Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

Esporte

Atletas de futsal não poderão jogar as próximas partidas do campeonato estadual

Associação Caçapavana de Futsal alega que não há cláusula que proíba meninas de jogarem o campeonato

As jovens Marilia Valmarath, 14 anos, e Maria Luisa Dias, 13, foram impedidas de jogar os próximos jogos do campeonato estadual de futsal sub-15 do Rio Grande do Sul. Elas são jogadoras da Associação Caçapavana de Futsal (ACF), equipe de Caçapava do Sul, interior do RS. A ACF recebeu a notícia de maneira informal, do representante da Liga Gaúcha de Futsal, dizendo que as meninas não poderiam jogar. Como medida de precaução, a escola decidiu afastar as atletas e agora aguarda um pronunciamento oficial para então fazer a apelação.

Manifestação em prol das atletas. Imagem: Farrapo

Seguindo o regulamento da organização, as inscrições foram efetuadas e elas participaram de sete rodadas da competição , pois não havia cláusula proibindo a participação de meninas. Foi então que o representante da liga entrou em contato com a ACF e informou que não seria mais possível a participação das jovens nos próximos jogos.   

Nilberto Barbosa, vice-presidente da ACF, conta que: “Recebemos um contato informal do representante da Liga Gaúcha informando que as meninas não podiam jogar o Gaúchão Sub-15 de Futsal por se tratar de um campeonato apenas masculino, o que nos pegou de surpresa, pois a própria liga recebeu os documentos de inscrição das meninas e as liberam para jogar no BID da competição, e assim escalamos elas nas 7 rodadas que foram realizadas até então. Assim, aguardamos se haverá alguma formalização referente ao impedimento das meninas em jogar, o que ainda não ocorreu”. Caso a decisão formal seja negativa à volta das atletas a Associação pretende recorrer pois: “quem autorizou elas a jogarem até aqui foi a própria liga, revisaram os documentos e viram que eram meninas e as liberaram”, afirma Barbosa.

Foi então que indignação tomou conta das famílias, amigos e colegas das atletas. A campanha “Lugar de mulher é onde ela quiser” tomou conta dos grupos de Whatsapp, Facebook e Instagram.

A Associação apoia as manifestações, “achamos válido, pois acreditamos que se não há competição feminina na idade sub-15 elas não podem ser impedidas de jogar na masculina. A ressalva que fizemos é que não recebemos de forma oficial o impeditivo, apenas afastamos as meninas de forma preventiva”, Barbosa.

Marília Valmarath tem 14 anos, é estudante do 9º ano do ensino fundamental e joga de ala da ACF. A atleta conta que, “me senti bem mal (com a proibição) pois eu estava me esforçando bastante e treinando muito para eu jogar”. A jovem espera que possa continuar jogando, “estou botando bastante expectativas nisso”. Ela conta que sentiu-se muito feliz perante as manifestações e acolhida da comunidade.

Marilia Valmarath, atleta da ACF. Imagem: arquivo pessoal.

Maria Luisa Dias tem 13 anos, é estudante do 8º ano do ensino fundamental e é goleira da ACF. A jovem ficou muito chateada com a decisão: “eu iria jogar um pouco na próxima partida e aí aconteceu tudo isso”. “Teve um grande movimento não só das mulheres mas como dos homens também, fizeram uma camiseta e estão fazendo uma campanha”, relata a jovem. Suas expectativas são que a Liga reconheça o erro e que ela e Marilia voltem a jogar o campeonato.

Maria Luisa Dias, atleta da ACF. Imagem: arquivo pessoal.

Tentamos entrar em contato com a Liga Gaúcha de Futsal, porém não houve resposta.

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

As jovens Marilia Valmarath, 14 anos, e Maria Luisa Dias, 13, foram impedidas de jogar os próximos jogos do campeonato estadual de futsal sub-15 do Rio Grande do Sul. Elas são jogadoras da Associação Caçapavana de Futsal (ACF), equipe de Caçapava do Sul, interior do RS. A ACF recebeu a notícia de maneira informal, do representante da Liga Gaúcha de Futsal, dizendo que as meninas não poderiam jogar. Como medida de precaução, a escola decidiu afastar as atletas e agora aguarda um pronunciamento oficial para então fazer a apelação.

Manifestação em prol das atletas. Imagem: Farrapo

Seguindo o regulamento da organização, as inscrições foram efetuadas e elas participaram de sete rodadas da competição , pois não havia cláusula proibindo a participação de meninas. Foi então que o representante da liga entrou em contato com a ACF e informou que não seria mais possível a participação das jovens nos próximos jogos.   

Nilberto Barbosa, vice-presidente da ACF, conta que: “Recebemos um contato informal do representante da Liga Gaúcha informando que as meninas não podiam jogar o Gaúchão Sub-15 de Futsal por se tratar de um campeonato apenas masculino, o que nos pegou de surpresa, pois a própria liga recebeu os documentos de inscrição das meninas e as liberam para jogar no BID da competição, e assim escalamos elas nas 7 rodadas que foram realizadas até então. Assim, aguardamos se haverá alguma formalização referente ao impedimento das meninas em jogar, o que ainda não ocorreu”. Caso a decisão formal seja negativa à volta das atletas a Associação pretende recorrer pois: “quem autorizou elas a jogarem até aqui foi a própria liga, revisaram os documentos e viram que eram meninas e as liberaram”, afirma Barbosa.

Foi então que indignação tomou conta das famílias, amigos e colegas das atletas. A campanha “Lugar de mulher é onde ela quiser” tomou conta dos grupos de Whatsapp, Facebook e Instagram.

A Associação apoia as manifestações, “achamos válido, pois acreditamos que se não há competição feminina na idade sub-15 elas não podem ser impedidas de jogar na masculina. A ressalva que fizemos é que não recebemos de forma oficial o impeditivo, apenas afastamos as meninas de forma preventiva”, Barbosa.

Marília Valmarath tem 14 anos, é estudante do 9º ano do ensino fundamental e joga de ala da ACF. A atleta conta que, “me senti bem mal (com a proibição) pois eu estava me esforçando bastante e treinando muito para eu jogar”. A jovem espera que possa continuar jogando, “estou botando bastante expectativas nisso”. Ela conta que sentiu-se muito feliz perante as manifestações e acolhida da comunidade.

Marilia Valmarath, atleta da ACF. Imagem: arquivo pessoal.

Maria Luisa Dias tem 13 anos, é estudante do 8º ano do ensino fundamental e é goleira da ACF. A jovem ficou muito chateada com a decisão: “eu iria jogar um pouco na próxima partida e aí aconteceu tudo isso”. “Teve um grande movimento não só das mulheres mas como dos homens também, fizeram uma camiseta e estão fazendo uma campanha”, relata a jovem. Suas expectativas são que a Liga reconheça o erro e que ela e Marilia voltem a jogar o campeonato.

Maria Luisa Dias, atleta da ACF. Imagem: arquivo pessoal.

Tentamos entrar em contato com a Liga Gaúcha de Futsal, porém não houve resposta.