GEPA convida para o mês da consciência negra


Por Gabriela Gabbi

 

Cartaz divulgação GEPA.

O Grupo de Estudos sobre o Pós-Abolição (GEPA), vinculado ao curso de História, da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) convida para a programação de novembro, “130 anos da Abolição: Protagonismos negros”, que inicia com o lançamento da Campanha de Preservação dos Jornais da Imprensa Negra de Santa Maria, na quarta-feira, 14 de novembro de 2018.

A programação conta com a apresentação dos materiais oficiais digitais e impressos, apresentação dos jornais da imprensa negra de Santa Maria e dos homenageados, colaboradores e descendentes da imprensa negra.

Confira a programação:  

14/11 – Quarta-feira

10h: Lançamento da Campanha de Preservação dos Jornais da Imprensa Negra de Santa Maria: Apresentação da campanha digital e impressa,  dos jornais da Imprensa Negra de Santa Maria, falas das autoridades e dos homenageados, descendentes da Imprensa Negra. Coffee Break e apresentação de encerramento.
Local: CCSH UFSM, Prédio 74 A, Campus Camobi.

14h: Exibição do Filme “Pobre Preto Puto” (2016), da Pé de Coelho Filmes.
Painel de trabalhos do GEPA:
1. Eu négo que aqui só tenha branco: Experiências negras no pós-Abolição na cidade de Venâncio Aires/RS – Helen da Silva Silveira.
2. O que José e Innocência tem a nos dizer sobre Escravidão e Liberdade? – Franciele Rocha de Oliveira.
3. O protagonismo da mulher negra na Educação – Késsia Machado.
4. Desabusadas e levadas do Diabo? Mulheres pobres e a Santa Maria do início do século XX – Gabriela Rotilli.
5. A Imprensa Negra em Cachoeira nas páginas do jornal O Astro – Aline Sônego.

Local: CCSH UFSM, Prédio 74 A, Campus Camobi.

15/11 – Quinta-feira

17h: Participação no 2º Nei Day do Ará Dudu. Apresentações artísticas e culturais em homenagem a Nei D’Ogum. O GEPA estará com a campanha de preservação dos jornais da Imprensa Negra de Santa Maria.
Realização: Ará Dudu.
Local: Praça dos Bombeiros.

23/11 – Sexta-feira
16h: Palestra com Sherol dos Santos, Profª Doutoranda em História (UFRGS) e Atinuké.
Local: CCSH UFSM, Prédio 74 A, Campus Camobi.

SOBRE A CAMPANHA DOS JORNAIS DA IMPRENSA NEGRA

A campanha tem como intuito localizar os jornais negros que eram produzidos pela comunidade negra e para esta. Além de identificar seus sujeitos criadores, descendentes e guardiões da Imprensa Negra local, construindo uma rede de apoio para preservarmos estas importantes fontes, que ajudam a contar a História dos protagonismos negros na cidade. Até o momento se sabe da existência de, pelo menos, quatro periódicos: O Rebate (1919), O Succo (1921), a Voz do Treze (1965), O Tigre (1970). O grupo entende que, a partir da arrecadação e contato com estas pessoas, é possível colaborar com a visibilidade sobre a agência e os protagonismos negros na cidade de Santa Maria, sobretudo, no pós-Abolição.

COMO PARTICIPAR DA CAMPANHA
Após o lançamento da Campanha de Preservação dos Jornais da Imprensa Negra de Santa Maria (14/11), quem possui estes jornais pode fazer contatos para a doação das fontes ou para cópia das mesmas em diferentes locais na cidade: Arquivo Histórico Municipal de Santa Maria – AHMSM (Rua Appel, 300); ou nas secretarias da pós e da graduação em História e também na secretária do curso de Arquivologia (Prédio 74A, no campus da UFSM). Os materiais da campanha serão distribuídos pela cidade (Cartazes e folders com telefones, e-mails e endereços).

MAIS SOBRE A CAMPANHA

Inserindo-se dentro das temáticas do campo do Pós-Abolição e dos estudos acerca dos protagonismos negros em escravidão e liberdade, o GEPA decide adentrar o universo da Imprensa Negra Meridional Riograndense, olhando para as experiências de jornais negros de Santa Maria. Entre outras questões, buscando identificar tais fontes, reuni-las, compreender quem são seus sujeitos e protagonistas, seus objetivos, principais ações, modos de atuação e execução e, sobretudo, o que expressavam, pensavam, diziam, suas escritas de si, colaborando, assim, para compreender esta intelectualidade negra, alvo de desigualdade e racismo. Como vem mostrando diversos estudos a nível nacional e internacional, compreender a existência e a realização desta imprensa é ouvir vozes negras esquecidas, muitas vezes subestimadas. É colaborar para a ruptura de esteriótipos sobre estas comunidades que foram e tiveram entres os seus, escravizados, libertos, livres e seus descendentes, sujeitos que também tinham suas próprias epistemologias, conhecimentos, intelectualidade e a colocavam a serviço dos seus e suas. Infelizmente, pouco se sabe sobre a Imprensa Negra local e seus sujeitos. Seus jornais encontram-se dispersos.

Realização e Apoios:
GEPA – Grupo de Estudos sobre o pós-Abolição
Associação ARÁ DUDU
UFSM – Universidade Federal de Santa Maria
PRE – Pró-Reitoria de Extensão UFSM
Departamento de História / UFSM
Curso de História Licenciatura UFSM
Bacharelado em História UFSM
Programa de Pós-Graduação em História UFSM
Curso de Arquivologia UFSM
Arquivo Histórico Municipal de Santa Maria.

Fonte: GEPA UFSM 

Deixe um comentário

Adicione o seu comentário abaixo, ou trackback de seu próprio site. Você também pode acompanhar estes comentários (assinar) via RSS.

Seu e-mail nunca será divulgado, nem compartilhado. Os campos obrigatórios estão marcados com *