Santa Maria, RS (ver mais >>)

Santa Maria, RS, Brazil

A tecnologia como segunda linguagem

Professor Ronaldo Lima Jr. Foto: Viviane Campos. Lab. de Fotografia e Memória
Professor Ronaldo Lima Jr., da Universidade Federal do Ceará, durante o XV InLetras.  Foto: Viviane Campos. Lab. de Fotografia e Memória

A Tecnologia como segunda linguagem foi o tema da conferência da noite desta quarta-feira, 26, no XV Seminário Internacional em Letras (InLetras), do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA). 
A palestra ministrada pelo prof. Dr. Ronaldo Lima Jr. (UFC) enfatizou sobre como aprender a usar a tecnologia em paralelo ao aprendizado de uma segunda língua. De uma maneira dinâmica e, até mesmo, humoristica, o palestrante utilizou de exemplos do cotidiano para ilustrar a evolução da tecnologia.  Lima apresentou um vídeo em que o personagem principal não sabia como manusear e para que servia um livro no período medieval. Ou seja, à época, o livro era considerado uma tecnologia, mas  era pouco conhecido. E hoje acontece o mesmo quando alguém que não domina a linguagem tecnológica para usar um dispositivos móvel, ou qualquer outro que seja.
De acordo com o professor “conforto e desconforto com a tecnologia sempre vai existir por causa da sua natureza”. Cada vez que novas descobertas são feitas no campo da inovação, o homem precisa se adaptar e começar a aprender tudo novamente.
Nomeando os usuários como nativos e imigrantes, Lima esclarece que quem já nasceu na era da web 2.0 tem maior facilidade em aprender do que os imigrantes que precisam se adaptar a cada mudança que ocorre.
Durante a conferência, o palestrante elencou características que fazem com que um aluno tenha sucesso quando se dedica a aprender uma nova língua. Entre essas caracteristicas estão a responsabilidade pelo próprio aprendizado, a organização com as informações sobre a segunda língua e, ainda, criar e desenvolver um “feeling” pela outra língua aprendida. 
Lima encerrou a palestra com uma mensagem para os professores. Ressaltou que eles não tenham o chamado “medo” das novas tecnologias porque são imigrantes, frente à muitos nativos digitais. “Eles sabem a tecnologia, mas você sabe como aprender a língua”, enfatizou Lima. Para ele, aprender uma nova língua fica mais fácil quando em conjunto com as tecnologias.

 Por Laíz Lacerda, matéria produzida na disciplina de Jornalismo Especializado II.

LEIA TAMBÉM

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Professor Ronaldo Lima Jr. Foto: Viviane Campos. Lab. de Fotografia e Memória
Professor Ronaldo Lima Jr., da Universidade Federal do Ceará, durante o XV InLetras.  Foto: Viviane Campos. Lab. de Fotografia e Memória

A Tecnologia como segunda linguagem foi o tema da conferência da noite desta quarta-feira, 26, no XV Seminário Internacional em Letras (InLetras), do Centro Universitário Franciscano (UNIFRA). 
A palestra ministrada pelo prof. Dr. Ronaldo Lima Jr. (UFC) enfatizou sobre como aprender a usar a tecnologia em paralelo ao aprendizado de uma segunda língua. De uma maneira dinâmica e, até mesmo, humoristica, o palestrante utilizou de exemplos do cotidiano para ilustrar a evolução da tecnologia.  Lima apresentou um vídeo em que o personagem principal não sabia como manusear e para que servia um livro no período medieval. Ou seja, à época, o livro era considerado uma tecnologia, mas  era pouco conhecido. E hoje acontece o mesmo quando alguém que não domina a linguagem tecnológica para usar um dispositivos móvel, ou qualquer outro que seja.
De acordo com o professor “conforto e desconforto com a tecnologia sempre vai existir por causa da sua natureza”. Cada vez que novas descobertas são feitas no campo da inovação, o homem precisa se adaptar e começar a aprender tudo novamente.
Nomeando os usuários como nativos e imigrantes, Lima esclarece que quem já nasceu na era da web 2.0 tem maior facilidade em aprender do que os imigrantes que precisam se adaptar a cada mudança que ocorre.
Durante a conferência, o palestrante elencou características que fazem com que um aluno tenha sucesso quando se dedica a aprender uma nova língua. Entre essas caracteristicas estão a responsabilidade pelo próprio aprendizado, a organização com as informações sobre a segunda língua e, ainda, criar e desenvolver um “feeling” pela outra língua aprendida. 
Lima encerrou a palestra com uma mensagem para os professores. Ressaltou que eles não tenham o chamado “medo” das novas tecnologias porque são imigrantes, frente à muitos nativos digitais. “Eles sabem a tecnologia, mas você sabe como aprender a língua”, enfatizou Lima. Para ele, aprender uma nova língua fica mais fácil quando em conjunto com as tecnologias.

 Por Laíz Lacerda, matéria produzida na disciplina de Jornalismo Especializado II.