Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

TODAS AS PUBLICAÇÕES DE:

Luiza Silveira

Luiza Silveira

No fim de julho os alunos dos cursos de Jornalismo, Publicidade e Propaganda, Design de Moda e Psicologia participaram de excursão para o Rio de Janeiro, com o objetivo de fazer com que os acadêmicos conhecessem a estrutura da Rede Globo e também vivenciassem a gravação de um programa de televisão. A viagem contou com quatro dias no Rio e os estudantes participaram de uma visita técnica aos estúdios da Rede Globo, fizeram parte da gravação do programa “Pipoca da Ivete” e também realizaram um tour pela cidade.

Durante a visita técnica nos estúdios da Rede Globo os estudantes tiveram a oportunidade de ver como são produzidos os efeitos especiais da emissora. Foto: Dandara Mariah

 De acordo com a professora do curso de Publicidade e Propaganda, Cristina Jobim, “é muito importante para os acadêmicos ter conhecimento do mercado, de como funciona, de como vai se desenvolver o trabalho na área de comunicação, tanto Publicidade e Propaganda, quanto Jornalismo. Então do ponto de vista profissional, visualizar como os profissionais da área trabalham, principalmente em uma grande empresa como a Globo, é fundamental. É muito mais que uma aula prática, é uma experiência que eles têm junto ao setor”. Para ela, a viagem também proporcionou experiências positivas na vida pessoal dos estudantes, “além de ir na Globo, eles puderam conviver entre eles, se conhecer melhor, se integrar, se divertir juntos. Também tiveram acesso a pontos turísticos, a museus e uma série de outras coisas que o Rio de Janeiro oferece”.

Os acadêmicos participaram como plateia no programa “Pipoca da Ivete”. Foto: Stephanie Baccarin

O acadêmico do 6º semestre de Jornalismo, Lucas Acosta, viu a viagem como uma oportunidade única de conhecer a maior emissora do país e entender como são feitas muitas coisas que vemos só pela televisão. Para ele, “é um lugar que talvez todo futuro jornalista gostaria de trabalhar no futuro, então conhecer esse local é como se fosse um sonho”. O estudante conta que “foi uma experiência riquíssima, porque poucos tem a oportunidade de conhecer o lugar que fomos e nós estivemos lá. É tudo muito surreal, é um lugar gigantesco, muito bem cuidado, muito bem organizado, com isso conseguimos ver a razão pela qual a Globo é a principal emissora do país disparado”. Para o acadêmico, a parte de conhecer os bastidores foi a mais interessante, “já que pela televisão vemos tudo montado e não sabemos como funcionam as coisas por trás disso. Entender como são feitos os cenários, as comidas cenográficas e conhecer a cidade cenográfica, pra mim foi a parte mais interessante da visita”, conclui ele.

Para a acadêmica do 2º semestre de Jornalismo, Vitória Oliveira, a viagem foi uma experiência única. Ela conta que não se pode perder uma oportunidade de aprender como funcionam os programas de perto e ver o funcionamento deles, desde os erros até os acertos. Os bastidores interessaram a estudante, “pude vivenciar desde cenários sendo trocados em minutos até partes que não passaram no programa editado. Conhecer a cidade cenográfica e ver como são feitas as estruturas foram minhas partes favoritas”, relata Vitória.

Os alunos também participaram de um tour pelos pontos turísticos da cidade, acompanhados pelas guias Michele Monteiro e Cláudia Ferreira. Michele trabalha com turismo há oito anos e para ela a presença de um guia “é fundamental para quem não conhece a cidade, temos muito a oferecer em relação a informações e atrativos e também passamos mais segurança durante o tour”. Para a guia, trabalhar com o turismo é uma troca, “eu amo conhecer histórias de pessoas do mundo todo”, conclui ela.

O estudante Hercules Hendges, que está no 6º semestre de Publicidade e Propaganda, tinha muita curiosidade de saber como funcionam os estúdios da Globo e queria muito conhecer a cidade. Para ele foi incrível conhecer o Rio e o Projac da Globo, Ele conta que  “os pontos turísticos foram sem dúvidas a melhor parte da viagem, me diverti e tirei muitas fotos”. Lauren Cavalheiro, também do 6º semestre de Publicidade e Propaganda, queria participar da excursão desde antes da pandemia, por conta de colegas que já participaram e comentaram que foi uma experiência maravilhosa. Para Lauren, foi uma viagem que proporcionou novas vivências, conhecer o Projac, como funcionam as gravações, a parte técnica e o tour pela cidade foi incrível.

Os acadêmicos durante a visita ao Pão de Açúcar, um dos principais pontos turísticos do Rio de Janeiro. Foto: Michele Monteiro

A acadêmica do 4º semestre de Psicologia, Juliana Camejo, sempre teve vontade de conhecer o Rio e viu  a viagem como uma oportunidade única, ela conta que a viagem proporcionou experiências que não seriam possíveis se não estivesse ido com o curso. Para ela, a viagem foi incrível, “nos proporcionou inúmeras vivências, desde ver de perto como é a gravação de um programa, conhecer a parte técnica de tudo por trás das grandes produções”. Sua parte favorita foi conhecer os pontos turísticos, “foi ali que senti que realmente estava no Rio de Janeiro, além de ter conhecido pessoas que se não fosse a viagem não teria essa proximidade”, completa Juliana.

As estudantes Julia Buttignol e Eduarda Ramos, do 3º e 8º semestre de Publicidade e Propaganda, contam que a experiência foi ótima. Para Julia, poder conhecer os  bastidores da emissora, ver como tudo funciona e a quantidade de pessoas que é preciso para que um programa vá ao ar foi uma grande oportunidade. “Conhecer as maravilhas do Rio de Janeiro também foi perfeito, além de ter conhecido e me aproximado de novas pessoas”, completa a acadêmica. Eduarda conta que foi motivada por poder entender melhor e ver de perto a parte técnica de grandes produções e para conhecer a cidade, “foi ótimo poder visitar os estúdios e bastidores da maior emissora do país, principalmente para a gente da comunicação, conhecer novos lugares, pessoas e diferentes culturas é uma grande oportunidade”, diz a estudante. Para elas, o que mais gostaram da excursão foi o tour pela cidade, “foi onde pude conhecer realmente mais da cidade apresentada por nossa guia maravilhosa, me diverti e criei um grupo incrível”, conclui Julia.

A escolha do destino da viagem foi por conta da presença dos estúdios Globo no local. A professora, Cristina Jobim, conta que:  “Temos a intenção de viajar a São Paulo também, ainda esse ano, para conhecer os Estúdios Globo de lá e outros museus e atividades culturais. Mas o Rio de Janeiro é escolhido por esse canal que a gente tem com a Rede Globo”.

Colaboração: Vitória Oliveira

O mês de julho é marcado pelo período das férias escolares. Durante aproximadamente 15 dias crianças e adolescentes podem aproveitar do tempo livre com opções de entretenimento disponíveis em Santa Maria. 

O Shopping Praça Nova promove a Campanha Passaporte da Diversão que propõe uma rota de lazer no local, entre os dias 05 e 31 de julho, trazendo brindes e oficinas para as crianças.

 O passaporte pode ser adquirido gratuitamente pelos visitantes no Espaço Família, próximo à Praça de Alimentação. As retiradas podem ser feitas de segunda a sábado, das 10h às 22h, e domingos, das 11h às 22h, ou diretamente nas nove lojas participantes da ação.  

Para o participante receber o brinde é preciso completar cinco selos no passaporte até o fim do mês. Eles podem ser obtidos após a participação do cliente em uma das lojas que participam da campanha:  Hyperbox, Aventura Kids Carros e Dinos, Boliche Sports Bar, Tridoo, Zig Zag Play, Ranger, Cinépolis, Mundo dos Blocos.

Para Heliane Simones, superintendente do Praça Nova, “somos comprometidos com a nossa comunidade, por isso propomos uma série de atividades de lazer para as crianças aproveitarem as férias escolares com muita alegria e diversão num ambiente que acolhe toda a família”. 

A programação de férias do Praça Nova também possui oficinas gratuitas para o público infantil. Oficinas de Culinária com o programa Mesa Brasil SESC, no dia 15 de julho, para crianças de até nove anos. Oficinas de Robótica (para crianças de sete a 14 anos) e de Contação de histórias interativa em inglês com o Código Kids e Study English (até 10 anos) nos dias: 22 e 23 de julho, ás 15 h, 16h e 17h.

 Elas são realizadas no Praça Palco com vagas limitadas. As inscrições devem ser realizadas no site do Shopping. As oficinas de culinária recebem doações de 1kg de alimento ou 1 litro de leite como forma de inscrição no dia do evento.

No Royal Plaza Shopping o público infantil pode contar com a Montanha-Russa Zoo, Aventura Kids, Arcoplex Cinemas, Espaço Kids, Cine 6D, o espaço de entretenimento infanto-juvenil TriDoo e, a partir dos 12 anos, stand de tiros na Loja Ranger.

O Theatro Treze de Maio promove o Carrossel Cultural Férias Divertidas. O projeto tem como objetivo de realizar espetáculos teatrais infantis, ampliando o acesso das crianças à a arte e a cultura. O programação conta com cinco dias de apresentações com classificação livre e entrada franca. O planejamento tem realização de Angélica Silva e financiamento de Lei de Incentivo à Cultura de Santa Maria.

Emília e Dom Quixote no Theatro.  Foto: Ronald Mendes

Programação do Theatro:

CLOWNFUSÃO no dia 26 de julho – 15h e 18h

 A palhaformance “ClownFusão – O Poder Subversivo do Sistema Capitalhaço” é uma apresentação circense de palhaçaria em que os palhaços disponibilizam para o público um cardápio de opções a serem adquiridos e degustados/apreciados. No menu contamos com sabores de diferentes técnicas circenses como roda cyr, malabares, acrobacia, mágica, monociclo, entre outras surpresas. Tudo temperado com o bom e velho sabor da linguagem do palhaço. 

A TARTARUGUINHA QUE PERDEU O CASCO dia 27 de julho – 15h e 18h

 A peça é uma adaptação de um livro infantil que conta a jornada de uma tartaruga que perdeu seu casco e encontra vários amigos durante a busca por algo que possa ajudá-la. Uma linda história sobre amizade, solidariedade e doação de órgãos. 

A CALIGRAFIA DE DONA SOFIA  no dia 28 de julho – 15h e 18h

Lá do alto da colina, Dona Sofia, uma professora aposentada, busca entender qual o seu lugar no mundo e acompanhada de Seu Ananias, o carteiro mais simpático do vilarejo e das fadas poéticas Léa, Lia e Cléa adentra numa aventura poeticamente linda, cheia de emoção e magia. “A beleza-espoleta que passa sem que olho possa perceber. Ninguém sabe qual é sua graça. É só o poeta que vê”. 

 AS HISTÓRIAS DO VÔ VENÂNCIO dia 29 de julho – 15h

Vô Venâncio é um personagem tipicamente gaúcho que, junto com sua neta Feliciana e seus dois amigos músicos, visita Feiras do Livro, escolas, espaços públicos e eventos de vários locais para proporcionar a criançada um divertido e inusitado momento cultural através de suas histórias e causos. A criança participa ativamente da história, podendo ela mesma ser um dos personagens, como chapeuzinho vermelho, lobo mau, cacique, Imembuí, entre outros. 

TREM MARAVILHA no dia 29 de julho  – 18h

 Trem Maravilha era uma famosa banda infantil dos anos 80. Após mais de 20 anos, eles se reúnem para relembrar os anos dourados da banda e tocar…uma última vez!! Através do repertório, uma nostalgia para os pais e uma descoberta para as crianças! 

O curta-metragem “Sinais” recebeu menção honrosa na 5ª edição do Festival Universitário de Cinema e Audiovisual Assimetria. A premiação é realizada pela UFSM e UFSC e aceita produções audiovisuais universitárias realizadas no intervalo de dois anos de instituições de ensino superior da região sul do Brasil, Argentina, Uruguai, Paraguai e Chile.

“Sinais” foi produzido no primeiro semeste de 2021 por alunos da disciplina de Cinema II do Curso de Jornalismo da UFN, orientados pela professora Neli Mombelli. Com direção de Denzel Valiente e roteiro de Lavignea Witt, o curta retrata uma cena frequente no período de pandemia: aulas de graduação no formato online. Também expõem cenas de violência domiciliar,  visibilizando detalhes de comportamentos que podem revelar pedidos de ajuda, que acabaram sendo silenciados no período de distanciamento social.

A acadêmica Lavignea Witt conta sua inspiração para o roteiro: “Escrevi a história do curta bem em meio ao período mais crítico da pandemia, quando as produções audiovisuais estavam em alta na internet. A minha inspiração partiu disso, de um vídeo publicitário que falava sobre violência doméstica contra a mulher na quarentena, produzido pelo Instituto Maria da Penha. Na história, a mulher acaba conseguindo se salvar e denunciar o agressor com a ajuda dos seus amigos, mas eu quis mostrar a outra face da violência, que é quando a mulher sofre o feminicidio. Então criei a história de uma estudante que sofre violência e que infelizmente morre por não ter tido suporte naquela situação. Os índices de violência contra a mulher estão cada vez mais altos no Brasil e isso entrou ainda mais em evidência nesse período. Por isso eu, como mulher, gostaria de impactar as pessoas abordando esse assunto”.  Por tratar de um tema delicado, durante a produção do roteiro a aluna pensou em deixar cenas subentendidas. “Não queria dar a entender nenhum aspecto de como ocorreu a violência que levou a morte, apenas impactar. Então gravamos todas as cenas durante as aulas normalmente e na última (cena) todos lamentam o que ocorreu com a Luisa”, conta ela.

A professora da disciplina, Neli Mombelli, explica que produzir um curta-metragem de ficção no curso de Jornalismo “é a possibilidade de exercitar uma forma diferente de contar histórias, de construção narrativa, que é a base de todo bom jornalismo e que busca profundidade”. Ela também conta que os temas dos curtas retratam questões atuais e que são consideradas pautas no ponto de vista do jornalismo: “No caso do Sinais, que aborda a saúde mental e relacionamentos em meio à pandemia, mas que também poderia ocorrer antes mesmo da pandemia”. 

A orientadora relata que “produzir o curta permite aos alunos compreender como se estrutura uma produção audiovisual com equipe grande em que cada um tem uma função técnica diferente e uma depende da outra para ter um bom resultado de produto final”. Como no caso de Lavignea que nunca havia roteirizado, dirigido e participado de toda a produção de um projeto grande. De acordo com a estudante a participação “agregou de muitas maneiras. As gravações foram incríveis, apesar de terem sido durante a pandemia e da gente ter tido algumas limitações, aprendi muitas coisas que vou levar pra vida. E, depois de lançado, o reconhecimento que isso gera é incrível. Mesmo após bastante tempo ainda vemos que o Sinais está tocando as pessoas, isso é gratificante”.

Para Neli, o reconhecimento de um festival traz uma alegria muito grande e é o reconhecimento do trabalho que todos desenvolvem em equipe com muita dedicação. A roteirista complementa que “não há nada mais gratificante para um produtor de conteúdo do que ver o seu trabalho sendo reconhecido em prêmios e festivais. Eu e todas as outras pessoas que participaram da criação de Sinais estamos muito contentes pela menção honrosa”.

O curta possui produção de Matheus Andrade, Laura Gomes e Ariel Portes. Na direção de arte Kauan Costa, Caroline Miranda, Luana Giacomelli e Felipe Monteiro, e ainda Emanuely Guterres na assessoria de comunicação. Conta com o apoio técnico de Alexsandro Pedrollo na direção de fotografia, Jonathan de Souza na edição e finalização de imagem e Alan Carrion na edição de som. O elenco é composto por Vithoria Trentin, Carla Torres, Eduarda Rodrigues, Eduardo de Prá, Walquíria Lerina e Lucas Pereira.

Colaboração: Vitória Oliveira

Desde o início da pandemia de Covid-19, em 2020, a busca por terapias alternativas aumentou significativamente, como formas de complementar a medicina tradicional ou apenas utilizando-as de forma isolada para garantir o bem-estar. A Universidade Federal do Rio Grande do Sul, UFRGS, realizou um estudo que revelou que 80% da população desenvolveu distúrbios relacionados à ansiedade, sendo um dos responsáveis pelo crescimento da busca pelas terapias.

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) realizou uma pesquisa que indica que a prática mais utilizada pelos brasileiros durante a pandemia foi fitoterapia, seguida por meditação e reiki. O trabalho ouviu mais de 12 mil pessoas. Grande parte das formas de tratamento alternativos são baseados em conhecimentos milenares , provenientes das culturas orientais  e indígenas.

Pesquisa realizada pela Fiocruz mostra as terapias mais procuradas durante a pandemia. Fonte: Fiocruz

Reiki

A pedagoga e terapeuta holística Cleia Carolina Freitas tem formação em reiki e florais de Bach. Ela conta que o reiki surgiu no Japão na década de 1920, porém somente a partir da 1980 começou a entrar em alta, pela própria divulgação dos japoneses. A história conta que o o Dr Mikao Usui era responsável pelo johrei (método de canalização de energia espiritual) da igreja metodista. Porém o johrei possui cunho religioso e para Mikao não era viável trabalhar com uma terapia sagrada das mãos vinculada a uma religião. Sua principal intenção era ser uma técnica de cura e não uma religião.

O funcionamento da terapia é dado através do alinhamento de pontos de energia, chamados de chakras pelo reiki. A terapeuta explica que: “Os chakras se alinham através do toque das mãos, no primeiro momento são traçados os símbolos do reiki, o terapeuta se banha com eles e passa para o paciente no ambiente, depois começa a aplicar em cada ponto de energia”. Ele não contribui apenas para a saúde mental das pessoas, como também para a saúde psíquica, espiritual e física, porque, de acordo com Cleia,  “as doenças são somativas, nosso organismo vai acumulando os bloqueios, traumas, decepções, emoções negativas e descarrega em uma parte fisiológica, em algum órgão, que se transforma em doença”. O reiki é uma terapia reparadora, ela também relata que “na primeira vez que o paciente recebe, fica muito concentrado no que estão fazendo com ele, então não sente tanto os efeitos. Na segunda ele já sente um estado de concentração e relaxamento, está muito mais receptivo à terapia. Já na terceira ele sente o alinhamento emocional, físico, espiritual e mental”. 

 A terapeuta também desmistifica a forma como a terapia deve ser realizada: “O reiki no início tinha muito sensacionalismo, tinha uma certa publicidade, que tinha que ter um ritual perfeito e você tinha que seguir aquele ritual. Hoje não, atualmente ele pode ser aplicado em um campo de batalha, pode-se aplicar nos animais, pode-se aplicar em qualquer lugar”.

Atualmente a sociedade está mais receptiva à busca por estas terapias. A expansão destes interesses resultou em processos seletivos no Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) para que terapeutas possam aplicar reiki em postos de saúde, hospitais e consultórios dentro de uma sede do INSS.

Meditação

 A meditação é uma técnica milenar conhecida como a terapia mais completa que existe, Cleia explica o porquê: “Ela consegue te voltar para o seu ego, anulando ele e te faz voltar para o seu eu maior, para o centro da sua alma. As pessoas têm uma grande dificuldade de aprender a meditar e, na verdade, não é simples. Mas depois que aprende, é possível praticar em qualquer momento”. Ela também ensina uma forma de começar a técnica: “através de um mantra, qualquer mantra que você conheça, começa falando, depois mentalizando, até seu corpo entrar em relaxamento total. A meditação exige uma forma que o corpo esteja confortável para atingir o relaxamento, mentalizando o mantra você vai esquecendo das outras partes do corpo, não sente mais a consciência corporal, sente um estado de relaxamento total e a mente esvazia, você não pensa em nada”.

A técnica pode trazer diversos benefícios para quem a pratica, “tem uma vida emocional equilibrada, respira bem, consegue trabalhar a sua vida profissional de forma tranquila. Através da meditação se tem um bom relacionamento com as pessoas, ela nos ensina a ouvir o outro”, explica Cleia. Cássia Bairros faz o uso da técnica há mais de três anos e conta que os benefícios são vários: “Aumento da concentração, melhora na qualidade do sono, mais tranquilidade pra resolver os problemas do cotidiano, um olhar mais amplo e atento sobre a realidade, a interação social também”.

Práticas de meditação realizadas em evento no dia da mulher em que Cássia participou. Imagem: Cássia Bairros

Hoje existem na internet diversos vídeos de meditações guiadas que, segundo Cleia “ começa com aquele aprendizado, que é simples e fácil. Nas primeiras vezes você não consegue, na terceira vez já é possível entrar no estado meditativo e na quarta vez você já está na técnica da meditação propriamente dita, que é conseguir alinhar o teu pensamento, as partes do teu corpo no relaxamento, na zona de conforto, e aí na quinta tu já tá fazendo a meditação sem ser guiada, só procura um mantra, existem diversos mantras”. É uma técnica acessível para todos e não custa nada.

Floral de Bach

Em relação à terapia dos florais,  o que é mais conhecido hoje é a pesquisa de florais Edward Bach, que tem este nome por conta do médico britânico que pesquisou 38 flores durante 30 anos. No inicio ele chamou o trabalho de placebo espiritual, depois entendeu que a energia das plantas, do néctar, da essência das flores tinham uma conexão muito forte com o nosso comportamento. Cleia explica que: “nós, terapeutas holísticos, receitamos os florais e o paciente entra em um estágio negativo nos três ou quatro primeiros dias. Depois do quinto dia ele começa a sentir o efeito da essência das flores na sua vida. Fazemos o diagnóstico da pessoa, para sabermos o que ela esta sentindo, se é ansiedade, depressão, dificuldade de aprendizado, uma situação de isolamento, medos desconhecidos ou outras atitudes comportamentais que podem ser regulamentadas pelos florais”.

Os florais têm uma conexão muito forte com o nosso comportamento, “a partir do momento que começamos a tomar os florais, nós nos observamos e nos surpreendemos conosco. O floral transforma uma atitude negativa em uma positiva”, conta a terapeuta. Existem diversos outros florais além dos de Eduardo Bach, porém todos eles são baseados na pesquisa da essência das flores e todos eles possuem o mesmo efeito, de acordo com Cleia “não é só um placebo espiritual mas também uma ferramenta maravilhosa para alinhar chakras, alinhar comportamentos negativos e levar a pessoa a fazer uma releitura do seu próprio eu, do seu ego e chegar a conclusões diferentes do que antes ela tinha”.

Formas alternativas ou complementares de buscar ajuda em terapias são comumente associadas à religião, porém a terapeuta explica como as diferentes religiões não afetam o processo de terapia:

Em 2018, o Ministério da Saúde incluiu dez terapias alternativas ao Sistema Único de Saúde (SUS).  São elas: apiterapia, aromaterapia, bioenergética, constelação familiar, cromoterapia, geoterapia, hipnoterapia, imposição de mãos, ozonioterapia e terapia de florais. Com as recentes adições, o SUS passa a ofertar 29 procedimentos complementares à população. São chamados de Práticas Integrativas e Complementares (Pics) e utilizam recursos terapêuticos baseados em conhecimentos tradicionais, voltados para curar e prevenir diversas doenças. Evidências científicas têm mostrado os benefícios do tratamento integrado entre medicina convencional e práticas complementares.

Matéria produzida no primeiro semestre de 2022, na disciplina de Linguagem das Mídias do curso de Jornalismo da Universidade Franciscana.

As festividades do mês de junho são tradicionais em todo o país. Desde 2020 elas deixaram de ser realizadas para grandes públicos por conta da pandemia de Covid-19. Neste ano, a diminuição das restrições referentes a pandemia possibilitou a retomada de grandes festas e cidades da região trouxeram essa tradição de volta. É o caso da cidade de Formigueiro, RS, que tem como padroeiro São João Batista, um dos santos presente nas comemorações do mês. Para o festeiro Rosalino Moreira, a experiência de voltar, após dois anos, está sendo muito boa. Ele relata que encontra dificuldades em conciliar os horários entre as festividade e seu trabalho, porém “está sendo gratificante, porque as vendas de nossos doces já passaram de 15 mil, só nesses dias”. A programação das festividades juninas na cidade de Formigueiro voltaram sem restrições em relação ao Covid-19, prevendo cinco dias de comemorações, incluindo baile e bingos. 

Bingo da comunidade em Formigueiro. Imagem: Miguel Cardoso

O acadêmico de Jornalismo da UFN Miguel Cardoso participa das festividades de Formigueiro desde criança. Para ele, a festa é o evento mais importante da cidade, “porque reúne todas as comunidades do município”. Ele conta que a festa do padroeiro envolve muitas brincadeiras como  jogo de bingo e nesse ano, em especial, um sentimento de alegria também pelo fato de poder trabalhar dando assessoria a prefeitura. A festa é esperada o ano inteiro por toda a sociedade e todos gostam de participar. As atividades desse período arrecadam fundos para a paróquia São João Batista.

As festas juninas também estão presentes nas escolas. Em São Gabriel, o Colégio Tiradentes da Brigada Militar promove sua tradicional festa todos os anos para alunos, militares e a comunidade em geral. De acordo com o auxiliar do corpo de alunos do colégio, Sargento Cesar Volnei, a festividade é importante para a comunidade escolar, para a união de familiares, alunos e militares. Para ele o sentimento de voltar com as comemorações é de grandes expectativas, “pois vamos recuperar estes dois anos perdidos e manter a união e motivação dos alunos”.

Apresentação da quadrilha dos alunos do Colégio Tiradentes. Imagem: Colégio Tiradentes

Professores e alunos também se envolvem diretamente na organização da festa. Para a professora de Filosofia e Sociologia, Cássia Bairros que participa das festas há 10 anos, o sentimento de voltar é muito positivo, “pois estou vendo a organização dos alunos, dos militares, então o sentimento é de esperança, de que agora estamos retomando aos poucos nossas festas. Ver o entusiasmo dos alunos está sendo incrível”.

A festa esta prevista para sábado, 25 de junho. As expectativas dos alunos são grandes como conta Henrique Silva, que está no terceiro ano do ensino médio e é a segunda vez que participa: “Não me envolvi em 2019 e agora está sendo muito legal poder ver que tudo está voltando ao normal, todos estão querendo participar e ajudar mais esse ano”. Para ele a festa contribui para a união de todos, “tem muitas tarefas que envolvem o apoio coletivo, então as turmas estão se unindo, professores e alunos estão sempre se ajudando”. Também Maria Clara Vianna, estudante do segundo ano do ensino médio, está participando pela primeira vez e cheia de expectativas.

Em Caçapava do Sul, a Escola Estadual de 1º e 2º Grau Nossa Senhora da Assunção também retoma suas atividades festivas neste mês, no dia 23 de junho. A diretora, Daniela Evangelho, conta que está muito feliz com esta volta: “Estou muito animada por poder reunir todos e é isso que a gente deseja, oportunizando a participação dos estudantes de forma saudável com brincadeiras, apresentações e comidas tradicionais. O que eu mais gosto é a alegria de estar com toda gurizada jovem aqui junto da gente”.

Festa Junina da Escola Estadual de 1º e 2º Grau Nossa Senhora da Assunção em Caçapava. Imagem: Carlos Dias

Da mesma forma, a professora da disciplina Projeto de Vida, Jianny Moreno relata a sua expectativa com a programação da festa junina no colégio: “O retorno nos deixa mais felizes e nos dá a oportunidade de colocarmos toda a energia positiva em cima da festa, compartilhando essa junção com as pessoas maravilhosas tanto da escola quanto da comunidade externa”. A estudante do terceiro ano do ensino médio Manuela Ricalde acredita que o evento é bom para movimentar o financeiro da escola e faz com que os alunos se aproximem mais. “Isso movimenta toda a escola para um lado bom, o que eu mais gosto da festa junina além das comidas é a função das roupas típicas, da organização da quadrilha e da galera toda reunida”, completa a estudante.

Colaboração: Vitória Oliveira e Miguel Cardoso

Ocorre essa semana a exposição de artes Ilhas Criativas. A  programação está variada, contando com intervalos musicais durante a manhã, tarde e noite e exposições permanentes no prédio 16 do conjunto III da UFN.

A exposição Ilhas Criativas é o resultado de uma disciplina eletiva chamada Patrimônio Arte Cultura que foi pensada para ser ofertada aos alunos da instituição como um todo, possuindo 32 alunos de nove cursos distintos. De acordo com o professor Bebeto Badke, responsável pela disciplina, “poucos têm contato com a arte, então no primeiro trabalho da disciplina eles tinham que fazer um levantamento para descobrir pessoas que conhecem e que são artistas mas não atuam como tal”. Após o levantamento foram descobertos diversos talentos ocultos dentro da UFN e então o professor resolveu dar visibilidade a eles. A exposição de artes visuais conta com um varal literário com três poetas. Também estão presentes cantores, DJs e um rapper da Nova Santa Marta.  

O rapper Vitor Rocha cresceu no meio da música. Ele conta como foi sua trajetória até se encontrar no rap: “Por influência de família comecei com uma banda de rock, mas durante os shows e viagens eu sempre fazia rimas de improviso, então comecei a frequentar batalhas de rimas e vi que tinha jeito pra coisa, logo comecei a gravar minhas próprias músicas”. Para ele é uma grande satisfação poder mostrar ao público seu trabalho.

A acadêmica de Letras, Daiene Rojas, está expondo sua arte pela primeira vez, de acordo com ela o convite fez com que sentisse sua arte valorizada de outra forma, pois antes apenas sua família e amigos sabiam que ela pintava telas, então a exposição é uma forma de tornar seu trabalho mais conhecido e divulgado. Ela acredita que seu talento pode estar interligado com seu curso, “as letras fazem parte da área das humanas e essa área é bem extensa, e com certeza embarca a arte, mas esses conhecimentos artísticos descobri quando era ainda  mais jovem,  desde criança gostava muito de desenhar e na minha família, minha mãe e as minhas tias pintam telas, então eu decidi dar  um passo a mais tentar pintar também. Comecei na brincadeira  com tinta guache e depois troquei, fiz aquarela e peguei telas, gostei muito porque  é um trabalho minucioso e podemos brincar com as cores e  expressar nossos sentimentos”.

A programação conta com exposições de Artes Visuais,  com Nathalia Righi,  do curso de Psicologia, expondo suas tatoos;  Ana Luiza Rockenbach, também do curso de Psicologia, com sua arte digital; Joele Wegner, do curso de Arquitetura da UFSM, com sua arte em aquarela; Daiene Rojas, do curso de Letras, com pintura em tela; Luiza Ruviaro, acadêmica de Odontologia, com pintura em tela, e Guilherme Abreu, estudante de Jogos Digitais, com mostra de fotos digitais.

A exposição do Varal Literário também ocorre todos os dias e conta com os seguinte poetas: Giovanna Zilli, de Arquitetura, João Gabriel Pires Simões, de Psicologia e Julio Augusto Seidel da Silva, de Odontologia.

Intervalos musicais ocorreu nos dia 21 de junho pela manhã com Karoline Ferreira, voz e violão, do curso de Arquitetura. Na quarta, 22 de junho, à noite com o  DJ Gabriel, de Porto Alegre, com apoio de Jayme Grassmann (Jogos Digitais – UFN) e no dia 23 de junho o rapper Nezz (Vitor) pela manhã e a tarde o DJ Bernardo Rocha, de Publicidade e Propaganda.

Colaboração: Vitória Oliveira

Com a chegada do inverno muitas ações solidárias ocorrem com o objetivo de ajudar aqueles que não tem condições de se manterem protegidos do frio. Famílias e pessoas em situação de rua são o foco dos projetos.

A Campanha do Agasalho de Santa Maria é realizada anualmente, através da Secretaria de Desenvolvimento Social. As arrecadações são feitas em 40 pontos de coleta na cidade e a equipe de desenvolvimento social também faz a coleta, triagem e organização das roupas  no Centro Desportivo Municipal. Para quem tem interesse em receber as doações, um cadastro deve ser preenchido e, depois, é permitido ficar durante 10 minutos no pavilhão, onde estão armazenadas as doações. Cada pessoa tem direito a  escolher até sete peças de inverno e dois pares de calçado. Só é permitida a entrada de uma pessoa por família e a mesma só poderá voltar ao Pavilhão B novamente após 15 dias. Os agasalhos podem ser retirados no Pavilhão B do Centro Desportivo Municipal (CDM) nas segundas, quartas e sextas-feiras, das 8h ao meio-dia.

Para aqueles que desejam doar, são solicitados artigos de inverno, como agasalhos, cobertores e sapatos fechados . em bom estado de conservação. O Executivo Municipal pede também que as peças estejam limpas e empacotadas em sacos plásticos fechados.

Retirada de roupas no Pavilhão B do CDM. Foto: João Alves (Mtb: 17.922)

As arrecadações ocorrem até o dia 31 de julho, nos seguintes pontos de coleta: CDM, Prefeitura, Rede Vivo, Monet Plaza Shopping, Câmara de Dirigentes Lojistas,  Associação dos Professores da Universidade Federal de Santa Maria (Apusm), Avacon Administradora de Condomínios, Imobiliária Cancian, Universidade Franciscana (UFN), Restaurante Entrevero, Vida Card, Royal Plaza Shopping, Associação Motociclística Gaudérios do Asfalto, Banco de Alimentos, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Oral Sim, Lumenk, Sulclean, Grupo Voalle,– Safira Modas, Faculdade Metodista de Santa Maria (Fames), Faculdade Palotina (Fapas), Faculdade de Direito de Santa Maria (Fadisma), Clube Recreativo Dores, Totem, Lojas Safira, Lilica e Tigor, Associação dos Transportadores Urbanos (ATU), Shopping Praça Nova, Redemaq, Centro Óptico, Elegância Center Shop, Faculdade de Ciências Jurídicas de Santa Maria (Unism), Mekal Química, Panvel Farmácias, Davant Odontologia e Implantes, Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil (SICOOB), Cross Life Dores, Casa Lar Ambientes.

Cidades da região também promovem campanhas no período de frio extremo para ajudar a população. Em Caçapava do Sul, a Prefeitura Municipal e a Secretaria de Assistência Social tentam amenizar a situação de vulnerabilidade das pessoas. Conforme a secretária da Assistentência Social Andressa Lisboa,  “o nosso município não tinha albergue até o ano passado, quando inauguramos em 2021 conseguimos solucionar muitos problemas dos moradores de rua”. A Secretária explica que trata-se apenas de tentar solucionar, tentar amenizar porque esse problema é uma coisa do mundo não somente de Caçapava. O funcionamento do albergue ocorre no período da noite. No local os usuários passam a noite, tomam o café da manhã e saem durante a manhã. Alguns moradores tem permissão para ficar em turno integral, como é o caso de uma senhora que já é bem mais idosa e não aceita ir para outra casa, tem que ser o albergue.

Albergue Municial de Caçapava do Sul Ney Antônio Goulart Tavares. Imagem: Divulgação/Prefeitura de Caçapava

Em Caçapava também ocorre a Campanha do Agasalho. Segundo Andressa “tivemos mais doações antes do começo da campanha, porque o frio iniciou e o pessoal já começou a doar. Agora estamos com muitos pontos de coleta, mas com dificuldades em receber roupas masculinas e de criança”.

Colaboração: Vitória Oliveira

Na noite desta segunda-feira, 20, aconteceu a XXVII Jornada Científica do curso Jornalismo, com o objetivo de apresentar os TFGs I em andamento. Os trabalhos são avaliados por um professor do curso, colaborando com a visão geral do orientador e orientando. Depois deste processo de avaliação apresentado nesta noite, a pesquisa  será concluída no TFG II.

A acadêmica Gabriela de Flores Neto, que está no sexto semestre, orientada pela professora Sione Gomes e avaliada  pela professora Neli Mombelli apresentou o tema  “O jornalismo em Harry Potter a partir da visão dos fãs da saga”. A escolha teve como objetivo a avaliação da percepção da personagem Rita Skeeter retratada na saga como uma jornalista sensacionalista, que não demonstra dar o devido valor ao papel social da notícia. Como a saga conta com sete livros e oito filmes tendo uma grande abrangência de dados, a maneira como ela deseja recolher esses dados é através de enquetes no Facebook, onde acredita que estejam presentes os fãs mais velhos da saga.

Curso de Jornalismo promove Jornada Científica. Imagem: Caroline Freitas, LABFEM

Ela explica o porquê do tema escolhido: “Acredito que trazendo esta temática posso desmistificar o conceito que algumas pessoas têm de que Harry Potter é um trilogia para crianças, porque apesar do enredo, os filmes trazem temáticas sérias e que se assemelham com certos momentos da vida adulta (principalmente na questão política). Também o fato de como o exercício da profissão foi retratado com críticas à jornalistas reais e que podemos perceber facilmente em alguns veículos de comunicação”. Para ela está sendo muito gratificante escrever sobre um assunto que gosta: “É incrível como a cada leitura percebo coisas novas sobre a saga que eu não tinha percebido quando assistia/lia só por lazer. A parte desafiadora será criar um questionário que abranja um número grande de fãs motivando os mesmos a responderem”.

Aluna Gabriela Neto apresentando seu trabalho. Imagem: Caroline Freitas, LABFEM

A apresentação deste trabalho foi finalizada com as sábias palavras de Alvo Dumbledore: “Palavras são, na minha nada humilde opinião, nossa inesgotável fonte de magia. Capazes de formar grandes sofrimentos e também de remediá-los”. A contribuição da avalidadora Neli Mombelli foi realizada de forma que a aluna Gabriela possa melhor captar estas informações. A professora explicou ainda que quando se trata de ficções que não são baseadas em fatos reais, os jornalistas são retratados de forma clichê.

Banca examinadora composta pelas professoras Sione Gomes e Neli Mombelli. Imagem: Caroline Freitas, LABFEM

Colaboração: Vitória Oliveira

Após dois anos e meio de pandemia existem pessoas que não foram infectadas pela Covid-19. O motivo pelo qual a resistência ao vírus é presente em algumas pessoas e outras não é alvo de pesquisa por especialistas. Diferentes estudos já foram realizados para investigar o porquê de algumas pessoas parecerem imunes. Pesquisadores britânicos, do Imperial College London, testaram o sangue de um grupo de médicos que ficaram altamente expostos ao vírus antes da chegada da vacina, os resultados mostram que eles não desenvolveram a doença e também não produziram anticorpos neutralizantes, eles formaram células de memória especial, chamadas de célula T. Outro estudo também revela que crianças são capazes de produzir duas vezes mais células T.

Pesquisas iniciadas em pessoas que nunca foram infectadas focaram em entender os fatores genéticos que contribuíam para o agravamento dos casos mesmo em pessoas sem agentes de riscos. Os pesquisadores descobriram que 20% dessas pessoas tinham mutações no gene que produzem o interferon,  substância usada pelo corpo como sua primeira linha de defesa contra o vírus.

Imagem mostra simulação do DNA do vírus. Imagem: U.S. Departament of Energy

A genética pode ser um ponto determinante na gravidade da doença, ela também pode ser a chave para a resistência à infecção pela Covid-19. As teorias baseadas nos estudos acreditam que a razão é o armazenamento de células de memória que foram produzidas por outras infecções. João Gabriel Pinnow, de 20 anos, não foi infectado pelo vírus. Ele conta que  durante a quarentena continuou a faculdade na modalidade EAD e para se proteger usava máscara e tentava evitar o contato com pessoas que não fossem próximas. Em relação a sua imunidade, ele a considera boa, por ter uma alimentação saudável e praticar atividades físicas com frequência.  Sobre os fatores que o ajudaram a não ser infectado ele conta que “acredito que tenha sido minha imunidade alta, porque apesar de muitas pessoas se protegerem e tomarem diversas providências preventivas, acabaram contraindo o vírus mesmo assim”. Hoje o estudante continua se protegendo da doença, utilizando a máscara.

Clarisse Marques, de 48 anos , também não contraiu o vírus, e passou o período de distanciamento social somente em casa e em seu trabalho, que é junto da casa. Sua maior preocupação com os cuidados são por causa da convivência com seu pai idoso. No início, quando teve o lockdown, ela relata que não trabalhou até que tudo voltasse normalmente. Lavava as mãos a todo instante, fazia o uso da máscara constante, álcool gel e sempre manteve o distanciamento social. Ela acredita ter uma imunidade boa, além disso também confia na sua fé, “creio que meu lado espiritual me ajudou muito, sempre tive muita fé de que tudo ficaria bem e estaríamos protegidos”. A comerciante continua mantendo os cuidados,  “até porque em 2 anos agindo da mesma forma, criei hábitos que irão servir para o resto da minha vida”, completa ela. 

O tema da redação do Vestibular de Inverno 2022 da UFN foi anunciado pelo professor e Coordenador de Seleção e Ingresso Adilção Cabrini Beust. O tema deste ano trouxe um questionamento para os vestibulandos que devia ser respondido em um texto dissertativo-argumentativo, no padrão formal da língua portuguesa sobre o assunto: “como você percebe o papel do outro para sua vida”. 

A proposta de redação é acompanhada por três textos motivadores e uma imagem. Dentro da temática apresentada os candidatos deveriam redigir um texto apresentando sua opinião e argumentos sobre o assunto.

A vestibulanda Manoela Angelo conta que: “O tema foi muito bem elaborado e ele estava em total contexto com a prova, até o texto de boas-vindas da prova era conectado com o tema. Um tema bem subjetivo, difícil de encaixar nas normas da Universidade, mas achei muito bem elaborado”.

Vestibulanda Manoela Angelo. Imagem: Caroline Freitas

 A também vestibulanda Leticia Lopes comentou sobre o tema “Achei um bom tema, gostei bastante de escrever sobre o assunto. Não é fácil escrever uma redação, tem que saber o que vai escrever, mas gostei bastante do tema”.

Vestibulanda Leticia Lopes. Imagem: Caroline Freitas

A professora de redação Mariane Lazzari comenta sobre o tema: “Foi muito bom para desacomodar os estudantes, para causar reflexão, o pensamento com abordagem mais subjetiva, porque quando eles estão em treinamento para os vestibulares eles acabam se prendendo a questões climáticas e sociais. Foi um tema muito interessante para escrever, pelo que estão falando eles conseguiram se doar à proposta da redação”.