgem Maria nasceu com os cristãos lá nos primórdios e até hoje renova esperanças e tem a devoção colocada a prova. No país, o culto à Medianeira iniciou-se aqui em Santa Maria na década de 30, espalhando-se depois por todo o Rio Grande do Sul.

A primeira romaria à Medianeira aconteceu em 1930, mas apenas em 1942 ela foi considerada a padroeira do Estado, proclamada pelo Arcebispo Metropolitano Dom João Becker.

A fé pode ser vista um mês antes da romaria e é através dos voluntários que crença se mantém viva. Desde o dia 22 de outubro as tradicionais doceiras, conhecidas como “Doceiras Mãe Medianeira”, estão produzindo doces e cucas para os milhares de romeiros que vem á Santa Maria do próximo domingo (12).

Maria Inês Gaspareto, faz parte do grupo de voluntárias à 30 anos e é uma das coordenadoras do grupo. Ela conta que o grupo se mantém firme e forte há décadas,  e que algumas voluntárias estão pagando promessas, outras pedindo graças e também tem aquelas que só estão agradecendo pela vida.

A coordenadora conta que entre os doces mais comercializados estão o de batata doce e abóbora. A produção de cucas gira em torno de 1.000 a 1.200 cucas, que normalmente são vendidas todas antes do domingo de romaria. Cecília Zanini é voluntária há 50 anos e explica que começou a participar do grupo após da morte da sua mãe que sempre participou e foi uma das primeiras voluntárias da mãe Medianeira.

A comercialização dos doces começou na segunda-feira (06) e vai até o domingo de romaria. A orientação é de que quem deseja comprar doces e demais alimentos produzidos pelas voluntárias vá logo até o Parque da Medianeira, porque talvez no domingo os doces já tenham sido comercializados.

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *