É difícil ser mulher e falar de esporte


Por Agnes Barriles

 

Foi durante a infância que criei relação com o esporte. Dentro de casa o assunto futebol sempre foi muito presente, no entanto, nunca tive influência familiar por qual time torcer, ou por qual esporte me interessar. Percebia uma certa resistência ao falar de futebol por parte dos homens com os quais eu convivia e escutava coisas do tipo:

– O que que tu sabe? Me diz a escalação do time então!

E sem me dar conta do que realmente estava acontecendo, dizia toda a escalação da dupla Gre-Nal, como se eu tivesse que provar, principalmente, para os meus colegas de escola, que eu sabia sobre o assunto e só assim eles iriam me respeitar. Todos os dias eu buscava informações e lia sobre a temática. Me informar era uma das maneiras de mostrar que o esporte não era apenas um mero interesse, mas a minha futura profissão.

Desde o início da vida acadêmica me interessei por uma das editorias que é composta majoritariamente por homens. Não foi fácil e não é fácil. O meu lugar de fala sempre foi abafado pelos meus colegas ou homens em que discutia esporte, principalmente futebol.

No país pentacampeão mundial no futebol masculino, o respeito e o reconhecimento para o público feminino tem muito a amadurecer. A presença de mulheres no futebol, seja praticando ou comentando, ainda busca uma maior afirmação no país do futebol. E uma das maiores dificuldades, dentre tantas, é desconstruir aos poucos o machismo tão predominante na nossa cultura.

Dentro da história do futebol mundial um ponto que chama atenção é primeira edição da copa do mundo feminina, que teve início 61 anos depois início do torneio masculino.

A falta de incentivo, de apoio e o preconceito presente na sociedade, vindos da cultura machista construída ao decorrer das décadas dificulta a vida de inúmeras mulheres que buscam seguir a carreira profissional dentro do futebol e de tantos outros esportes.

No Brasil,  a falta de visibilidade e patrocínio prejudicam o crescimento do futebol feminino. Sem falar na desigualdade de gênero presente no esporte e no jornalismo esportivo. Não será de um dia para o outro que o preconceito vai acabar, mas diariamente a luta por espaço e reconhecimento ajudam a desconstruir a ideia machista de que mulheres não podem gostar, praticar ou comentar esportes.

Um fato curioso e triste ao mesmo tempo aconteceu nas Olimpíadas de Londres, em 2012, ano em que pela primeira vez na história tivemos a participação de mulheres em todas as modalidades olímpicas.
As mulheres são diminuídas, criticadas, questionadas e suas opiniões e conhecimentos são colocados à prova diariamente. A união e a sororidade dentro do esporte sustentam a luta por igualdade de espaço, de fala e de direitos.

Meu interesse pelo esporte não diminui a cada questionamento ou preconceito que sofro, seja como jornalista ou torcedora, mas sim, aumenta cada vez mais. É claro que as brincadeiras e piadinhas que nos diminuem incomodam e causam repulsa por desconhecidos, colegas e até amigos. No entanto, precisamos cada vez mais refletir e debater dentro da sociedade o machismo e a conduta de inúmeros jornalistas e atletas que tentam esconder por trás de suas imagens a desigualdade de gênero presente em suas falas e atitudes.

É difícil ser mulher, em todas as esferas da sociedade, é difícil ser mulher no esporte, é difícil ser mulher no jornalismo esportivo.

As equipes femininas precisam de espaço apropriado para treinar e desenvolverem seus trabalhos. O futebol feminino precisa de uniformes específicos e feitos sob medida para elas e não ficar com os restos dos times masculinos. As mulheres precisam de salários equivalentes aos homens para se manter e viver do esporte.

E foi pensando nisso que a Nike apresentou na última quinta-feira (14) em São Paulo, em um evento no Estádio do Pacaembu, um uniforme completo, desenvolvido especialmente para a seleção feminina de futebol…pela primeira vez na história. E além disso, a marca mostrou que se preocupa com o público feminino e anunciou suas principais iniciativas para romper barreiras e elevar o desenvolvimento do futebol feminino no Brasil.

O projeto chamado Nike Futebol Clube, idealizado pela marca esportiva irá reunir jogadoras amadoras de futebol com três encontros semanais no Parque do Ibirapuera, com jogos e treinos para as atletas e amantes do esporte. E uma vez por mês, a empresa usará o Pacaembu para fazer a ação. O projeto é gratuito, todas estão convidadas e as inscrições poderão ser feitas através do site Nike.com/SP.

A iniciativa tem como sede a cidade de São Paulo, mas em todo o país mulheres praticam o esporte e lutam por espaço e igualdade. Esperamos que este seja o pontapé inicial para o crescimento do futebol feminino no país, junto do apoio de grandes empresas para a difusão do esporte no Brasil.

Agnes Barriles é jornalista egressa da UFN. Foi monitora e repórter da Agência Central Sul durante a graduação e atuou no MULTIJOR. Tem o jornalismo esportivo como referência em pesquisas e reportagens desenvolvidas. É engajada com causas sociais e busca dar espaço e visibilidade às minorias.

 

Wander Schlottfeldt é acadêmico de jornalismo na Universidade Franciscana e tem um talento nato para a charge! É dele a ilustração do texto de hoje.

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *