Obras de arte à céu aberto estão em péssimo estado de conservação


Por Gabriela Gabbi

 

Painel externo na biblioteca pública de Santa Maria sucumbe ao desgaste do tempo e da má conservação. Foto: Aline Gonçalves/LABFEM

Dia 19 de maio de 2014, Eduardo Kobra, artista consagrado no mundo inteiro, presenteou Santa Maria com um painel na Biblioteca Pública Henrique Bastide, localizada na Avenida Presidente Vargas. Ocupando toda uma parede externa do prédio, o artista retratou a Santa Maria da década de 50. Quatro anos depois, a falta de manutenção associada às condições climáticas se somam na obra, já quase imperceptível.

A equipe da ACS entrou em contato com a Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer da prefeitura de Santa Maria para discutir o assunto.  Após algumas tentativas por telefone, a resposta veio por email, respondidas pela chefe de gabinete, Edilaine Ávila. Segundo ela, ‘’por ser uma obra externa, tem tempo de validade. Assim que assumimos a secretaria, buscamos o artista, para ver sua disponibilidade e seu orçamento para fazer um novo painel. Kobra se colocou à disposição do município encaminhando a sua proposta. Entretanto, o município, por estar passando por uma crise financeira, não tem como arcar com o valor, que é alto devido as muitas exigências deste tipo de trabalho.” Informa também que a prefeitura buscou alternativas junto à empresas locais, mas nenhuma se manifestou. “No momento em que informamos o orçamento, não tivemos empresas interessadas. Encaminhamos projeto para o Ministério da Cultura, para a revitalização do Centro Integrado de Cultura Evandro Behr, que inclui a Biblioteca e seu painel, mas o projeto não foi contemplado em 2017. Tentamos novamente neste ano. Salientamos que, devido às condições climáticas e o passar do tempo a obra foi se desgastando. Além disso, como o artista está vivo, não é possível fazer qualquer interferência na obra, sem ser pelo próprio autor’’, afirma Edilaine.

Painel em 2014, em fase de conclusão. Foto: arquivo

Localizada no Calçadão Salvador Isaía a obra ‘’O Leitor’’ de Válquiria Navarro, foi depredada em 2016 e novamente em 2018. A obra esculpida em metal, foi revestida em fibra de vidro e resina para que ficasse protegida, porém isso não foi suficiente para evitar que fosse danificada diversas vezes. Em relação à esta obra, Edilane afirma que a Guarda Municipal registrou ocorrência interna sobre o vandalismo à estátua, porém, afirma que “ela só poderá ser restaurada pela própria autora que poderá encaminhar orçamento ao município para análise”.

Estátua O leitor teve os braços quebrados por duas vezes. Foto: Aline Gonçalves/LABFEM

Questionada sobre os recursos financeiros, a  chefe de gabinete afirma que as verbas são enxutas, mas constantemente o setor busca parcerias com a iniciativa privada.
Ainda no email, informou que em agosto, no mês da Cultura, ‘’pretendemos lançar uma campanha neste sentido, para atingir especialmente os jovens em idade escolar e também a população em geral, pois a preservação dos espaços públicos e das obras de arte é de responsabilidade de todos’’.
A Equipe ACS esteve no local das obras, apurando os fatos.

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *