Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Projeto de Lei que define ‘família’ divide opiniões

Foto: Lula Marques / Fotos Públicas
Sessão tumultuada por manifestantes contrários à definição de família como sendo formada a partir da união entre um homem e uma mulher (Foto: Lula Marques / Fotos Públicas)

Na semana anterior, foi aprovado, pela Comissão Especial do Estatuto da Família,o texto principal do Projeto de lei 6583/13, de autoria do relator deputado Diego Garcia (PHS-PR), que define a família como a união entre homem e mulher. O projeto foi aprovado com 17 votos a favor e cinco contrários.

A discussão em torno do projeto, criado pelo deputado Anderson Ferreira (PR-PE), na Câmara dos Deputados, durou quase cinco horas. Em meio a protestos, muitos alegam que a lei, se aprovada, poderá prejudicar muitas famílias. De acordo com o Artigo 2º do projeto de lei, “define-se entidade familiar como o núcleo social formado a partir da união entre um homem e uma mulher; por meio de casamento ou união estável, ou ainda por comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes”.

A visão defendida por quem protestava durante a sessão é também sustentada pela advogada e mestre em docência Venesa Teixeira. “Penso que a lei, se aprovada, irá ser objeto de ação de inconstitucionalidade ainda durante o processo legislativo. É muito importante que se saiba que a Constituição Federal (CF), que é a nossa Carta Maior – conjunto de leis mais importantes do país – contém princípios fundamentais que devem ser seguidos, dentre eles a não discriminação de qualquer natureza, a igualdade de direitos, e, em especial, e um dos mais importantes, a dignidade da pessoa humana”, comenta a advogada.

Já a estudante de Direito da Faculdade Metodista de Santa Maria (Fames) e líder do Ministério da Família da igreja Templo das Nações de Santa Maria, Jenifer Candaten, é a favor do conceito de família aprovado na votação. “Desde o princípio, tenho o entendimento que a família só pode ser gerada através da união de um homem e uma mulher, pois, segundo meus princípios, ao quais são bíblicos, Deus fez o homem para unir-se à mulher e assim se multiplicarem”, afirma Jenifer. Para a estudante, a lei não exclui outros tipos de família, que não são mencionados no projeto e sim valoriza a criação da família a partir do homem e da mulher. “A lei não discrimina nenhum outro tipo de família a ser criada, apenas acentua a verdade dos fatos desde o princípio. E não falo só do ponto cristã que tenho. A sociedade em si sempre teve este critério: que família é criada através de um homem e mulher”, complementa.

“Acredito que esta lei só está sendo repercutida nas redes sociais porque o mundo anda querendo alterar a ordem das coisas”

Para a evangélica Jenifer Candaten, o projeto de lei dividiu opiniões na internet pela mudança cultural da sociedade. “A união de um homem com outro homem não gera família. Isso é uma escolha sexual. Não critico nem apedrejo ninguém que resolveu viver assim, pois vivemos em um Estado democrático”, argumenta a líder do Ministério da Família da igreja Templo das Nações.

Contudo, de acordo com a advogada Venesa Teixeira, o projeto de lei em andamento fere a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que assegura questões sobre o casamento gay e adoção de filhos. “Antes dessa comissão especial da Câmara Federal ter “pré-aprovado” esse projeto, porque afinal o STF só decide com base na CF, por lógica, se já está decidido que gays podem constituir famílias, por definição de amor, afeto, homoafetividade. Como é que se criará uma lei federal definindo o que já está definido? É como se eles (os deputados) estivessem atrasados em definir um conceito que na prática o Supremo já definiu”, completa Venesa.

Em relação à criação de filhos, Jenifer defende que a falta de estrutura na família leva a problemas emocionais nos filhos. “No caso em que crianças são criadas sem a presença de um pai ou de uma mãe, sempre acarreta algum problema emocional. Conheço pessoas que tiveram apenas a ausência de um dos pais e já acarretou um grande estrago emocional. Também se você conversar com algumas pessoas homossexuais, uma das razões de escolha por optar em se relacionar com o mesmo sexo é o fato da carência afetiva de um dos pais. Estudos psicológicos comprovam isso”, afirma. Para ela, a importância de defender esse conceito de família é, principalmente, lutar pelas crianças que são as que mais sofrem dentro de um núcleo familiar, que, no ponto de vista dela, é desestabilizado.

Segundo Venesa, se a lei entrar em vigor, afetará diversos fatores das famílias que não se encaixam no conceito definido. “Além da clara motivação preconceituosa sobre os homossexuais e também parentes que fazem o papel de pais, no nosso país existe uma série de regulamentos, portarias que seguem um texto específico que regulamentam a organização de cada autarquia, instituição pública, etc. Por exemplo, herança, plano de saúde, direitos sobre pensões junto ao INSS, programas sociais em geral, alguns tipos de financiamentos, programas educacionais envolvendo a família, tudo se poderia favorecer a discriminação na hora de conceder um benefício”, finaliza.

O projeto de lei poderá ser votado no plenário da Câmara, se os deputados que votaram contra entrarem com recurso, antes de seguir para votação no Senado.

