Muito mais do que separar o lixo


Por Luisa Neves

 

 

Ambjor-02

Na Unifra, lixeiras seletivas são encontradas em todos os   conjuntos

Na Unifra, lixeiras seletivas são encontradas em todos os conjuntos

SUSTENTABILIDADE

A palavra sustentabilidade começou a ser usada em junho de 1972, na Conferência das Nações Unidas  sobre o Meio Ambiente, em Estocolmo. A partir deste encontro que foi o primeiro organizado com o objetivo de discutir assuntos relacionados ao meio ambiente, o conceito sustentabilidade ganhou maior importância. Já no Brasil, o conceito de sustentabilidade teve ênfase a partir da Conferência sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento (ECO 92), no Rio de Janeiro.

Hoje o tema Sustentabilidade está na moda. Todos os dias jornais, revistas, programas de televisão e sites abordam o assunto. De alguma ou de outra forma, encontramos dicas, apelos e esforços para conscientizar o homem a cuidar do planeta.  Não tem  como ignorar o tema que deveria estar, não só na boca, mas no estilo de vida das pessoas. Mas, o que é ser sustentável?

Nossa equipe realizou uma enquete com 15 estudantes do Centro Universitário Franciscano. Ao serem questionados se eram sustentáveis, três resp0nderam que não, enquanto 12 responderam que cuidavam do meio ambiente.

“Sou uma pessoa sustentável. Em casa separamos o lixo orgânico do lixo reciclável.” Alexandre Ivo Vieira, estudante do Curso de Instrutor de Trânsito

“Sim, sou uma pessoa preocupada com sustentabilidade. Quando trabalhava em fábrica de pneus descobri  que este material poderia ser reaproveitado em asfaltos e sempre repasso esta informação.” Claison de Ávila, estudante do Curso de Instrutor de Trânsito

Valdirene Quevedo, Curso de Instrutor de Trânsito

“Estou aprendendo a ser sustentável.  Não fazia nada, mas hoje separo o lixo e faço reciclagem. Estou aprendendo aos poucos a cuidar do meio ambiente.” Valdirene Quevedo, estudante do Curso de Instrutor de Trânsito

“Sim, sou sustentável na questão de organizar o lixo”.  Lauson Beltrame Pregardier, estudante de Administração

Françoá Dal Ross, estudante de Odontologia

Françoá Dal Ross, estudante de Odontologia

“Sou sustentável. Além de separar o lixo, aproveito a maior parte dos alimentos e ando a pé o máximo que posso.” Tarla Weber, Publicitária

“Não sou sustentável. Acho que tem poucas políticas a respeito de preservação do meio ambiente no Brasil e pouca informação.” Françoá Dal Ross, estudante de Odontologia

“Sim, sou sustentável porque separo o lixo de casa”. Júlia Fleck, estudante de Jornalismo

“Acredito que sou uma pessoa sustentável porque não jogo lixo no chão e separo lixo orgânico do lixo reciclável. Assim, cuido para não poluir o meio ambiente.” Sabrina Ludwig, estudante de Psicologia

“Sou uma pessoa sustentável. Não jogo no lixo no chão e sempre separo.” Thayátira Rocha, estudante de Psicologia

“Não tenho tempo para ser sustentável”.  Ana Laudia Coelho, estudante de Enfermagem

“Não sou sustentável. Nunca parei para pensar no assunto.” Elaine Flores, estudante de Nutrição

“Sou sustentável. Reciclo o lixo.” Rafael Vargas,estudante de Arquitetura

Sim, sou sustentável. Separo o lixo e não largo nada no chão.” Andressa Gindri, estudante de Arquitetura

Sim, separo o lixo.” Larissa Zanini, estudante de Arquitetura.

Que outras atitudes podem ser tomadas a fim de incentivar as pessoas a serem sustentáveis? Ainda falta informação sobre  práticas de sustentabilidade?

Fechar torneiras, reaproveitar a água, ser menos consumista, reduzir o uso de sacolas plásticas, exigir o selo que identifica os alimentos transgênicos, armazenar o óleo usado de cozinha para entregar nos postos de reaproveitamento, informar-se sobre o tempo de decomposição dos materiais, andar mais a pé ou de bicicleta, economizar energia elétrica, informar-se sobre fontes alternativas de energia, reduzir o lixo eletrônico, são algumas entre centenas de atitudes que, se adotadas, podem fazer grande diferença para a vida no planeta.

Lixo não evapora

Segundo dados apresentados em debate  na  Comissão de Meio Ambiente do Senado Federal, em abril do ano passado,  o Brasil é o 5º país que mais produz lixo no mundo e apenas 3% do resíduos sólidos são reciclados. Então, separar o lixo é uma atitude válida, porém, não isenta o cidadão da responsabilidade de diminuir a produção de lixo. Isso só é possível a partir de uma conscientização a respeito do consumismo, o grande vilão do ecossistema. Não basta fechar a sacolinha de lixo e colocar no lugar certo. Antes de separar é necessário diminuir a produção de lixo.Não é porque o lixo não está mais em  casa ou ao alcance dos olhos que deixa de existir.

Fotos: Caroline Pigatto (Laboratório de Fotografia e Memória)

selo sustentabilidade

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *