Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

internacional

Parabéns, Juventude!

Apesar do favoritismo colorado, Juventude se impõe, resiste, e é finalista do Gauchão. Mais do que merecido, foi preciso.

Internacional lança novo uniforme para a temporada 2024

Na manhã desta sexta-feira, 15, o Internacional lançou seu novo uniforme para a temporada de 2024. A fornecedora de material esportivo Adidas publicou em suas redes sociais, por volta das 11h, o novo uniforme colorado. O

Mesmo sem títulos, temporada do Inter é positiva

O que parecia ser um ano conturbado depois de eliminações, acaba sendo uma temporada que o torcedor sai esperançoso para 2023. A derrota para o Grêmio no Campeonato Gaúcho, a eliminação para o Globo na Copa

Sonho que vira realidade

Era 2016. Matheus, o colorado apaixonado desde criança pelo seu time do coração, o Sport Club Internacional de Porto Alegre. Matheus morava na pequena e pacata cidade de Dilermando de Aguiar, município com pouco mais de

Pensei em iniciar esse artigo comentando sobre a fase do Internacional, do azar de não ir à uma final do Estadual. Haveria diversas maneiras de começar, porém, dentre os diferentes modos, o que menos vi alguém comentar foi sobre o JUVENTUDE! Sim, com todas as letras maiúsculas mesmo. Que garra e força a equipe de Roger Machado possui! É incrível! O que muito se falou de “não conseguir fazer o resultado em Caxias”, e que ia ser “amassado pelo Inter em Porto Alegre”, não foi visto. A estratégia de Roger Machado de anular Alan Patrick e interromper as ligações do meio-campista para o setor ofensivo do Inter, mais do que funcionou. Foi impecável, não a toa que o gol colorado sai atrás de um cruzamento despretensioso para Renê e conta com ajuda do goleiro jaconero para empatar no Beira-Rio.

Roger Machado a beira do campo analisando sua equipe.

Em saídas de velocidades em contra-ataques com Edson Carioca, foi o jeito que o Juventude viu de intimidar o Internacional em casa. A chance mais clara foi aos 16 minutos da primeira etapa, onde o ponta juventudista tirou de Rochet e quase abre o placar, senão fosse Vitão tirar a bola de cima da linha. Ali, já se mostravam indícios que o time de Roger iria pra cima do Inter sem medo algum. Até que aos 30 minutos, em cobrança de escanteio feita por Alan Ruschel, o zagueiro Zé Marcos se sobressai sobre Vitão, e testa paras as redes, sem chance para o goleiro colorado. Aberto o placar no Beira-Rio. E o Internacional de Coudet com sua pressão alta? Bom, se tinha pressão alta no primeiro tempo, era de quem vestia o listrado verde e branco.

Zé Marcos em comemoração de gol contra o Inter

Com a partida no intervalo, o Internacional se viu obrigado a utilizar Enner Valencia, mesmo sem estar 100%. Segundo tempo em jogo, e é óbvio que um time com um orçamento mais baixo, sem grandíssimas estrelas, e fora de casa, o Ju iria baixar suas linhas pra defender a meta. Depois de sumir por inacreditáveis 135 minutos de confronto contra o Juventude, o “Inter de Coudet” apareceu. Tarde, mas apareceu. Apesar de uma finalização sem sustos de Jean Carlos, quem atacou com perigo a parti daí foi o Internacional. Aos nove minutos, em jogada bem organizada, Aránguiz levanta a bola para a área, e Renê, com um pitaco de sorte, empata o jogo. A rotina de ver um Inter propositivo em busca da vitória se ocorreu. Apesar dessa proposta de jogo, o que também deve se levar em conta, é o jeito de como algum jogador deve finalizar um ataque. Não questione a Maurício como ele fez o que fez. Aos onze, foi o momento em que se viu a chance mais clara de virada para o Inter e a possível confirmação de finalista. Bola para os ares e ali se criava um clima terrível. Poucos mais de dez minutos depois, após Nenê, com muita sabedoria, prender o 27 colorado, o jovem Maurício cai na pilha do 10 jaconero, e é expulso após revisão do VAR e deixar o Inter com um a menos.

Maurício sendo expulso Inter x Juventude

Próximo do fim do jogo, Vitão sente câimbras, é forçado a ser substituído e entra um personagem muito importante na classificação juventudista: Robert Renan. Jogo para os pênaltis e cada uma das equipes erra uma cobrança: Alan Ruschel para em Rochet, e Mercado explode a bola no travessão. Nas alternadas, Bruno Gomes e Kleiton acertam, até que Robert Renan puxa a responsabilidade para si. Parte para a cobrança fazendo uma cavadinha. O goleiro Gabriel caía para o lado contrário, mas a bola nem entra, e o arqueiro se recupera a tempo e agarra firme. Assim, o que era óbvio inexistia, e Kelvi pôs fim ao favoritismo vermelho. Fim de jogo, e Juventude na final após oito anos.

Goleiro do Juventude defendendo cobrança de Robert Renan

Contra todos os prognósticos, o time da serra se mostrou resiliente e teve cabeça fria para levar a vaga na final do Gauchão. Do seu jeito, mas eficiente. Mais do que merecido, foi preciso essa classificação do Ju. Quanto ao Inter, que se vire para juntar os cacos e dar a volta por cima nessa temporada. E com mais reforços agora. Ao Juventude, que venha quem vier. Se já ganhou um estadual sobre o Inter no Beira-Rio no longínquo ano de 1998, porque não numa eventual decisão na Arena contra o Grêmio? Mas o mais legal que poderia se ocorrer, é de uma decisão ser do interior: Caxias x Juventude. A festa que podemos ver nos próximos finais de semanas na cidade de Caxias do Sul será algo inigualável. Só falta agora o Grená fazer sua parte.

Imagens: Divulgação Juventude e X

Na noite da última segunda-feira, 18, ocorreu na sede da Conmebol o sorteio da Copa Libertadores de 2024. O Grêmio estará no grupo C do torneio junto de Estudiantes-ARG, The Strongest-BOL e Huachipato-CHI. Depois de três edições ausentes, o tricolor retorna à fase de grupos da competição continental. A última vez foi em 2020, onde esteve junto de Universidad Católica-CHI, América de Cali-COL e Internacional.

Foto: Divulgação/Grêmio

O time de Renato Portaluppi estreará na semana dos dias 2, 3 ou 4 de abril, diante do The Strongest, da Bolívia. Caso confirme o favoritismo sobre o Caxias na terça-feira, na Arena do Grêmio, a primeira rodada ocorrerá em meio às finais do campeonato estadual, contra Juventude ou Internacional.

O técnico gremista destacou a dificuldade da altitude na estreia: “Libertadores não tem jogo fácil. Vamos organizar bem a nossa logística porque esse primeiro jogo lá na altitude não é uma coisa simples. Bem pelo contrário. Mas isso é uma situação para pensarmos ali na frente”.

Renato na casamata tricolor em jogo do Grêmio. Foto: Lucas Uebel/Grêmio

Ainda no Paraguai, e após realização do sorteio, o presidente Alberto Guerra foi perguntado pelas condições físicas dos jogadores lesionados Felipe Carballo e Reinaldo. Em relação ao meio-campista, o mandatário tricolor frisou que não consegue dizer ao certo qual é seu prognóstico. Já quanto ao lateral esquerdo, o presidente comentou que “seu caso não é de cirurgia”, mas que “precisa de uma recuperação mais longa para que possa voltar sem uma reincidência da lesão”.

Felipe Carballo ainda não estreou este ano por conta de uma cirurgia realizada no púbis, no final de 2023, em decorrência de uma lesão. Já Reinaldo sofreu lesão em dois ligamentos do joelho: um estiramento do ligamento cruzado anterior e ruptura parcial do ligamento colateral-lateral. 

Felipe Carballo em treino individual pelo Grêmio. Foto: Lucas Uebel/ Grêmio

O Grêmio volta a campo na terça-feira, dia 26, em partida de volta das semifinais do Campeonato Gaúcho, contra o Caxias, na Arena do Grêmio. No jogo de ida, o time de Renato venceu o Grená pelo placar de 2 x 1, no estádio Centenário, em Caxias do Sul. Através de um empate, o tricolor estará na decisão do estadual contra Juventude ou Internacional.

Na manhã desta sexta-feira, 15, o Internacional lançou seu novo uniforme para a temporada de 2024. A fornecedora de material esportivo Adidas publicou em suas redes sociais, por volta das 11h, o novo uniforme colorado.

O novo manto do Inter é inspirado em outros clubes também patrocinados pela marca alemã, como Bayern de Munique e Arsenal, da Inglaterra. No peito, fica o destaque para a cor predominantemente vermelha, junto dos patrocínios do Banco “Banrisul” no modelo masculino, e da casa de apostas “EstrelaBet” no modelo feminino. Na extensão dos ombros e das mangas vem a diferença de outros uniformes do Inter: o uso da cor branca. Como é de praxe dos uniformes da Adidas, há presença de listras sobre os ombros. No caso do uniforme colorado, a cor das listras é vermelha.

Alguns jogadores do elenco profissional masculino e feminino participaram da apresentação da nova camiseta. O tema do novo uniforme é “Engrenagem” e exalta as peças fundamentais para “manter o Colorado sempre forte”.

Apresentando o novo uniforme Alan Patrick (terceiro sentado, da esq. para dir.), Robert Renan (terceiro em pé, da esq. para dir.) e Wanderson (segundo em pé, da esq. para dir.). Do elenco feminino, estiveram presentes: Isa Haas (primeira, da esq. para dir.) , Letícia Monteiro (sentada ao centro) e Tamara ‘Bolt’ (última em pé, da esq. para dir.), além de dois sócios colorados convidados pelo clube.

A estreia do novo uniforme será contra o Juventude, no estádio Alfredo Jaconi, no próximo domingo, 17, pelo Campeonato Gaúcho. A nova camiseta, nas versões masculino e feminino custam R$ 349,99. Já o modelo infantil está no valor de R$ 299,99. A nova vestimenta já está disponível nos site da loja do Inter e da Adidas.

Imagens: divulgação Internacional.

O que parecia ser um ano conturbado depois de eliminações, acaba sendo uma temporada que o torcedor sai esperançoso para 2023. A derrota para o Grêmio no Campeonato Gaúcho, a eliminação para o Globo na Copa do Brasil e o vexame contra o Melgar na Sul-Americana pareciam que iriam deixar marcados o ano do Internacional.

Chegou Mano Menezes, sem 100% da confiança da torcida, também chegaram reforços pontuais para o elenco e a temporada mudou completamente. Mesmo longe do Palmeiras no número de pontos, o Colorado ainda teve chance de conquistar o Campeonato Brasileiro mais uma vez. Com a derrota por 1 a 0, contra o América-MG, nesta última quarta-feira, o clube paulista conquistou mais um Brasileirão ainda na concentração para o jogo contra o Fortaleza. Mas para completar a festa, o time comandado por Abel Ferreira fez 4 a 0, com direito a gol da joia Endrick, de apenas 16 anos.

Apesar da vice-colocação, o torcedor deve ficar esperançoso para um ano de 2023 ainda melhor. Com uma base sólida montada nesta temporada, um goleiro confiante que tomou a posição na reta final, um quarteto defensivo seguro com destaques como Bustos e Vitão, um meio campo que ainda com dúvidas é muito promissor e um achado como centroavante que luta por cada bola como se fosse a última. Tudo isso graças a uma janela de transferências arriscada, mas muito bem pensada.

Elenco colorado em treinamento. Foto Twiiter Internacional

A base está pronta para a temporada que vem, reservas imediatos e um número 9 devem ser prioridade para 2023. Mano Menezes quer trabalhar com um grupo menor que esse ano, por isso jogadores ainda devem sair. A maior dúvida é Edenílson, que tem o aval do técnico para ficar, mas boa parte da torcida acredita não ter clima mais para o jogador. O ano de 2023 promete muito para o torcedor colorado, as chances reais de título existem em todas as competições a serem disputadas.

Lucas Acosta é acadêmico do 6º semestre do curso de Jornalismo da UFN, apresenta o Titular da Rede, Camisa 10 e A Copa & Eu na RádioWeb UFN e escreve, periodicamente, uma coluna sobre esporte na Central Sul Agência de Notícias

Imagem de Jossiano Leal por Pixabay

Era 2016. Matheus, o colorado apaixonado desde criança pelo seu time do coração, o Sport Club Internacional de Porto Alegre. Matheus morava na pequena e pacata cidade de Dilermando de Aguiar, município com pouco mais de 3 mil habitantes. Distante 50 quilômetros de Santa Maria e 340 quilômetros da capital gaúcha, Porto Alegre. Matheus sonhava em ir no jogo do Inter mas, pela distância do estádio, era inviável.  Ele morava com seus pais, Dona Rosa e seu João, um casal de agricultores. A “grande” família ainda tinha mais dois integrantes, as irmãs de Matheus, Débora e Monica. Ambas moravam em Santa Maria.

Matheus já havia concluído o ensino médio e ajudava seu pai na lavoura de soja. O fanático colorado tinha uma vida de agricultor. Acordava e dormia cedo, exceto quando chovia. Em dias chuvosos Matheus acordava mais tarde, pois não tinha muitas coisas para fazer. A salvação dele era a internet. Muitas vezes lenta. Ainda piorava com a chuva, mas era o que tinha. Então, Matheus pegava seu notebook e acessava o YouTube. Crente na pesquisa, ele digitava “jogos do Inter no Beira Rio”. E assim se entretia por horas olhando os vídeos da torcida organizada “guarda popular” cantar, pular e torcer para seu time do coração.  A cada jogo que Matheus assistia do Inter na Globo, quartas à noite ou domingos à tarde ele se imaginava dentro do estádio lotado, em um jogo do seu time do coração.

Matheus era primo de Genara que, por sua vez, tinha uma irmã que morava na capital Porto Alegre, casada com Douglas. Ele também colorado fanático, acostumado a ir em jogos decisivos no gigante Beira Rio. Certo dia, Genara convidou Matheus para passar uns dias em Porto Alegre, na casa da casa da irmã dela. Mas, tinha que pagar passagem até a capital. Então, Matheus ligou para sua mãe e pediu autorização para ir viajar. Mas, dona Nair taxativa não estava gostando da ideia. Conversa vai, conversa vem, Matheus convenceu sua mãe.

Matheus com sorriso estampado no rosto, pulava de alegria, pois viajaria à capital gaúcha. Acostumado a ir de Dilermando a Santa Maria, estava incrédulo com a ida a Porto Alegre. Então, ele fez as malas,  pegou suas melhores roupas e, claro, a camiseta do seu time de coração. Chegando na rodoviária da capital, estava lá Douglas para buscar ele e sua prima Genara. No percurso longo e entusiasmado de 45 minutos da rodoviária até a casa de Douglas, Matheus pensava: “poxa, sábado tem jogo do Inter”.  Matheus e Genara então chegaram na casa de Douglas.

De noite, na hora da janta, Douglas perguntou se Matheus não queria ir no jogo do Inter, no sábado, no Beira Rio contra o Sport. Matheus então tentando conter o entusiasmo fala: “bah, seria um sonho!”. Douglas pega seu celular e liga para um amigo, que era sócio do Sport Club Internacional, e pergunta: “Carlos, estou com o primo da Genara aqui em casa, e ele gostaria de ir no jogo sábado. Tu empresta carteirinha de sócio para o Matheus?”.  Douglas então ficou em silêncio por 10 segundos, o que perecia 10 anos para o Matheus e disse: “certo Carlos! Sábado passamos aí e pegamos ela”.

Matheus já não se aguentando de ansiedade escuta de Douglas: “sábado tu vai no jogo!”. Matheus lacrou um sorriso empolgado no rosto. As 40 horas que passaram, até a hora de ir para o jogo, foram as horas mais demoradas na vida de Matheus.

Chega o dia. Matheus toma um banho, coloca sua camiseta vermelha radiante do Inter, arruma o cabelo e, junto com Douglas, vai para o estádio Beira Rio. Mas antes eles teriam que ir até a casa de Carlos, amigo de Douglas, para pegar a carteirinha de sócio. O trajeto durou 60 minutos intermináveis para Matheus. Quando ele está com a carteirinha na mão e nota que a modalidade é de sócio master (entra na melhor área do estádio sem pagar entrada) Matheus quase chora emocionado, mas se contém. Já no estádio, Matheus, que nunca havia visto o magnifico Beira Rio de perto, se impressiona com o tamanho e a beleza. Ao adentrar no estádio, mais entusiasmo, pois Matheus entra na área das cadeiras, atrás do banco de reserva dos jogadores. Ele vê todo aquele campo verde, e olha ao redor do estádio pintado de vermelho, magnífico.

Aos poucos o estádio vai enchendo. Se aproxima a hora do jogo, e quando Matheus menos espera entra a torcida organizada “Guarda Popular” proferindo os cânticos de apoio ao time do Inter. Então, Matheus senta na cadeira e fica admirando incrédulo no que está vivendo. Dia 26 de maio de 2016, o dia em que Matheus foi no primeiro jogo do seu clube do coração, no estádio Beira Rio. A data ficará marcada para sempre na memória do fanático torcedor Matheus.

 

Produção feita na disciplina de Jornalismo Esportivo, durante o primeiro semestre de 2021, sob coordenação da professora Glaíse Bohrer Palma.