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Foto: Lula Marques / Fotos Públicas
Sessão tumultuada por manifestantes contrários à definição de família como sendo formada a partir da união entre um homem e uma mulher (Foto: Lula Marques / Fotos Públicas)

Na semana anterior, foi aprovado, pela Comissão Especial do Estatuto da Família,o texto principal do Projeto de lei 6583/13, de autoria do relator deputado Diego Garcia (PHS-PR), que define a família como a união entre homem e mulher. O projeto foi aprovado com 17 votos a favor e cinco contrários.

A discussão em torno do projeto, criado pelo deputado Anderson Ferreira (PR-PE), na Câmara dos Deputados, durou quase cinco horas. Em meio a protestos, muitos alegam que a lei, se aprovada, poderá prejudicar muitas famílias. De acordo com o Artigo 2º do projeto de lei, “define-se entidade familiar como o núcleo social formado a partir da união entre um homem e uma mulher; por meio de casamento ou união estável, ou ainda por comunidade formada por qualquer dos pais e seus descendentes”.

A visão defendida por quem protestava durante a sessão é também sustentada pela advogada e mestre em docência Venesa Teixeira. “Penso que a lei, se aprovada, irá ser objeto de ação de inconstitucionalidade ainda durante o processo legislativo. É muito importante que se saiba que a Constituição Federal (CF), que é a nossa Carta Maior – conjunto de leis mais importantes do país – contém princípios fundamentais que devem ser seguidos, dentre eles a não discriminação de qualquer natureza, a igualdade de direitos, e, em especial, e um dos mais importantes, a dignidade da pessoa humana”, comenta a advogada.

Já a estudante de Direito da Faculdade Metodista de Santa Maria (Fames) e líder do Ministério da Família da igreja Templo das Nações de Santa Maria, Jenifer Candaten, é a favor do conceito de família aprovado na votação. “Desde o princípio, tenho o entendimento que a família só pode ser gerada através da união de um homem e uma mulher, pois, segundo meus princípios, ao quais são bíblicos, Deus fez o homem para unir-se à mulher e assim se multiplicarem”, afirma Jenifer. Para a estudante, a lei não exclui outros tipos de família, que não são mencionados no projeto e sim valoriza a criação da família a partir do homem e da mulher. “A lei não discrimina nenhum outro tipo de família a ser criada, apenas acentua a verdade dos fatos desde o princípio. E não falo só do ponto cristã que tenho. A sociedade em si sempre teve este critério: que família é criada através de um homem e mulher”, complementa.

“Acredito que esta lei só está sendo repercutida nas redes sociais porque o mundo anda querendo alterar a ordem das coisas”

Para a evangélica Jenifer Candaten, o projeto de lei dividiu opiniões na internet pela mudança cultural da sociedade. “A união de um homem com outro homem não gera família. Isso é uma escolha sexual. Não critico nem apedrejo ninguém que resolveu viver assim, pois vivemos em um Estado democrático”, argumenta a líder do Ministério da Família da igreja Templo das Nações.

Contudo, de acordo com a advogada Venesa Teixeira, o projeto de lei em andamento fere a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que assegura questões sobre o casamento gay e adoção de filhos. “Antes dessa comissão especial da Câmara Federal ter “pré-aprovado” esse projeto, porque afinal o STF só decide com base na CF, por lógica, se já está decidido que gays podem constituir famílias, por definição de amor, afeto, homoafetividade. Como é que se criará uma lei federal definindo o que já está definido? É como se eles (os deputados) estivessem atrasados em definir um conceito que na prática o Supremo já definiu”, completa Venesa.

Em relação à criação de filhos, Jenifer defende que a falta de estrutura na família leva a problemas emocionais nos filhos. “No caso em que crianças são criadas sem a presença de um pai ou de uma mãe, sempre acarreta algum problema emocional. Conheço pessoas que tiveram apenas a ausência de um dos pais e já acarretou um grande estrago emocional. Também se você conversar com algumas pessoas homossexuais, uma das razões de escolha por optar em se relacionar com o mesmo sexo é o fato da carência afetiva de um dos pais. Estudos psicológicos comprovam isso”, afirma. Para ela, a importância de defender esse conceito de família é, principalmente, lutar pelas crianças que são as que mais sofrem dentro de um núcleo familiar, que, no ponto de vista dela, é desestabilizado.

Segundo Venesa, se a lei entrar em vigor, afetará diversos fatores das famílias que não se encaixam no conceito definido. “Além da clara motivação preconceituosa sobre os homossexuais e também parentes que fazem o papel de pais, no nosso país existe uma série de regulamentos, portarias que seguem um texto específico que regulamentam a organização de cada autarquia, instituição pública, etc. Por exemplo, herança, plano de saúde, direitos sobre pensões junto ao INSS, programas sociais em geral, alguns tipos de financiamentos, programas educacionais envolvendo a família, tudo se poderia favorecer a discriminação na hora de conceder um benefício”, finaliza.

O projeto de lei poderá ser votado no plenário da Câmara, se os deputados que votaram contra entrarem com recurso, antes de seguir para votação no Senado.