Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Dia para lembrar da sogra

André veber fala que apesar das brincadeiras, ama a sogra. Foto: Viviane Campos.- Laboratório de Fotografia e Memória.
André Veber, estudante de Psicologia, fala que apesar das brincadeiras, ama a sogra (Foto: Viviane Campos/ Laboratório de Fotografia e Memória)

No dia 28 de abril é comemorado o O Dia da sogra. Considerada segunda mãe por uns e não tão amada por outros, ela faz parte da vida dos casados. Muitas vezes, à mesa, a sogra é o assunto principal, seja para falar da relação boa ou conturbada, para lembrar de histórias que aconteceram ou para fazer piadas.

Muitos livros, músicas e peças humorísticas já foram criadas para elas, sendo até mesmo uma forma de homenageá-las.Um exemplo é “Como enlouquecer a sua sogra”, de Andrey do Amaral. A obra oferece dicas de como melhorar a convivência com ela, tornando o dia-a-dia mais divertido.

Para alguns acadêmicos do Centro Universitário Franciscano, a “sogra” é uma pessoa fundamental, que, muitas vezes, bajula, cuida como se fosse uma mãe. Para outros, a relação não é tão fácil assim.

Bruna Souza, 27 anos, acadêmica do 3º semestre de Odontologia, conta que a sogra representa uma segunda mãe, uma pessoa que se preocupa com ela. Kelli Tielking,18 anos, também do 3º semestre de Odontologia, acredita que sogra é um anjo.” A minha me aceitou como uma filha. Apesar da distância, eu a amo ela”, conta Kelli, que namora um menino do Rio de Janeiro. Já André Veber, do curso do 4º semestre de psicologia, comenta que, apesar de se ter toda essa brincadeira em volta do mito da sogra, “ela é uma pessoa que está ativa na vida da gente”, lembra da sobre Andreia.

Em contrapartida, as sogras ficam felizes ao receberem homenagens e ligações nesse dia. Mas, para algumas, é como um dia qualquer. ” É o dia que em as noras e genros puxam o saco da sogra”, diz Adriana Saicoski, 42 anos, consultora e digitadora. E Rosi Machado, 52 anos, escrevente de cartório, fala que há 7 anos o seu genro a liga nesse dia para felicitá-la. “Eu adoro meu genro”, conta.

 

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

André veber fala que apesar das brincadeiras, ama a sogra. Foto: Viviane Campos.- Laboratório de Fotografia e Memória.
André Veber, estudante de Psicologia, fala que apesar das brincadeiras, ama a sogra (Foto: Viviane Campos/ Laboratório de Fotografia e Memória)

No dia 28 de abril é comemorado o O Dia da sogra. Considerada segunda mãe por uns e não tão amada por outros, ela faz parte da vida dos casados. Muitas vezes, à mesa, a sogra é o assunto principal, seja para falar da relação boa ou conturbada, para lembrar de histórias que aconteceram ou para fazer piadas.

Muitos livros, músicas e peças humorísticas já foram criadas para elas, sendo até mesmo uma forma de homenageá-las.Um exemplo é “Como enlouquecer a sua sogra”, de Andrey do Amaral. A obra oferece dicas de como melhorar a convivência com ela, tornando o dia-a-dia mais divertido.

Para alguns acadêmicos do Centro Universitário Franciscano, a “sogra” é uma pessoa fundamental, que, muitas vezes, bajula, cuida como se fosse uma mãe. Para outros, a relação não é tão fácil assim.

Bruna Souza, 27 anos, acadêmica do 3º semestre de Odontologia, conta que a sogra representa uma segunda mãe, uma pessoa que se preocupa com ela. Kelli Tielking,18 anos, também do 3º semestre de Odontologia, acredita que sogra é um anjo.” A minha me aceitou como uma filha. Apesar da distância, eu a amo ela”, conta Kelli, que namora um menino do Rio de Janeiro. Já André Veber, do curso do 4º semestre de psicologia, comenta que, apesar de se ter toda essa brincadeira em volta do mito da sogra, “ela é uma pessoa que está ativa na vida da gente”, lembra da sobre Andreia.

Em contrapartida, as sogras ficam felizes ao receberem homenagens e ligações nesse dia. Mas, para algumas, é como um dia qualquer. ” É o dia que em as noras e genros puxam o saco da sogra”, diz Adriana Saicoski, 42 anos, consultora e digitadora. E Rosi Machado, 52 anos, escrevente de cartório, fala que há 7 anos o seu genro a liga nesse dia para felicitá-la. “Eu adoro meu genro”, conta.