Duas faces sobre o viver da música em Santa Maria


Por Agência CentralSul de Notícias

 

Cantor Marcelo Demichelli apresentando seus covers no Calçadão. Foto: Allysson Marafiga

O Calçadão de Santa Maria serve como palco para muitos artistas que olharam para o local como oportunidade de reconhecimento. É o caso de Marcelo Demichelli, de 38 anos, que em novembro completará 5 anos cantando no centro da cidade.  Ele conta que faz shows instrumentais em festivais de rock, formaturas e casamentos, mas, no dia-a-dia, escolhe um repertório variado de músicas populares que tem grande reconhecimento do público adulto. “Valorizar quem faça músicas autorais e músicas com conteúdo, não só com ritmo dançante, faz um pouco de falta para que o artista ganhe reconhecimento regional e nacional”, comenta Marcelo, que consegue viver da música.

Uma outra face da música na cidade ganha destaque com artistas que estão investindo no seu trabalho autoral por meio da internet. Um exemplo é o estudante de Publicidade e Propaganda Eduardo Agostta, de 20 anos, que já possui três músicas na plataforma Spotify e pretende fazer mais um lançamento no final de setembro.

Veja abaixo o relato do cantor Eduardo Agostta sobre o início de sua carreira e o mercado musical da cidade.

Matéria produzida por Gabriela Flores Neto, na disciplina de Produção da Notícia do curso de Jornalismo da UFN.

 

Sobre o autor:

Agência CentralSul de Notícias

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *