Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

unifra

Reitoria da Universidade Franciscana toma posse

Na manhã desta quarta-feira, 14, foi realizada a solenidade de posse da reitoria da Universidade Franciscana. A Diretora-presidente da Sociedade Caritativa e Literária São Francisco de Assis (SCALIFRA-ZN), Inês Alves Lourenço, reconduziu os cargos à Reitora

Nova instituição, nova identidade

Ressurreição. Nesta sexta-feira, dia 23 de março, uma semana antes da Páscoa alunos, professores, funcionários e egressos acordaram com uma novidade: o Centro Universitário Franciscano fora aprovado pelo Ministério da Educação para se tornar a Universidade

Internacional Week: desafios da internacionalização é tema de debate

Na tarde desta quinta-feira(22), as convidadas para compartilhar suas experiências na Internacional Week no Centro Universitário Franciscano foram a professora Lurdes Lomba, da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Portugal, e  Margarita Poblete Troncoso, professora da Universidad Catolica

Mostra de vivências internacionais movimenta a Unifra

A primeira edição do International Week no Centro Universitário Franciscano, além de fortalecer a cooperação internacional, também fomenta a cultura entre acadêmicos, docentes, mestrandos, doutorandos e residentes por meio da socialização entre vivências e experiências de pessoas que

Primeiro dia do Internacional Week acontece nesta segunda-feira

A mobilidade acadêmica como forma de intervenção cultural. Iniciou nesta segunda-feira, 19, o Iº Internacional Week do Centro Universitário Franciscano. O evento acontece até o dia 23 de março, no conjunto I da instituição, localizado na rua

Inscrições para Acadêmicos do Riso vão até dia 20 de março

A partir desse semestre, alunas do Curso de Medicina do Centro Universitário Franciscano, colocarão em prática o projeto Acadêmicos do Riso. O projeto possui como objetivo levar alegria, sorrisos, amor e diversão à pacientes internados no Hospital São Franciscano

Gestão do conhecimento é tema da aula inaugural da Unifra

Gerenciamento de conhecimento como forma de aprendizado. O reitor, professor doutor da Universidade de Caxias do Sul (UCS), Evaldo Antônio Cuiabá ministrou nesta sexta-feira (16), a aula inaugural do Centro Universitário Franciscano. A palestra que começou

Na manhã desta quarta-feira, 14, foi realizada a solenidade de posse da reitoria da Universidade Franciscana.

Reitora Iraní Rupolo e a Diretora-presidente da Sociedade Caritativa e Literária São Francisco de Assis, Inês Alves. Imagem: Luiza Silveira

A Diretora-presidente da Sociedade Caritativa e Literária São Francisco de Assis (SCALIFRA-ZN), Inês Alves Lourenço, reconduziu os cargos à Reitora Iraní Rupolo e à Vice-reitora Solange Binotto Fagan. Na cerimônia também foram reconduzidos a Pró-reitora Acadêmica, Vanilde Bisognin, a Pró-reitora de Administração e Finanças, Inacir Pederiva, e o Pró-reitor de Pós-graduação e Pesquisa, Marcos Alexandre Alves. O mandato tem uma duração de quatro anos, até dezembro de 2026.

Professora Iraní está em seu 7º mandato, ela assumiu o cargo pela primeira vez em 1998, quando a UFN ainda se chamava Faculdade Franciscana. A reitora deu ênfase em seu discurso na forma como a educação superior vem sendo tratada: “As políticas de educação superior possibilitaram uma grande concorrência nas Universidades com situações de duvidosa competência. Entendemos que a educação não deve ser tratada  com improvisação ou com  organizações que se limitam a interesses políticos e econômicos . Para reverter essa realidade faz-se necessário um projeto de país, que considere prioritariamente a educação e a ciência como fundamentais à vida e ao desenvolvimento nacional”. Ela ainda comentou que “Enquanto Universidade, propomos desenvolver com os jovens um projeto de vida, que dê significado a formação pessoal e profissional, dando sentido a sua existência. Nessa direção, os propósitos que compartilhamos com os demais gestores na Universidade Franciscana para este novo ciclo compreendem alguns projetos institucionais”.

Reitora Iraní Rupolo em seu discurso. Imagem: Luiza Silveira

Na próxima sexta-feira, 16,  às 9h, será realizada a posse dos nove Diretores Administrativos e os 40 Coordenadores e seus adjuntos dos cursos de Graduação e Pós-graduação. As solenidades serão realizadas no Salão de Atos, Conjunto I da UFN.

Galeria de fotos posse da reitoria (imagens: Luiza Silveira)

Livro pode ser adquirido em contato com a ASMAR e também está disponível na Cooperativa dos Estudantes de Santa Maria (CESMA) Foto: Heloisa Helena Canabarro

O livro Histórias de Mães: mulheres que inspiram sonhos e transformam vidas conta a história de vida de mulheres mães que fazem parte da Associação dos Selecionadores de Materiais Recicláveis (ASMAR). Por meio de depoimentos e fotografias a obra explora a trajetória e os sonhos de 17 mulheres empreendedoras da ASMAR, que dedicam-se à seleção de materiais recicláveis em Santa Maria. O livro foi organizado pela professora Dirce Stein Backes junto às alunas Natália Hoffmann Adames e Silvana Dias Leão, do Mestrado Profissional Saúde Materno Infantil da Universidade Franciscana (UFN).

A líder do projeto Empreendedorismo Social na Associação dos Selecionadores de Materiais Recicláveis e também Coordenadora do Mestrado em Saúde Materno Infantil da UFN, Dirce Stein Backes, tem projetos de ensino, pesquisa e extensão que desenvolve desde 2008 em parceria com a ASMAR. A professora trabalha a questão do empreendedorismo social no local. Dirce conta sobre a iniciativa de criação do livro: “No ano passado surgiu a ideia do livro, pensamos em uma obra com as histórias das mulheres mães da associação, para poder mostrar melhor para a sociedade o trabalho que elas realizam. O projeto foi desenvolvido com os alunos bolsistas de iniciação científica da graduação e pós-graduação, que auxiliaram a coletar os relatos das histórias de vida delas”.

Confraternização de Dia das Mães realizado na ASMAR promovido por professores e acadêmicos da UFN Foto: Reprodução do livro Histórias de mães

A ASMAR foi fundada em 1992 e localiza-se na Rua dos Branquilhos, Bairro Nova Santa Marta, na região oeste da cidade. A associação tem como objetivo a conservação do meio ambiente através da reciclagem, gerando emprego e renda a 25 famílias. Um trabalho de grande valor social, ambiental e econômico. Para as mães que integram a equipe, a associação é um espaço de conquista pessoal e profissional.  

As 17 trajetórias contadas são das mães: Adriana R. Aguirre, Bruna Escobar Cezar, Carla Ferreira, Carmem Medianeira, Celina Ramos Moura, Débora Silveira Dutra, Eliane do Santos, Jéssica de Neto, Marcia Tascheto, M Margarete da Silva, Nilda Maria Schimidt, Prisciele O. da Silva, Rosangela V da Silva, Roselaine Martins, Taciane M. de Medeiros, Tamires Lemos de Brito e Vera Lúcia Carvalho.

“Nosso trabalho necessita de mais valorização do que a gente exerce… esse trabalho beneficia muitas pessoas e é motivo de muito orgulho para nós e as pessoas que convivem conosco no dia a dia.”  –  Integrante da ASMAR Débora Silveira Dutra, citação retirada do livro Histórias de mães  

“O livro conta e reflete sobre o trabalho delas, acima de tudo, de qualquer palavra, ideia ou história o objetivo é mostrar o quanto o trabalho delas é grandioso e importante. Essas mães têm uma causa, uma missão, sonhos e é isso que queremos mostrar. São pessoas que lutam e sabem onde querem chegar”, esclarece a professora Dirce. 

A obra também apresenta o depoimento dos estudantes da Universidade Franciscana que participaram do desenvolvimento do livro, contando como foi a experiência e a importância para sua formação acadêmica e humana. Uma das voluntárias do projeto, Andressa Reis Caetano, relata no livro a vivência: “Eu fui para ensinar, mas aprendi muito mais. Aprendi o que é empoderamento feminino, aprendi o que é transformação. Elas transformam o seu local de trabalho em fonte de renda e vivem o presente com intensidade do amanhã”. 

O livro pode ser adquirido em contato com a ASMAR, pelo telefone (55) 9 8111-0146, e também está disponível na Cooperativa dos Estudantes de Santa Maria (CESMA). 

Promovido pelo curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Franciscana (UFN), ocorreu nesta quinta e sexta-feira, dias 1º e 2 de setembro, o XV Fórum de Arquitetura e Urbanismo. Com o tema “SENSOS: perceber e criar”, estudantes e professores do curso da UFN e de outras instituições de ensino superior foram convidados a participar do evento, que foi realizado no conjunto III da instituição.

O fórum contou com palestras, oficinas e exposição.

O fórum proporciona a troca de experiências entre acadêmicos, arquitetos e urbanistas, fomenta a reflexão crítica a respeito dos processos criativos e produção contemporânea em arquitetura, urbanismo e paisagismo, além de aproximar a comunidade acadêmica de produção arquitetônica contemporânea de qualidade e mostrar aos acadêmicos a realidade da profissão, levando-os a ampliar possibilidades de atuação no mercado de trabalho. O evento recebeu 148 inscrições e alguns convidados. 

A professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Franciscana e Coordenadora do XV Fórum, Marina de Alcântara, ressalta a proposta do evento: “O fórum acontece desde 2013 na instituição. Os temas vão mudando à medida que as demandas complementares de formação dos alunos também mudam no cenário profissional. Este ano o tema do evento é “SENSOS – perceber e criar”. A nossa ideia é destacar o processo criativo do fazer projetos de Arquitetura e Urbanismo, entendendo que temos que estimular nossa capacidade de perceber e reconhecer o espaço, para assim poder criar espaços melhores para nós e para o público que atendemos”. 

O primeiro dia de “SENSOS”, quinta-feira, contou com uma cerimônia de abertura, palestras e mesa-redonda. A palestra da manhã trouxe a temática “O Conceito de Projeto”, com o Arquitetura Nacional, um escritório de Porto Alegre que partiu do legado da boa arquitetura brasileira para criar projetos atemporais e vanguardistas. A palestra realizada no turno da tarde teve como tema “O processo de criar”, com o SuperLimão Studio, um escritório de Arquitetura, de São Paulo, composto de um time criativo e multidisciplinar que desenvolve projetos de arquitetura e design. 

A temática da mesa-redonda foi “Produções e processos do Off Arquitetura”, tendo como integrantes egressos do curso. O primeiro dia de evento foi finalizado com a abertura da exposição “Percepções olhares sobre Santa Maria”, na sala de exposições Angelita Stefani, no prédio 14 da UFN. A mostra do curso de Arquitetura e Urbanismo apresenta fragmentos de concepções, ações e soluções criativas de alunos do curso. O acervo instiga interações com os observadores através de elementos visuais, auditivos e táteis que mostram resultados pensados para a apropriação de Santa Maria. 

Produção durante a oficina de arte: da concepção à superfície

A programação da sexta-feira contou com 4 oficinas diferentes. A oficina de Caminhografia, Fotografia de Arquitetura, Arte: da concepção à superfície e Collage: o recorte e a cola no Distrito Criativo. Os participantes puderam escolher qual oficina participar na hora da inscrição no fórum. 

De branco a estudante Giulia Piquini na oficina de Collage.

Giulia Piquini, de 20 anos, aluna do 6º semestre do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFN revela a experiência que a oficina Collage: o recorte e a cola no Distrito Criativo agrega. “De primeira vista a gente imagina que a colagem é uma coisa muito simples, mas a ideia da oficina é mostrar que a colagem vai muito além, tem toda uma configuração. Nossa cabeça funciona de um jeito muito mais plural do que imaginamos, as imagens são um meio de comunicação muito importante. Nas colagens colocamos camadas sobre camadas, imagens que nem imaginamos que fazem sentido e na hora da explicação começa a formar sentido. No final, aquilo pode se tornar muito maior e aprendemos a dar a devida importância”, conta a estudante. 

Imagens: Laboratório de Fotografia e Memória

Desde o início do mês de agosto, a Universidade Franciscana tem feito visitações a diversos colégios do ensino médio, tanto da rede pública quanto privada, para a divulgar a Mostra das Profissões que irá ocorrer no dia 30 de setembro.

Com o apoio de professores e funcionários da instituição, materiais como flyers  tem sido entregues nas escolas, principalmente para os alunos do 3° ano do ensino médio. A divulgação desse evento tem por objetivo convidar os estudantes para conhecerem o ambiente universitário, trocar experiências com profissionais do ensino superior e fazê-los conhecerem as diversas possibilidades de graduação na UFN.

Até o momento foram visitadas escolas de cidades vizinhas como Silveira Martins, Pinhal Grande, Cachoeira do Sul e Cruz Alta e em setembro haverá visitação às escolas de Santa Maria. 

João Domingos Santana, professor de Ensino Religioso e Orientador Educacional do ensino médio do Colégio Franciscano Santíssima Trindade, de Cruz Alta comentou sobre a importância de motivar os alunos para o mundo acadêmico: ‘’ Para os alunos do Santíssima Trindade é um diferencial essa feira, por eles poderem conhecer as possibilidades de seguir estudando na vida acadêmica superior, dentro de uma instituição franciscana, podendo escolher um curso de acordo com os seus ideais.”

UFN em visita ao Colégio Franciscano Santíssima Trindade. Imagem: arquivo UFN.

O aluno do 3º ano, Gabriel Alves da Silva, de 17 anos, que estuda em uma escola pública contou que já está decidido e quer cursar Design de Moda na UFN. Ele relatou que acha interessante levar a mostra até as escolas, para que os alunos saibam como funciona e possam ir até a UFN conhecer os cursos ofertados. Para ele, que já escolheu sua graduação, é importante ver como é o curso e conhecer quem já atua na área.

A mostra das Profissões UFN – ANO 10  vai ocorrer no dia 30 de setembro, das 9h às 19h no Conjunto III da UFN, localizado na Rua Silva Jardim, 1175, em Santa Maria. Com inscrições gratuitas pelo site, o visitante terá a sua disposição mais de 30 estandes dos cursos de graduação da instituição, de todas as áreas. Os alunos poderão trocar experiências com profissionais e estudantes, realizar experimentos em laboratórios, participar de workshops e visitar alguns locais onde ocorrem as aulas. Além de tudo isso a UFN ainda irá promover momentos culturais com shows, atividades artísticas e disponibilizará praça de alimentação para que além dos futuros acadêmicos, a família também possa ser acolhida e conhecer o espaço da universidade.

Posta no Facebook da instituição mostrou a nova identidade e o novo nome da instituição. Pelo menos 2,7 mil internautas utilizaram as reações do site de rede social para se expressar

Ressurreição. Nesta sexta-feira, dia 23 de março, uma semana antes da Páscoa alunos, professores, funcionários e egressos acordaram com uma novidade: o Centro Universitário Franciscano fora aprovado pelo Ministério da Educação para se tornar a Universidade Franciscana (UFN). Para acompanhar esse processo de mudança, foi adotada uma nova identidade visual para a instituição.

Uma marca nada mais é que um sistema visual funcional, que deve transmitir pelo seu design um diálogo emocional com o público. A realização coube a Editora Unifra, que foi escolhida a partir de um concurso interno. Sobre o processo de criação, Lucas Rodrigues dos Santos, programador visual da editora, contou que a proposta foi constituída a partir de seis unidades interligadas da figura do Tau, formando um núcleo. Todas as unidades foram representadas em tons de azul, que, unidas em pares, refletiram os três pilares da missão da instituição. São eles: Ciência, Humanidade e Espiritualidade. “A marca UFN traduz, por meio de sua forma, os conceitos de experiência, determinação e contemporaneidade.O projeto de identidade contribui para difundir a imagem da instituição, propagando os princípios educativos e espirituais”, afirma dos Santos.

O programador visual afirma ainda que a solução mais adequada encontrada pela equipe foi trabalhar a partir de um redesenho da marca antiga da Unifra, que a renovou, respeitando sua história e conservando sua essência. “Este projeto mostra uma imagem que já está intrínseca no imaginário popular, algo que sempre será lembrado por todos”, reitera.

A reitora da agora UFN, irmã Iraní Rupolo, concedeu à equipe da Agência CentralSul de Notícias uma entrevista exclusiva, que será publicada na semana que vem, sobre as mudanças dessa transição e perspectivas para o futuro.

Professora Lurdes Lomba e reitora Irmã Iraní Rupolo. Fotos: Mariana Olhaberriet/LABFEM

Na tarde desta quinta-feira(22), as convidadas para compartilhar suas experiências na Internacional Week no Centro Universitário Franciscano foram a professora Lurdes Lomba, da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Portugal, e  Margarita Poblete Troncoso, professora da Universidad Catolica del Maule, no Chile. A reitora do Centro Universitário Franciscano, Irmã Iraní Rupolo também participou da mesa redonda sobre as conquistas e desafios da internacionalização, que teve a mediação do professor Rodrigo Jappe.

Em sua apresentação, Lurdes conta sobre o Protocolo Erasmus, um programa de apoio interuniversitário de mobilidade de estudantes e docentes do Ensino Superior entre Estados-membros da União Europeia e Estados associados, permitindo que alunos estudem em outro país. A professora diz que 29% dos alunos da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra fazem parte do programa, e que ela acredita que a mobilidade é o primeiro passo na procura de novas ideias e experiências. Já a reitora Irani Rupolo menciona a importância da internacionalização no ensino superior do Brasil. “Cada lugar oferece uma vivencia e aprendizado diferente. O aluno voltar com esse conhecimento de fora, é algo de grande valor acadêmico”, afirmou a reitora.

Equipe de organização da Internacional Week.

Após a mesa redonda, os participantes foram convidados a descer ao pátio da instituição para a Internacional Cuisine, onde ocorreu uma integração gastronômica com comidas típicas de alguns países.

Amanhã(23), sexta-feira, será o último dia da 1ª Semana Internacional onde será ministrado o Workshop: Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem. O evento de manhã, às 8h30min, e a tarde, ás 14h, na Sala de Conferências, no 10º andar do prédio 17, no Conjunto III da Unifra.

Gabriel Peres, coordenador da AIESEC. Foto: Fernando Cézar/ Assecom

A primeira edição do International Week no Centro Universitário Franciscano, além de fortalecer a cooperação internacional, também fomenta a cultura entre acadêmicos, docentes, mestrandos, doutorandos e residentes por meio da socialização entre vivências e experiências de pessoas que experientes no assunto.

No módulo sobre ‘’ Eu quero estudar em outro país: que passos seguir? ’’ o professor Rodrigo Jappe, coordenador do ARAI (Assessoria de Relações Acadêmicas Interinstitucionais), explicou o passo a passo esclarecedor sobre como realizar um intercâmbio pela UNIFRA. Segundo Jappe, o aluno regularmente matriculado, que tenha notas acima de 7, tenha proficiência em línguas estrangeiras (inglês, espanhol, francês ou alemão) e tenha cartas de recomendação de pelo menos dois docentes, está apto para concorrer com uma vaga. Quando selecionado pelo edital, o aluno não vai ter custos com mensalidade na nova universidade, isso devido aos convênios que a UNIFRA mantém com mais de 10 universidades ao redor do mundo, sendo disponibilizadas 40 vagas por semestre.  Mais informações disponíveis nos editais na página da UNIFRA.

Gabriel Peres, presidente da AIESEC Santa Maria, relata que para participar da AIESEC é necessário ter entre 18 e 30 anos e ser universitário (ou formado em, no máximo, 2 anos). Além disso, deve-se dominar o inglês e espanhol básico. ’Essas são orientações para todos os escritórios da nossa organização no Brasil. No entanto, os escritórios podem exigir outros requisitos do interessado’’, conta Gabriel. Mais informações no nosso site (SITE) ou direto no Facebook da AIESEC Santa Maria (link do fb)

Gabriel Santos, coordenador da EGALI Santa Maria, o objetivo da EGALI é oferecer suporte ao visto sem despachante, orientação pré-embarque completa e suporte durante todo o intercâmbio. Gabriel falou também sobre os cursos com trabalhos, cursos de idiomas em diversos lugares, como Dublin, Londres, Toronto, com plano de saúde e acomodações.

 

Estudantes que vivenciaram Portugal em painel mediado pelo professor Rodrigo Jappe. Foto: Aline Gonçalves/LABFEM

A mobilidade acadêmica como forma de intervenção cultural. Iniciou nesta segunda-feira, 19, o Iº Internacional Week do Centro Universitário Franciscano. O evento acontece até o dia 23 de março, no conjunto I da instituição, localizado na rua dos Andradas. E tem como principal objetivo, promover palestras e debates sobre os intercâmbios estudantis fora do país.

Em seu primeiro dia, foram realizadas três palestras, ministrados por alunos e professores egressos da instituição. Nelas, foram tratados assuntos como estadia, dificuldades enfrentadas e qualidade de ensino no exterior. Além disso, os palestrantes trouxeram imagens dos locais visitados e tiraram dúvidas da plateia.

O primeiro debate aconteceu pela manhã, sendo ministrada por intercambistas que estudaram nos Estados Unidos. O enfermeiro Leonardo Guerra, a residente Vanessa Hennig,  e os professores Letícia Bento, Alexandre Swarowsky e Germano Possani, mediada pela Professora Carla Ferreira

À tarde, o tema foi Canadá e contou com as professoras Naiana dos Santos, Bruna Maraschin, a Mestre Gomes e a mestranda Bianca Bianchini, mediada pela Professora Juliana Colomé.

A última palestra da noite tratou sobre Portugal  e teve como participantes da conversa os alunos Pablo Cardoso, Thomaz Delgado, Brenda de Lima, Marco Echevesttre, Giovana  Mezadri, Luis Pereira e Thaine da Silva, sendo mediada pelo professor Rodrigo Jappe.

A professora Naiana dos Santos considera que a principal contribuição trazida dos estudos no exterior são nos laboratórios de simulação realístico, principalmente no curso de enfermagem e em projetos de pesquisa. Além disso, ela acredita que o evento contribui para que os alunos se motivem a realizar intercâmbio.

Já o aluno Thomaz Delgado que realizou intercâmbio durante 6 meses, acredita que a mobilidade acadêmica é um ganho tanto para o aluno quanto para a instituição, pois a experiência  trouxe acesso a áreas do seu interesse, assim, acrescentando a sua bagagem de conhecimento acadêmico.

A aluna do 7º semestre do curso de Enfermagem, Gabriela Moraes de 22 anos, também já realizou intercâmbio e estava na platéia. Ela conta que não teve um evento como este quando quando foi estudar fora do país e considera que o Week Internacional deveria acontecer semestralmente ou anualmente, uma vez que são esclarecidas muitas dúvidas sobre o processo de intercâmbio, as quais ajudam o aluno a se preparar para a viagem.

A partir desse semestre, alunas do Curso de Medicina do Centro Universitário Franciscano, colocarão em prática o projeto Acadêmicos do Riso. O projeto possui como objetivo levar alegria, sorrisos, amor e diversão à pacientes internados no Hospital São Franciscano de Assis, Casa de Saúde, e também levar conforto aos idosos do Asilo Vila Itagiba e crianças do Centro de Apoio a Criança com Câncer.

Segundo as alunas Jefani Souza e Mariana Uriarte, a ideia do projeto surgiu em uma reunião da liga acadêmica de medicina. O assunto veio à tona entre quatro estudantes que começaram a conversar e ver que era um sonho em comum. A partir disso, montaram o projeto e resolveram atuar em prol de pessoas carentes, institucionalizadas e hospitalizadas. “Eu adorei a ideia e abraçamos ela juntas, agora tá aí o resultado começando a sair”, acrescentou Jefani.

A proposta é reunir alunos dos cursos de graduação do Centro Universitário Franciscano, os quais se vestirão de palhaço para realizar atividades lúdicas, promovendo assim o amor e carinho por meio de expressões culturais como música, dança e teatro.

Como requisitos, é preciso que o aluno seja dos cursos de Biomedicina, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Jornalismo, Medicina, Psicologia, Publicidade e Propaganda, Nutrição, Odontologia ou Terapia ocupacional.

No início do projeto, as acadêmicas haviam pensado em selecionar 23 voluntários, mais cinco, contando com a equipe técnica e a professora responsável. Devido a grande procura e a vontade de oportunizar mais acadêmicos, aumentaram para 40 voluntários, mais a equipe técnica e professora responsável. Os voluntários serão divididos em quatro grupos.

[dropshadowbox align=”none” effect=”lifted-both” width=”auto” height=”” background_color=”#ffffff” border_width=”1″ border_color=”#dddddd” ]Para fazer parte desse projeto, é necessário enviar o nome, curso, semestre, matrícula, telefone e comprovante de matrícula, e também responder a pergunta “Porque quer participar do Acadêmicos do Riso?”, para o e-mail academicosdoriso@gmail.com. As inscrições vão até o dia 20 de março.[/dropshadowbox]

Após a seleção inicial, os pré selecionados com dados de acordo, passarão para a fase presencial, na qual ocorrerá uma entrevista informal e cada aluno pontuará de acordo com uma lista preparada e será exposta aos voluntários no dia. Nessa lista consta criatividade na entrevista, boa comunicação e disponibilidade aos fins de semana. Os outros critérios não tiram pontuação, mas dão um extra para o candidato que tiver, como por exemplo, disponibilidade de tocar instrumento musical e usar fantasia e jaleco.

[dropshadowbox align=”none” effect=”lifted-both” width=”auto” height=”” background_color=”#ffffff” border_width=”1″ border_color=”#dddddd” ]”Espero que seja proveitoso tanto aos que serão visitados quanto aos voluntários. Que possa trazer crescimento profissional mas principalmente pessoal. Que todos possam vivenciar e aprender com a população em situações vulneráveis e também com o convívio com acadêmicos de outros cursos. Temos todas o desejo que o projeto sempre se expanda e que com o passar dos semestres mais cursos possam ser adicionados nele”, afirmou Mariana.[/dropshadowbox]

Mais informações também pelo e-mail acadêmicosdoriso@gmail.com.

Gerenciamento de conhecimento como forma de aprendizado. O reitor, professor doutor da Universidade de Caxias do Sul (UCS), Evaldo Antônio Cuiabá ministrou nesta sexta-feira (16), a aula inaugural do Centro Universitário Franciscano. A palestra que começou às 16h, aconteceu no salão de atos do conjunto 1, localizado na rua dos Andradas. Nela reuniram-se alunos, professores e administradores da instituição.
Tendo sua palestra como convicção de vida, Cuiabá questionou as relações pessoais e como elas são importantes. Segundo o professor, não basta as pessoas saberem muito sobre determinado assunto ou vários temas, se esses saberes não garantem o sucesso como um todo. Ele ainda reforça que existem muitas questões pessoais que precisam ser administradas, para que outras, como a profissão, não sejam prejudicadas. Além disso, reforçou como é importante os professores terem uma organização de conhecimento para que seus alunos aprendam mais e exista uma troca de conhecimentos.
A coordenadora do Mestrado Profissional em Saúde Materno Infantil, Dirce Backes, considera que o processo de desenvolver a autonomia do aluno já é trabalhado em sala de aula. Ela considera o conhecimento como algo complexo e dinâmico, que não se dá ou se constrói apenas pela ciência.
Já a coordenadora do Mestrado de Ensino de Humanidade e Linguagem, professora Elsbeth Becker. Ressalta que ainda há muito o que se fazer para que haja trocas entre aluno e professor. Mas quando o graduando percebe que é o protagonista do conhecimento proposto em aula, ele se entrega ao assunto.